Fonte: OpenWeather

    Agricultura


    Agricultores do AM vendem alimentos para merenda escolar do Estado

    Programa de Regionalização da Merenda Escolar (Preme), realizado pela Agência de Desenvolvimento Sustentável (ADS), beneficiou em 2020, 15 cooperativas, 29 associações, 18 agroindústrias e 304 produtores rurais, por meio da compra de alimentos para a capital e o interior.

     

    Ao todo, a ação beneficiou 275 mil alunos da rede estadual de ensino por meio dos produtos oriundos do setor primário do Amazonas.
    Ao todo, a ação beneficiou 275 mil alunos da rede estadual de ensino por meio dos produtos oriundos do setor primário do Amazonas. | Foto: Divulgação

    Manaus -  Programa de Regionalização da Merenda Escolar (Preme), realizado pela Agência de Desenvolvimento Sustentável (ADS), beneficiou em 2020, 15 cooperativas, 29 associações, 18 agroindústrias e 304 produtores rurais, por meio da compra de alimentos para a capital e o interior. 

    Agricultora Francisca Vale fala sobre o projeto

    Uma das beneficiadas foi a produtora rural Francisca do Vale Silva, que, juntamente com seu esposo, o produtor Antônio Lima e Silva, assinou o contrato referente ao ano passado. A agricultora contou que realiza sua inscrição no programa desde 2004, e que por meio dele garante a venda de seus alimentos. Dona Francisca, também falou sobre o medo de não conseguir vender seus produtos durante a pandemia causada pelo Covid-19.

    “No início da pandemia, tivemos medo de não conseguir escoar a nossa produção. Foi um ano difícil e cheio de incertezas, mas por sermos credenciados no Preme, não deixamos de acreditar. E foi por meio desse programa que garantimos a nossa renda”.

    De acordo com a assessoria do governo, o programa adquiriu em 2020, um total de 933.878 quilos de alimentos, garantindo R$ 6.532.848,30 em recursos.

    Dos 40 municípios credenciados, cerca de 18 cidades forneceram 28 tipos de itens regionais do tipo convencional e orgânico, melhorando a qualidade dos alimentos da rede estadual de ensino. 

    Ao todo, a ação beneficiou 275 mil alunos da rede estadual de ensino por meio dos produtos oriundos do setor primário do Amazonas. 

    Os agricultores forneceram: abacaxi, abóbora, açúcar mascavo, banana-pacovã, banana-prata, batata doce, carne bovina moída, cheiro-verde misto, couve, farinha de mandioca branca e amarela, farinha de tapioca, feijão-de-metro, filé de peixe, filé de pirarucu, laranja, limão, macaxeira in natura, maxixe, melancia, pimenta-de-cheiro, pimentão verde, polpa de açaí, polpa de frutas, quiabo e repolho verde e outros.

    “O Preme é um programa de fundamental importância para que os produtores tenham mais uma possibilidade de escoar seus produtos. Durante a pandemia, mesmo sem aula, conseguimos manter a compra desses alimentos, e como consequência, obtivemos resultados maravilhosos”, disse o presidente da ADS, Sérgio Litaiff Filho.

    Os municípios alcançados, foram Anamã, Autazes, Benjamin Constant, Carauari, Careiro Castanho, Careiro da Várzea, Codajás, Envira, Iranduba, Itacoatiara, Japurá, Manacapuru, Manaquiri, Manaus, Maués, Parintins, Presidente Figueiredo e Rio Preto da Eva. 

    Resultados 

    Ao todo, R$ 4,8 milhões foram adquiridos durante o pico da pandemia, quando o Amazonas implementou a política emergencial da compra de alimentos de produtores rurais da agricultura familiar, que forneciam às escolas, para doação dos produtos a entidades cadastradas junto à Sejusc, Seas e FPS.

    *Com informações da assessoria.

    Leia mais

    Lei de Incentivo às Fontes Renováveis de Energia é sancionada no AM

    No AM, agricultura familiar garantiu alimentação saudável a alunos

    Wilson e Lorenzoni entregam 16 caminhões para agricultores do Amazonas

    Comentários