Fonte: OpenWeather

    Polícia


    Um ano depois, desaparecimento de delegado no Solimões segue sem resposta

    Até hoje, a Polícia Civil não indiciou qualquer suspeito sobre o sumiço do delegado

    Thyago Garcez desapareceu após confronto com traficantes na região do rio Solimões | Foto: Divulgação

    Um ano depois do desaparecimento do delegado da Polícia Civil, Thyago Garcez, lotado no município de Coari (distante a 363 quilômetros de Manaus) que desapareceu durante uma operação contra traficantes no Rio Solimões, no dia 5 de dezembro de 2016, o caso continua sem respostas. 

    A mulher do delegado, Viviane Garcez, 30 anos, diz que ainda não se conformou com a falta de informações após um ano de desaparecimento do marido. "Continuo acompanhando o que posso sobre as investigações, mas não há muita coisa para acompanhar", conta ela.

    Viviane afirma que ao completar um ano de angústia e de falta de informação, não há mais o que falar, infelizmente. "A dor e sofrimento maiores  são que não tenho o direito de enterrar o corpo do meu marido", desabafa a esposa do policial.

    A Polícia Civil informou, por meio da assessoria, que os possíveis autores do desaparecimento do delegado Thyago Garcez não foram indiciados. Também não foram encontradas evidências de crime. 

    Leia também:  hospital pede ajuda para identificar paciente em coma e com traumatismo craniano

    Ainda segundo a PC, o inquérito policial foi encaminhado ao Ministério Público Federal (MPF) e o processo agora é analisado pela Justiça Federal. 

    Rota de tráfico

    O delegado Paulo Mavignier, diretor do Departamento de Investigação sobre Narcóticos (Denarc) da Polícia Civil, informou que o local onde o delegado Garcez desapareceu continua sendo rota de tráfico e sofre com constantes ataques de assaltantes de embarcações, conhecidos como "Piratas". 

    "As drogas vindas de Tabatinga, Maraã, precisam passar por Coari que hoje é uma área de 'piratas' de embarcações, onde ocorrem ataques constantes. Com isso, os traficantes se armaram contra os piratas e existe uma disputa", disse Mavignier. 

    O chefe do Denarc ressaltou ainda que recentemente aconteceram operações para desarticular os piratas, mas os traficantes acabam conseguindo armamentos contra a polícia também. "Infelizmente é complicado naquela área, mas as autoridades policiais estão trabalhando bastante para desarticular o tráfico. Só esse ano foram mais de 6 toneladas de drogas apreendidas pelo Denarc."

    Entenda o caso

    Thyago Garcez (que tinha 30 anos na época de seu desaparecimento) era o titular da Delegacia Interativa de Coari e desapareceu durante uma operação contra traficantes no Rio Solimões, no dia 5 de dezembro. No dia 6 de dezembro de 2016, a metralhadora que ele usava foi encontrada no fundo do rio e o colete a prova de balas usado pelo policial foi achado nas proximidades de Codajás (distante a 240 quilômetros de Manaus). Um fuzil utilizado por policiais militares que também participaram da operação também foi encontrado na região.

    A Polícia Civil ainda não sabe se o delegado sumiu em virtude da ação dos suspeitos ou se afogou. O corpo não foi encontrado.  

    Edição: Sídia Ambrósio

    Leia mais: 

    mulher de advogado morto no porao disse que tentou evitar agressao a delegado

    empresaria resolve seguir trilha sozinha e acaba se perdendo em mata de presidente figueiredo

    dupla faz refens em assalto na agencia dos correios e foge com arma do seguranca


    Comentários