Fonte: OpenWeather

    Poluição


    Orla do Amarelinho é tomada por lixo e flutuantes irregulares

    Poluição, falta de segurança e instalação de moradias irregulares se intensificaram nos últimos cinco anos

    Lixos e instalações de moradias irregulares formam o cenário das proximidades da Orla do Amarelinho | Foto: LEONARDO MOTA

    Manaus - Lixos e instalações de moradias irregulares formam o cenário das proximidades da Orla do Amarelinho, localizada no bairro Educandos, Zona Sul de Manaus. Conforme moradores e trabalhadores do local, a poluição e os problemas relacionados à falta de segurança têm se intensificado na área ao longo dos últimos cinco anos. Além disso, os residentes disseram ao Portal EM TEMPO que não recebem assistência dos órgãos responsáveis pela limpeza pública.

    O vendedor autônomo, Jonas Pereira, afirmou que, diariamente, as pessoas que residem de forma irregular em flutuantes despejam lixos na área. “Trabalho aqui há 10 anos e a sujeira só tem aumentado com o passar dos anos. A prefeitura limpa e os próprios moradores sujam. É uma situação complicada”, frisou o homem.

    A reportagem esteve no local e constatou que, nas águas, cerca de 10 flutuantes irregulares estão instalados. Em uma das moradias, consta uma ligação elétrica clandestina. Além disso, moradores não quiseram dar entrevista por medo de represálias, mas uma comerciante frisou que, em decorrência das invasões, o tráfico de drogas se intensificou na região.

    A reportagem esteve no local e constatou que, nas águas, cerca de 10 flutuantes irregulares estão instalados
    A reportagem esteve no local e constatou que, nas águas, cerca de 10 flutuantes irregulares estão instalados | Foto: LEONARDO MOTA

    “Quando eu morava próximo ao rio, há cerca de 20 anos, a situação era diferente. Mas, hoje em dia, a sujeira aumentou. Em relação às drogas, todos presenciam, mas evitamos falar sobre o assunto. No entanto, somos obrigados a conviver com os constantes assaltos e homicídios que ocorrem por aqui”, disse a mulher.

    Além de fazer uma reivindicação pela limpeza pública, o supervisor de produção, Ney Laborda, afirma que é necessário que a comunidade se conscientize em relação à preservação do local. “Quem joga lixo promove contaminação ecológica. Precisamos que os governantes intervenham nessa situação. Mas, além disso, os moradores devem se sensibilizar e não jogar lixo na área”, frisou o homem.

    Resposta

    Em resposta, a Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp) afirmou que o órgão realiza limpeza regularmente no local. “A limpeza no bairro Educandos, em se tratando da área próxima ao rio, é quase que diária, com as equipes de igarapé. Aliás, toda a orla da cidade (Glória, Educandos, São Raimundo, Manaus Moderna, Panair, Porto, Ponta Negra, marinas, Tarumã)”, afirma o órgão em trecho de nota.

    Moradores falam sobre a situação
    Moradores falam sobre a situação | Foto: Leonardo Mota

    A Semulsp disse, ainda, que, quanto à limpeza em geral dessa área, há menos de um mês realizou um mutirão no local. “Mutirão de limpeza envolve não apenas capina, mas também raspagem de meio-fio, poda e coleta de materiais pesados”, informou.

    Em relação à falta de policiamento, a Polícia Militar afirma que o patrulhamento nas redondezas no bairro Educandos é realizado por viaturas motorizadas de duas e quatro rodas da 2ª Companhia Interativa Comunitária (2ª CICOM), unidade responsável pelo policiamento na área mencionada.

    “Também são realizados Pontos de Relacionamento Comunitário e Visibilidade (PRCV’s), que são viaturas postas em locais estratégicos, visando ter maior proximidade com os frequentadores do local, além de agilizar o atendimento das ocorrências naquela região”, frisou o órgão acrescentando que, em relação às denúncias relatadas por populares, a Polícia Militar orienta que as vítimas efetuem o registro no Distrito Integrado de Polícia (DIP).

    Comentários