Fonte: OpenWeather

    Negligência


    Mulher denuncia negligência e descaso no Instituto da Mulher em Manaus

    Segundo relatos da paciente, uma médica disse que o sangramento que ela estava sentido era "comum"

    Autônoma exibe laudo médico emitido por médica no Instituto da Mulher | Foto: Janailton Falcão

    Manaus – Uma autônoma de 31 anos procurou o portal Em Tempo para realizar uma denúncia contra o Instituto da Mulher e Maternidade Dona Lindu. A denunciante informou que sofreu negligência na unidade hospitalar, situada na avenida Mário Ypiranga, no bairro Adrianópolis, na Zona Centro-Sul de Manaus.

    Segundo relato da mulher, na terça-feira (7), ela começou a apresentar um sangramento e procurou a maternidade. Ao ser atendida por uma médica da unidade hospitalar, a mulher foi aconselhada a voltar para casa. Conforme a mulher, a médica ainda teria dito que o sangramento era “normal”.

    “Fiz uma ultrassonografia e a médica disse que eu não tinha nada e que aquele sangramento era normal. Me recusei a sair de lá enquanto não fosse atendida novamente. Cheguei a dormir no hospital”, afirmou.

    Após a paciente se recusar a sair do hospital, no dia seguinte, foi realizada uma nova ultrassonografia onde foi constatado que a mulher estava sofrendo um aborto espontâneo.

    Ultrassonografia identificou que a mulher estava sofrendo aborto de feto de 14 semanas
    Ultrassonografia identificou que a mulher estava sofrendo aborto de feto de 14 semanas | Foto: Janailton Falcão

    Leia também: Pacientes denunciam demora para atendimento na Fundação Cecon

    Após o diagnóstico, a mulher ficou recebendo soro enquanto esperava para realizar a curetagem, que é o procedimento feito para limpar o útero. A autônoma disse que precisou esperar sentada em uma cadeira pois não haviam macas disponíveis na maternidade.

    “Eu fiquei esperando sentada, uma posição em que eu nem poderia ficar já que estava sofrendo um aborto”, disse.

    Após a curetagem, a autônoma foi encaminhada até a sala de recuperação pós-anestésica. Ela disse que não pôde receber a visita do marido enquanto estava na ala referida. A autônoma recebeu alta na tarde desta sexta-feira (10) e foi orientada a ficar em repouso.

    Susam

    A reportagem do Em Tempo procurou a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam). O órgão informou que está apurando o caso e vai enviar uma resposta em breve.

    Leia mais:

    Apesar da propaganda, pacientes no AM continuam nas filas em hospitais

    Manaus pode ter 94% de aprovação de alunos da rede municipal este ano

    Aproximadamente 500 terceirizados de refinarias protestam em Manaus

    CIDADANIA

    Comentários