Fonte: OpenWeather

    Negociação


    Saúde receberá 24,20% de reajuste no AM, diz governo

    A negociação pôs fim a paralisação do setor de saúde no AM confirmada para os próximos dias

     O acordo foi fechado nesta quinta-feira (12) em reunião ordinária, no Centro de Convenções Vasco Vasque
    O acordo foi fechado nesta quinta-feira (12) em reunião ordinária, no Centro de Convenções Vasco Vasque | Foto: Divulgação

    Manaus - A negociação com sindicatos que representam a categoria de servidores da saúde com o governo do estado resultou em reajuste de 24,20% de reposição salarial para a classe. O acordo foi fechado nesta quinta-feira (12) em reunião ordinária, no Centro de Convenções Vasco Vasques.

    De acordo com a assessoria, ficou decidido que serão pagos, já a partir de maio, na data base da categoria, 10,85% de reajuste – sendo 2,68% referente à reposição de 2018 e mais 8,17% retroativos à data base de 2015. Em 2019, serão concedidos 9,27% retroativos a 2016 e mais a data base do ano. Em 2020, serão 4,08% retroativos a 2017 e mais a data base do ano. 

    O Governo também vai aumentar, já a partir de junho, de R$ 220 para R$ 420, o valor do auxílio alimentação, estendido também a servidores do interior do Estado. 

    Também foi acordado que as datas bases retroativas serão cumpridas em maio de cada ano e fixadas em lei, garantindo, com isso, a quitação pelo atual governo, das reposições não pagas pelas gestões anteriores. 

    Além dos sindicatos dos servidores da saúde, a Mesa conta com representantes do governo, com o acompanhamento da Procuradoria Geral do Estado (PGE) e Defensoria Pública do Estado (DPE). 

    Também como resultado do acordo firmado com os servidores da saúde, será feita a revisão do Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração (PCCR) da categoria. 

    Para a presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Saúde do Amazonas (Sinsaúde), Cleidinir Francisca, a negociação pôs fim a iminente paralisação. “Foi consenso de todos os sindicatos em aceitar a proposta porque consideramos viável. Foi um processo árduo, mas a evitou a paralisação dos serviços, que traria um prejuízo enorme para a população. O vale refeição também foi um avanço para a classe, principalmente para os que estão no interior”, frisou.

    O acordo fechado durante a mesa de negociação seguiu para a Casa Civil.

    Leia mais:

    Apesar da propaganda, pacientes no AM continuam nas filas dos hospitais

    Ausência de advogados adia julgamento de envolvidos na morte de policial no Amazonas

    Forro de maternidade cai e assusta mães em unidade pública de Manaus

    Comentários