Fonte: OpenWeather

    Turismo


    Dez lugares imperdíveis para conhecer em Manaus

    No coração da Floresta Amazônica, a cidade oferece várias opções para quem deseja uma imersão nos costumes e história da capital amazonense

    O Teatro Amazonas é o principal ponto turístico da capital amazonense | Foto: Ione Moreno

    Manaus – Localizada no coração da Floresta Amazônica, Manaus, capital do Amazonas, é repleta de atrações que fazem os visitantes terem uma imersão na cultura local, trazendo experiências únicas, desde a apreciação da riquíssima culinária até ao contato intenso com a natureza. As belezas naturais convivem, lado a lado, com a rica arquitetura dos tempos áureos do Ciclo da Borracha, uma mistura de natureza, história e urbanismo desenvolvido pela Zona Franca de Manaus.

    Na cidade, o novo e o velho se misturam: casarões do século passado convivem lado a lado com prédios modernos. Nos portos da cidade, interior e capital se encontram, misturando experiências de quem vive cercado pela natureza e quem mora na selva de pedra. 

    A metrópole tem em si um pedacinho da floresta: reservas ambientais, árvores centenárias e animais silvestres dividem o cenário com muros de concreto, carros e prédios luxuosos. A interação do meio ambiente e do universo urbano trouxe o apelido de "Coração da Floresta" para a capital amazonense, que atualmente possui mais de dois milhões de habitantes. Entre as construções há a ponte estaiada sobre o Rio Negro, a segunda maior ponte desse tipo em todo o mundo. 

    Andar pelas ruas do centro histórico de Manaus é como ser transportado para uma outra época. Os suntuosos casarões revelam todo o esplendor vivido na Belle Époque, entre o fim do século 19 e o início do século 20. Naquela ocasião, a cidade transbordava em riqueza oriunda do Ciclo da Borracha. 

    A região Amazônica tornou-se a principal exportadora de látex, trazendo riqueza e desenvolvimento para Manaus. A economia trouxe tanto desenvolvimento que a capital do Amazonas foi uma das primeiras cidades do país a ter luz elétrica, água encanada e bondes elétricos. O centro ostenta todo o luxo vivido pelas famílias ricas da época da borracha: construções inspiradas na arquitetura europeia, museus com colunas e etc.

    Na praça que circula o teatro, outro monumento a abertura dos portos e navegações pelo mundo
    Na praça que circula o teatro, outro monumento a abertura dos portos e navegações pelo mundo | Foto: Ione Moreno

    As famílias transformaram Manaus em uma capital francesa do Brasil e devido às inspirações na cultura europeia vivida pela população da época, a capital recebeu outro apelido carinhoso: a “Paris dos trópicos” - uma alusão a sua localização no globo terrestre.

    Da riqueza ao declínio

    A cidade viu sua época de ouro acabar por volta de 1912, com a queda do preço do látex. Mesmo com o fim da época majestosa, os casarões, praças e igrejas permaneceram com todo o seu esplendor, tornando-se parte de um roteiro turístico da cidade. 

    Para aqueles que desejam conhecer algumas das principais atrações de Manaus, o Em Tempo montou um roteiro de lugares que todos os turistas devem visitar na cidade. Acompanhe a lista para conhecer um pouco mais dos pontos turísticos da metrópole cravada no coração da floresta. 

    1. Teatro Amazonas

    Principal cartão-postal manauense e maior representação da riqueza do Ciclo da Borracha, o Teatro Amazonas é indispensável para qualquer um que visite Manaus ou resida na capital. De uma beleza imponente, o teatro foi inaugurado em 1896 e possui capacidade para até 700 pessoas. 

    O prédio é de inspiração neoclássica e, na decoração interna, há 198 lustres feitos de cristais venezianos, que dão o toque final de elegância e mostram todo o luxo ostentado na região no período áureo do látex.

    Os azulejos que compõem a cúpula do teatro foram trazidos da França
    Os azulejos que compõem a cúpula do teatro foram trazidos da França | Foto: Ione Moreno

    Outro destaque são os 36 mil azulejos importados da França, pintados em verde, azul e amarelo pelo artista brasileiro Lourenço Machado. As peças compõem a cúpula do teatro em um desenho que lembra a bandeira do Brasil.

    O teto do salão de espetáculos também ganha destaque com a pintura "A Glorificação das Belas Artes na Amazônia", na qual musas descem das alturas sobre a floresta. O teatro está aberto para visitação todos os dias, com horário de funcionamento das 9h às 17h, de terça à sábado, e 9h às 14h aos domingos e segundas.

    O local ainda conserva a aparência de quando foi inaugurado, durante o século XX
    O local ainda conserva a aparência de quando foi inaugurado, durante o século XX | Foto: Ione Moreno

    A visita guiada custa R$ 20 para turistas e é gratuita para amazonenses que apresentarem documento de identificação comprovando a naturalidade.

    2. Mercado Adolpho Lisboa

    Também na região da Manaus Modena, o “mercadão” é mais um dos legados da época de ouro do Ciclo da Borracha. O mercado abriga mais de 180 boxes com produtos típicos do Estado. São peixes, frutas, verduras e até ervas com funções curativas e artesanatos feitos com produtos regionais em aldeias indígenas do Amazonas. 

    A fachada em concreto do Mercado Adolpho Lisboa mostra a estrutura construída no período áureo da borracha
    A fachada em concreto do Mercado Adolpho Lisboa mostra a estrutura construída no período áureo da borracha | Foto: Ione Moreno

    O nome Adolpho Lisboa é uma homenagem ao prefeito da cidade na época da construção do local, em 1883. A obra tem duas fachadas: uma de ferro, localizada de frente para o Rio Negro, e a entrada principal, de alvenaria, com a frente para a rua dos Barés, uma réplica do famoso "Les Halles", o mercado de Paris.

    No local o turista pode desfrutar de um bom almoço regional e comprar peixes e ervas da amazônia
    No local o turista pode desfrutar de um bom almoço regional e comprar peixes e ervas da amazônia | Foto: Ione Moreno

    A estrutura interna do “mercadão” foi dividida em pavilhões de ferro fundido, importados da Europa. O mercado passou por reforma de sete anos e foi entregue em 2013. Atualmente, funciona das 6h às 18h durante a semana e das 6h às 12h nos domingos e feriados. 

    O mercado está localizado na área da Manaus Moderna, onde desembarcam passageiros de todo o amazonas
    O mercado está localizado na área da Manaus Moderna, onde desembarcam passageiros de todo o amazonas | Foto: Ione Moreno

    3. Complexo Turístico Ponta Negra

    Às margens do Rio Negro, o complexo turístico da Ponta Negra oferece uma variedade de opções de lazer, a principal delas, e um dos maiores destaques do local, é a praia de água doce. O local fica tomado por turistas e manauenses que buscam uma forma de se refrescar do calor de quase 40º durante o verão amazônico. 

    A ponta negra é uma das opções de praia de água doce em Manaus
    A ponta negra é uma das opções de praia de água doce em Manaus | Foto: Ingrid Anne/ Manauscult

    Para quem adora a natureza, a dica é contemplar o pôr do sol em um dos três mirantes localizados na orla do complexo ou da própria praia. A paisagem pode ter um toque especial com a culinária regional oferecida nos quiosques localizados na orla.

    No local, além de tomar banho nas águas do Rio Negro, é possível praticar esportes
    No local, além de tomar banho nas águas do Rio Negro, é possível praticar esportes | Foto: Ione Moreno

    Quem busca um lugar para praticar exercícios pode aproveitar o calçadão para fazer caminhadas ou corridas. Também há quadras de areia disponíveis para prática de esportes. A Ponta Negra conta ainda conta com um anfiteatro, onde atrações nacionais e internacionais se apresentam regularmente. O acesso ao complexo turístico pode ser feito por ônibus ou carro. Não é necessário pagar taxas para visitar o local.

    4. Porto Fluvial de Manaus

    Mais um tesouro da época da borracha, o Porto de Manaus está localizado à margem esquerda do Rio Negro, na área central da capital. Sua construção data do fim do século 19, devido ao aumento da produção e exportação de látex.

    Com uma das maiores plataformas flutuantes do mundo, o porto de manaus é a principal veia que liga manaus ao resto do Amazonas
    Com uma das maiores plataformas flutuantes do mundo, o porto de manaus é a principal veia que liga manaus ao resto do Amazonas | Foto: Divulgação

    Após a construção, o local já passou por sucessivas reformas. Com a última modificação, tornou-se um dos maiores portos fluviais do mundo. Atualmente, o porto é a porta de entrada do Estado e recebe cruzeiros vindos do mundo todo, além de embarcações que vêm do interior e de outros estados. Lá também é possível ver as marcações anuais da elevação máxima das águas do Rio Negro.

    O acesso às áreas internas do porto é livre, porém, quando há navios cargueiros ou cruzeiros atracados, o acesso a parte ao atracadouro fica fechado por determinação da Polícia Federal. 

    5. Centro Cultural Palácio Rio Negro

    Construído no início do século 20, para ser residência particular do comerciante da borracha, o alemão Waldemar Scholz, o prédio foi adquirido pelo governo em 1918 e permaneceu como palácio do governo estadual de despachos até 1995. Dois anos depois, devido à beleza arquitetônica, foi transformado em Centro Cultural. 

    Atualmente, conserva mobília original da época da borracha além de exposições
    Atualmente, conserva mobília original da época da borracha além de exposições | Foto: Ione Moreno

    Visitar a construção é conhecer como era a vida das ricas famílias do Ciclo da Borracha, pois, os ladrilhos e parte da mobília original foram conservados, preservando a história.

    O prédio foi utilizado como Palácio do governo
    O prédio foi utilizado como Palácio do governo | Foto: Ione Moreno

    O Palácio Rio Negro está aberto ao público de segunda à sexta das 9h às 16h, aos sábados das 13h às 17h e aos domingos das 9h às 13h. A visita é acompanhada por um guia turístico. Não é preciso pagar entrada. Informações sobre o local podem ser solicitadas pelo telefone (92) 3232-4450.

    6. Paço da Liberdade

    Localizado ao lado da primeira rua pavimentada, o museu tem uma série de espaços com exposições culturais
    Localizado ao lado da primeira rua pavimentada, o museu tem uma série de espaços com exposições culturais | Foto: Ingrid Anne/ Manauscult

    Um dos espaços mais antigos de Manaus, o Paço da Liberdade ou Paço Municipal funcionou durante muito tempo como sede da prefeitura municipal. O prédio une dois tempos ao conservar a estrutura clássica de sua construção, mas também abriga obras de arte atuais. Com apenas um andar, o local está dividido em várias salas, que abrigam exposições permanentes e temporárias. 

    A área recebe muitos eventos culturais, voltados para valorizar a histórias amazonense
    A área recebe muitos eventos culturais, voltados para valorizar a histórias amazonense | Foto: Camila Batista/ Manauscult

    Dentro da área interna há também um pátio com esculturas em ferro. Em uma das salas do prédio foi instalado um memorial em homenagem ao poeta amazonense Thiago de Mello. Um retrato do autor, esculpido em bronze, faz parte de um mural de dois metros de altura e aproximadamente 3 de largura. A visitação pode ser feita de segunda à sábado das 9h às 17h e aos domingos de 11h às 15h. Não é preciso pagar entrada.

    7. Bosque da Ciência

    Um pedaço da Floresta Amazônica dentro da cidade. O local funciona dentro de uma área de aproximadamente 13 (treze) hectares. A programação é toda voltada para a apreciação da natureza, no interior é possível fazer trilhas que possibilitam ao visitante conhecer informações em relação a fauna, flora e aos ecossistemas amazônicos existentes.

    Um dos principais atrativos do Bosque da Ciência são os tanques de Peixe-Boi
    Um dos principais atrativos do Bosque da Ciência são os tanques de Peixe-Boi | Foto: Ione Moreno

    Os tanques de peixe-boi e ariranhas são opções de atração, porém, além deles, também é possível ver cotias, preguiças e outros animais na área do bosque. No paiol da cultura há sempre uma exposição temporária com informações científicas sobre a Amazônia. Atualmente, em exibição, está a mostra Latitude Amazônica, que fala sobre os rios voadores.

    O mamífero é um dos símbolos da região amazônica
    O mamífero é um dos símbolos da região amazônica | Foto: Ione Moreno

    O local funciona todos os dias, pela manhã de 9h às 12h e pela tarde das 14h às 17h, porém, os portões de acesso fecham às 16h. Para ter acesso é preciso pagar R$ 5. Crianças de até dez anos e idosos acima de 60 não pagam entrada. 

    8.   Palácio da Justiça

    Inaugurado no início de século 20 e funcionou até o ano de 2006 como sede do poder Judiciário. Localizado em frente ao Teatro Amazonas, na área central da cidade, o local abriga cinema e exposições permanentes e temporárias. O visitante tem a possibilidade de conhecer o mobiliário antigo, feito no Rio de Janeiro em 1900 e peças relevantes de arte. 

    Utilizado por muito tempo como sede do judiciário, o local agora abriga exposições de arte permanentes e temporárias
    Utilizado por muito tempo como sede do judiciário, o local agora abriga exposições de arte permanentes e temporárias | Foto: Ione Moreno

    Abriga também um Gabinete de Leitura, com um acervo de 1.038 volumes, constituído em sua maior parte por obras de Direito que podem ser consultadas. Uma das exposições disponíveis é oferecida pelo Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) e dá detalhes sobre crimes que ganharam notoriedade na cidade. 

    No topo da construção, uma estátua simbolizando a justiça
    No topo da construção, uma estátua simbolizando a justiça | Foto: Ione Moreno

    O Palácio da Justiça fica aberto de segunda à sábado das 13h às 17h e das 11h ás 15h aos domingos. Não é preciso pagar entrada para ter acesso ao ponto turístico. 

    9.    Museu da Amazônia (Musa)

    O Museu da Amazônia, ou Musa, é um museu vivo no coração da Amazônia. Instalado no interior da Reserva Adolpho Ducke, o local ocupa uma área de 100 hectares de floresta preservada. Inaugurado em 2009, o Musa possui ampla variedade de atividades voltadas ao conhecimento científico e apreciação da natureza. 

    Um pedacinho da floresta Amazônica no meio da cidade, o Musa tem muitas opções para conhecer mais sobre a natureza
    Um pedacinho da floresta Amazônica no meio da cidade, o Musa tem muitas opções para conhecer mais sobre a natureza | Foto: Ione Moreno

    O destaque fica com a torre com 42m de altura, que permite a visão da floresta acima da copa das árvores, proporcionando um verdadeiro espetáculo aos olhos. Mais de três quilômetros de trilhas oferecem um mergulho no mundo da ciência e da cultura. Há também um borboletário e laboratórios experimentais de serpentes e insetos.

    Um dos principais atrativos é a torre de observação, localizada a 42 metros de altura
    Um dos principais atrativos é a torre de observação, localizada a 42 metros de altura | Foto: Ione Moreno

    O local abre diariamente, exceto às quartas, das 8h às 17h, porém, os portões de entrada fecham às 16h. Visitas guiadas custam R$ 20, com esse valor o visitante pode fazer trilhas e apreciar outras atrações. Para subir na torre de observação também é necessário pagar R$ 20. Para informações de mais programações podem ser consultadas pelo (92) 99280-4205.

    10.    Zoológico do CIGS

    Administrado pelo exército brasileiro, o zoológico do Centro de Instrução de Guerra na Selva, o CIGS, possui centenas de animais nativos da fauna amazônica. O local é parada obrigatória para quem deseja conhecer um pouco mais sobre os animais. A maioria deles foram resgatados pela corporação e ganharam um novo lar no zoológico. 

    O principal atrativo do local e símbolo do zoológico é a onça pintada
    O principal atrativo do local e símbolo do zoológico é a onça pintada | Foto: Ione Moreno

    Uma das principais atrações é a jaula das onças pintadas, animais que são símbolos da floresta amazônica. Os felinos podem ser vistos do alto de uma passarela de concreto. No Aquário Amazônico, o visitante conhece várias espécies em aquários. 

    Gerenciado pelo exército, o zoológico possui uma série de espécies de animais nativos da Amazônia
    Gerenciado pelo exército, o zoológico possui uma série de espécies de animais nativos da Amazônia | Foto: Ione Moreno

    O zoológico fica aberto das 9h às 17h de terça a sexta, aos sábados e domingo, de 9h às 18h. O ingresso custa R$ 5, estudantes pagam meia entrada e estão isentos crianças de até 12 anos, idosos acima de 60 anos, pessoas portadoras de deficiência e militares das forças armadas e seus dependentes. Neste último caso é obrigatória a apresentação de identidade militar.

    Edição: Bruna Souza

    Leia mais: 

    Confira 13 balneários imperdíveis em Manaus

    Conheça 10 flutuantes imperdíveis em Manaus

    Semana de Turismo oferece mais de 350 vagas gratuitas em minicursos

    Comentários