Fonte: OpenWeather

    Prevenção


    Nova fiscalização contra invasões é realizada no Corredor do Mindu

    O Corredor Ecológico do Igarapé do Mindu já sofreu inúmeras invasões além de sofrer com a depredação vegetal

    Além da fiscalização, placas de proteção ambiental foram instaladas no local | Foto: Divulgação

    Manaus - O Corredor Ecológico Urbano do Igarapé do Mindu, na altura do conjunto Petros, recebeu na manhã desta segunda- feira (8), fiscalização preventiva dos servidores a Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) e de policiais militares do Batalhão de Policiamento Ambiental e integrantes do Grupo Integrado de Prevenção às Invasões de Áreas Públicas do Estado (Gipiap). O intuito da ação é monitorar e evitar que invasores voltem ao local e destruam a vegetação local.

    A área foi alvo da ação dos invasores no feriado prolongado da Semana da Pátria. No final de semana seguinte, moradores dos condomínios situados nas proximidades denunciaram a presença de pessoas desconhecidas adentrando o local e fazendo demarcações. Na oportunidade, o Batalhão Ambiental foi chamado à área e os invasores fugiram. Aproximadamente 50 hectares foram demarcados, mas a vegetação de grande porte mantida.

    No dia 11 de setembro, a Semmas e o Gipiap realizaram a retirada das demarcações e armações de barracos existentes no local. No monitoramento desta segunda-feira, foram encontradas novas demarcações, feitas com arame farpado e piquetes de madeira. O material será todo retirado e apreendido. Placas de Área de Preservação Permanente (APP), também foram instaladas na área.

    Sobre o Corredor Ecológico

    O trecho do Corredor Ecológico Urbano do Igarapé do Mindu, alvo da ação dos invasores, está inserido na Área de Proteção Ambiental (APA) Sauim-de-Manaus, decretada recentemente pelo prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, em parceria com o Ministério Público Federal (MPF-AM). A APA foi criada com a finalidade de contribuir para a preservação do sauim-de-coleira, espécie criticamente ameaçada de extinção.

    O monitoramento continuará sendo feito e quem for pego em flagrante na área responderá pelo crime de intervenção em APP, previsto no artigo 139 do Código Ambiental do Município (Lei 605/2001), recebendo multa mínima de 501 Unidades Fiscais do Município (UFMs). 

    *Com informações da assessoria

    Leia mais:

    Estiagem deste ano já afeta municípios do AM antes do previsto

    Zonas Leste e Oeste recebem ações de combate às lixeiras viciadas

    Placas indicando animinas são instaladas em área de proteção ambiental

    Comentários