Fonte: OpenWeather

    Cultura


    Roteiro turístico: 10 lugares que você precisa conhecer em Manaus

    Teatro Amazonas é a maior expressão do turismo local - Ione Moreno


    Para quem não sabe, Manaus, a capital do Amazonas é repleta de pontos turísticos. Uma cidade singular e eclética, que conserva traços do passado histórico, construído com as riquezas da Época Áurea da Borracha, bem no meio da maior floresta tropical do mundo. Para comemorar o Dia Mundial do Turismo e Dia Estadual do Turismólogo, o EM TEMPO destaca 10 espaços turísticos de Manaus, que todos devem conhecer um dia. O mais legal de tudo isso é que em muitos desses lugares, a entrada é gratuita. Vale a pena conferir:

    Preparados? Vamos começar!

    1. Teatro Amazonas

    Teatro é um museu. Um espaço especial reservado  á memória da cidade de Manaus.

    A construção do Teatro Amazonas foi um marco para a cultura local. Destaca-se, desde a inauguração, pela beleza arquitetônica e artística, sendo comparado a qualquer teatro europeu. Desde 1896, já recebeu em seu palco todo tipo de espetáculo: óperas, operetas, musicais, peças de teatro, shows de cantores líricos e populares, festivais, grupos de dança, bandas de música, corais e orquestras. No Teatro Amazonas, a função "teatro" anda de braços dados com a memória, patrimônio cultural e museu. A rigor, todo o Teatro Amazonas é um museu, um espaço especial no centro histórico da capital.

    Quem visita o Teatro Amazonas, pode conferir toda a história do 'cartão postal da cidade", narrada por guias que relatam detalhes da construção, até as curiosidades sobre apresentações que estão na memória do espaço.


    O Museu do Teatro Amazonas possui um valioso acervo de objetos que evocam as diversas fases da sua história, desde a sua construção, aos dias atuais. Parte dele pode ser visto ao longo do percurso de visitação, outra parte encontra-se em Reserva Técnica e destina-se a estudos e eventuais mostras temporárias.


    Horário de Funcionamento:

    Terça a sábado, das 9h às 17h


    Venda de ingressos na própria portatia (Amazonense com documentação não paga visitação)


    Endereço e contato:

    Avenida  Eduardo Ribeiro, 659 Centro, CEP: 69.010-001.

    Telefones: (92) 3622-1880 / 3622-2420


    Bilheteria: 3232-1768


    Email: direcao_ta@culturamazonas.am.gov.br


    2. Teatro da Instalação

    Um lugar para apreciar espetáculos de dança e shows musicais - Divulgação


    O teatro da Instalação está instalado na antiga “Casa Havazena”, um edifício significativo da Belle Époque, que teve seu entorno completamente restaurado com a reconstrução e revitalização do Centro antigo de Manaus. O Teatro da Instalação, teve sua inauguração no dia 6 de maio de 2001, com a Ópera dos Três Vinténs, de Weill e Brecht, durante o V Festival de Ópera. Espetáculos de teatro adulto, espetáculos de dança, shows musicais, estudos, ensaios cênicos, ensaios de dança e cinema são algumas das atrações que passam pelo palco.


    Horário de Funcionamento


    Ensaios, estudos e atividades funcionais diárias da Companhia de Dança do Amazonas (CDA) – segunda a sexta-feira – 09h às 15h.


    Amazonas Jazz Band – segundas, terças e quartas-feiras – 19h às 21h.


    Horário das apresentações: Sábado – 19h às 20h.


    Endereço

    Rua Frei José dos Inocentes, s/nº – Centro – Manaus/AM


    Telefones: (92) 3631-5739 / 3622-2224 (Difusão Cultural)


    3. Usina Chaminé


    Tombado como Monumento Histórico do Amazonas em 1988 - Divulgação


    Com características neo-renascentistas, o prédio foi construído com a finalidade de ser usina de tratamento de esgotos da cidade, tendo sido inaugurado em 1910 pela empresa inglesa Manaós Improviments, concessionária de serviços de saneamento, contratada pelo governo estadual a partir de 1906. De acordo com a história, nunca funcionou com a finalidade para a qual foi construído, ou seja, servir de escritório para a companhia inglesa.


    O prédio possui, ao lado direito, uma chaminé de 24 metros, construída com tijolos compactos refratários, coroada por um chapeló em ferro moldado. Por isso, ficou conhecido como Chaminé.


    Tombado como Monumento Histórico do Amazonas em 1988, a edificação foi reformada em 1993 como Centro de Artes Chaminé, para abrigar a Pinacoteca do Estado, com exposições temporárias.


    Em 2002 o prédio recebeu nova reforma, já como Usina Chaminé, e foi reaberto como parte das ações do Programa de Preservação da Natureza da Memória Cultural e Histórica do Amazonas.


    A Usina Chaminé dispõe em sua área interna salas para exposições permanentes e temporárias, além do "Espaço Criança", com projeção de filmes, oficinas infantis e teatro de fantoche.  Em sua aérea externa uma arena para espetáculos.

    Horário de Funcionamento

    Terça a sexta-feira, das 9h às 14h e sábado, das 9h às 13h.


    Endereço

    Av. Manaus Moderna s/n – Centro.


    Telefone/Fax: 3633-3026


    4. Centro Cultural Povos da Amazônia


    Dispõe de espaços que identificam e popularizam a cultura e os conhecimentos de preservação e valorização da Amazônia - Divulgação


    Inaugurado em maio de 2007, o Centro Cultural Povos da Amazônia tem a finalidade de valorizar, difundir e disseminar as informações geradas e produzidas sobre os países da Amazônia Continental: Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname, Venezuela e o território ultramarino francês, a Guiana Francesa.


    Dispõe de espaços que identificam e popularizam a cultura e os conhecimentos de preservação e valorização das identidades culturais e do patrimônio natural da Amazônia.


    O Centro cultural disponibiliza pesquisas por meio dos acervos localizados no Memorial e Biblioteca Mário Ypiranga Monteiro, Biblioteca Arthur Reis e no Núcleo de Documentação Samuel Benchimol.


    O espaço conta com exposições temporárias e permanentes, dentre as quais as representativas do cotidiano amazônico como a Maloca Aruak; Casa do Caboclo; Moenda de Cana-de-açúcar; Xapono Yanomami; Barracão do Guaraná; Casa da Farinha; Tapiri de Defumação da Borracha,Tapiri do Seringueiro,  além da representatividade do transporte regional, através das canoas.

    Faz parte de suas instalações também o Museu do Homem do Norte que, desde o ano de 2011 passou a ser administrada pelo Governo do Estado do Amazonas, através da Secretaria de Estado de Cultura.

    Horário de Funcionamento

    De segunda a sexta, das 8h às 14h.

    Endereço

    Av. Silves Nº 2.222 – Distrito Insudtrial

    Telefone Geral: (92) 2125-5300/ (92) 2125-5301

    5. Palacete Provincial

    No Palacete concentra-se uma reunião de acervos e coleções de artes, referências a identidade do povo amazonense - Ione Moreno


    O Palacete Provincial começou a ser construído no início do governo do presidente da província Manoel Clementino da Cunha (1860-1863), em 1861. O projeto pertencia ao capitão da Guarda Nacional Custódio Pires Garcia, que construiu a edificação como “Palacete Garcia”, para ser sua residência, sendo mais tarde vendido ao Governo, e transformado em “Palacete Provincial”. O palacete localizava-se na confluência da Rua Espirito Santo (atual Dr. Moreira e Rua Floriano Peixoto).


    Após concluída a compra do então “Palacete Garcia”, por 12 contos de réis, o prédio continuou em obras. Em 25 de março de 1874, o Palacete foi declarado como concluído, sendo inaugurado em fevereiro de 1875.


    Em estilo neoclássico e de cor terracota, o Palacete Provincial, já sobre a responsabilidade da Secretaria de Cultura, passou por um restauro iniciado em 24 de outubro de 2005 e concluída em 24 de março de 2009, sendo aberto a visitação pública gratuita em 25 de março de 2009. A restauração faz parte do projeto  “Manaus Belle Epoque”.


    O prédio atualmente abriga vários museus. Estão instalados no Palacete Provincial o museu de Numismática Bernardo Ramos, a Pinacoteca do Estado, o Museu Tiradentes, Museu da Imagem e do Som, Museu de Arqueologia e o Laboratório de arqueologia Alfredo Mendonça de Souza, o Ateliê de Restauro de obras de artes e de papel, as reservas técnicas dos museus, e as exposições de longa duração “Escritório da obra”, que é uma clara demonstração de como estava o prédio antes da restauração, e a “Esculturas do Mundo” que é uma mostra das réplicas das esculturas dos museus franceses, assinadas pela Reunion ds Musées National -RMN. Dentre os serviços que o Palacete oferece, está o Café do Pina,  a Arena de espetáculos Newton Aguiar, e o Auditório Multiuso Cel. Pedro Henrique.


    O Palacete Provincial está localizado na praça Heliodoro Balbi, que também foi restaurada e recompõe a paisagem urbana, e local e memória do histórico Clube da Madrugada. É referência para quem quer conhecer a capital do Amazonas e conhecer a história de seu povo.


    Horário de Funcionamento

    Terça a sábado, das 9h às 14h.


    Praça Heliodoro Balbi s/n – Centro, Amazonas, 69005-260


    Contato

    palaceteprovincial@culturamazonas.am.gov.br


    demus@culturamazonas.am.gov.br


    Tel/Fax: (92) 3631-6047


    Acessibilidade para Deficientes

    Rampa somente no andar térreo, com acesso aos Museus da Imagem e do Som da Amazônia e Pinacoteca do Estado.


    6. Museu da Amazônia (Musa)


    Encontramos no Musa: trilha,exposições, viveiro de orquídeas e bromélias, lago, aquários e laboratórios experimentais de serpentes, de insetos e de borboletas - Ione Moreno

    Criado em janeiro de 2009, o Musa ocupa 100 hectares da Reserva Florestal Adolpho Ducke, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia – INPA, em Manaus. Uma área de floresta de terra firme, nativa, que há mais de 60 anos vem sendo estudada. Os resultados dessas pesquisas estão reunidos em catálogos com temas sobre fauna e flora.

    Encontramos no Musa: exposições, viveiro de orquídeas e bromélias, lago, aquários e laboratórios experimentais de serpentes, de insetos e de borboletas. Uma torre de 42 metros permite fruir uma magnífica vista do dossel das árvores da floresta. Trilhas na floresta proporcionam ao visitante passeios agradáveis e descobertas surpreendentes. No Musa são desenvolvidas pesquisas em divulgação e popularização da ciência e da educação científica e cultural.

    Horário de funcionamento De segunda a sexta, das 8h às 17h

    Endereço:

    Rua Professora Felismina Cheks, s/n - Cidade de Deus

    7. Encontro das Águas

    Encontro das Águas é referência na Amazônia como um dos mais curiosos pontos turísticos de Manaus - Ione Moreno

    O Encontro das Águas é, talvez, a maior referência de patrimônio imaterial de Manaus. Tudo que se fala deste fenômeno, que une os rios Negro e Solimões, não é exagero. A partir dele, o turista compreende que está diante do maior rio do mundo, o lendário "Rio Amazonas". Para ter a experiência completa, deve-se pedir ao condutor do "motor" para reduzir a velocidade, colocar as mãos nas águas e sentir a experiência de estar diante de uns dos fenômenos geográficos e naturais mais descritos pelo mundo afora. Além de se encantar com a beleza do lugar, você estará navegando na maior bacia fluvial do mundo e pode avistar, mesmo que de longe, pequenas comunidades rurais e, se tiver sorte, os famosos botos (golfinhos amazônicos) que sempre pulam na água, chamando a atenção dos navegantes.

    Como chegar lá

    No Píer do Tropical Hotel, no bairro da Ponta Negra ou nos portos do Roadway ou da Manaus Moderna, no Centro da Cidade. O Porto da Ceasa é um dos pontos mais próximo do Encontro das Águas. No local há também associações de barqueiros que atendem especialmente em viagens até o famoso Encontro.

    No Porto da Ceasa, localizado no Mauazinho, no Distrito Industrial, estão disponíveis 24 lanchas de uma cooperativa legalizada no órgão estadual. Há passeios que variam de 30 minutos a 3 horas. Em média paga-se R$ 30 reais por pessoa por um passeio de 30 minutos ao Encontro das Águas.

    Encontro das Águas em agências de viagens

    As agências de viagem também promovem passeios ao local em barcos maiores. Nesses passeios, depois do Encontro das Águas, os turistas são levador para comunidades próximas, onde visitam lojas de artesanatos, fazem passeios nos igapós da floresta e têm direito a almoço em restaurantes flutuantes.

    Serviço:

    Encontro das Águas – confluência dos rios Negro e Solimões

    Saída: diferentes portos de Manaus.

    Terminal Hidroviário Travessia Manaus-Careiro da Várzea, mais conhecido como Porto da Ceasa.

    Telefone: 92-3615-5225/5224 (Cooperativa Solinegro)

    Local: Bairro Mauazinho, Zona Leste.

    Duração da viagem: a combinar.

    8. Mercado Adolpho Lisboa

    Inspirado no Mercado de Les Halles de Paris, foi o segundo mercado construído no Brasil - Divulgação

    Vendas de artesanatos da Amazônia, Frutas, Verduras, Peixes da Amazônia, Açougues, Plantas Medicinais, Restaurantes, Loterias, Praça de alimentação, estacionamento turístico e vários entretenimentos. Tudo em um só espaço - Mercado Adolpho Lisboa.

    Inspirado no Mercado de Les Halles de Paris, o Adolpho Lisboa foi o segundo mercado construído no Brasil, inaugurado em 1882, em estilo art noveau. Popularmente conhecido como mercadão, é a principal porta de entrada da produção pesqueira e rural do Estado. Tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, possui um pavilhão central em alvenaria, ladeado por dois pavilhões com estrutura em ferro fundido e forjado, com pórtico de ferro rendilhado e vitrais coloridos. O Adolpho Lisboa é um símbolo da arquitetura do período áureo da economia da borracha e uma relíquia da história do Amazonas.

    Serviço:

    Horário de funcionamento:

    De segunda a sábado, de 6h às 18h

    Domingos e feriados, de 6h às 12h.

    Endereço:

    Acesso pela rua dos Barés e Manaus Moderna, Centro.

    9. Praia da Ponta Negra

    A urbanização e o aterramento da Praia da Ponta Negra deu outros ares à região - Ione Moreno

    A Ponta Negra é uma das mais importantes atrações turísticas de Manaus, dotada com bares e restaurantes para receber os visitantes. A urbanização e o aterramento da Praia, trouxe modernidade e conforto a quem deseja caminhar, nadar ou mesmo contemplar a beleza do rio Negro. A orla ganhou diversos equipamentos como calçadão, jardins, mirante, anfiteatro e diversas vagas de estacionamento.

    A praia, antes restrita ao período de seca do Rio Negro, agora pode ser frequentada o ano todo, com algumas cautelas. O banho é permitido apenas até às 17h. Os banhistas são supervisionados de perto pelo Corpo de Bombeiro, que usam até jet skis para evitar afogamentos ou ataques de jacarés.

    Alimentos, garrafas ou objetos de vidro e cortantes também são proibidos. Na areia da praia ficam diversas barracas que vendem bebidas e oferecem mesas e cadeiras.

    Como chegar

    Ônibus: A linha 122 liga o Centro a Ponta Negra.

    10. Bosque da Ciência

    Dos três zoológicos instalados em Manaus, dois estão entre os dez melhores avaliados no Brasil e também entre os 25 da América do Sul, conforme a pesquisa – foto: Ricardo Oliveira

    O Bosque da Ciência é espaço de visitação pública do Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (INPA) e está localizado numa área de 13 hectares em plena área urbana de Manaus. O espaço está localizado na Rua Bem-te-vi (antiga Otávio Cabral), s/nº, Petrópolis, zona Sul de Manaus e oferece ao visitante a oportunidade de conhecer peculiaridades da fauna e flora amazônica.

    Peixe-boi

    No bosque da ciência, uma atração à parte é o peixe-boi da Amazônia, que pode ser contemplado em grandes aquários. Esse é o menor dos peixes-bois existentes no mundo, alcançando um comprimento de 2,8 a 3,0 m e pesando até 450 kg. Seu couro cinza escuro é extremante grosso e resistente. A maioria dos indivíduos tem uma mancha branca na região ventral. Esta característica, juntamente com a ausência de unhas nas nadadeiras peitorais, ajuda a distingui-lo do peixe-boi marinho e do africano. O peixe-boi da Amazônia é, também, o único que ocorre exclusivamente em água doce, podendo ser encontrado em todos os rios da bacia Amazônica.


     Trilha


    O Bosque da Ciência em uma área de aproximadamente 130.000 m², conta com trilhas de acesso aos atrativos que compõe o Bosque, viabilizando ao visitante informações em relação a fauna, flora e aos ecossistemas Amazônicos.

    Para viabilizar as visitas o Bosque da Ciência conta com o apoio do LAPSEA (Laboratório de Psicolgia em Educação Ambiental), através do Projeto Pequenos Guias, atuam no Bosque, de terça-feira a sexta-feira, realizando visitas monitoradas.

    Casa da Ciência no Bosque


    A Casa da Ciência foi oficialmente inaugurada em 20 de maio de 1993, dois anos antes de se iniciarem as atividades no Bosque da Ciência. Antes de ser um centro de exposição, o local era utilizado como residência oficial do Diretor do INPA. A proposta do lugar é proporcional ao visitante, o contato, de forma interativa, com os projetos, programas e pesquisas do INPA, sobre a Amazônia. O conteúdo exibido ao público é composto por painéis informativos, gaveteiros com informações impressas, com material da fauna e da flora amazônicas, maquetes, aquários, amostras de produtos tecnológicos.


    Jacarés


    No bosque, além de outros animais, pode-se contemplar os jacarés, descendentes dos primeiros répteis que habitavam o planeta há cerca de 230 milhões de anos. No Bosque da Ciência podem ser observadas três espécies de jacarés da região amazônica, que são: Jacaré- açu ou jacaré-gigante (Melanosuchus niger); Jacaré tinga  (Caiman crocodilus) e Jacaré-coroa  (Paleosuchus trigonatus) . O Jacaré Açu é o maior predador aquático da América do Sul com 5m de comprimento.


    Serviço:


    Público em geral: R$ 5,00

    A entrada é gratuita para

    crianças até 10 anos e pessoas a partir de 60 anos.

    O Bosque da Ciência está aberto para visitação, de terça à Sexta-feira, das 9 às 12 horas e das 14 às 16 horas. Sábados, domingos e feriados de 9 às 16 horas.

    Bruna Chagas
    EM TEMPO

    Leia mais:

    Amazonas mais que dobra número de municípios no mapa do turismo brasileiro

    Comissão aponta turismo como opção para emprego e renda no Amazonas

    Campanha vai divulgar o turismo no Amazonas

    CIDADANIA

    Comentários