Fonte: OpenWeather

    EM TEMPO DE ARTES


    Conheça o artista plástico Jandr Reis

    Em conversa com o EM TEMPO, ele conta um pouco sobre suas inspirações e sobre sua consolidação nas artes plásticas

    Conheça o artista plástico Jandr Reis Mais notícias 24h por dia em: http://www.emtempo.com.br | Autor: EM TEMPO

    Manaus — "A minha melhor obra eu vou pintar amanhã". É essa a afirmação que faz o artista plástico Jandr Reis produzir obras tão naturalmente. Oriundo da cidade de Óbidos, no Pará, o artista radicado em Manaus pinta do mesmo modo que conversa: sem muita pretensão e da maneira mais fluída possível. Em conversa com o EM TEMPO, ele conta um pouco sobre suas inspirações e sobre sua consolidação nas artes plásticas no Amazonas.

    O apartamento onde o artista mora já diz muito sobre como ele lida com o trabalho: impossível de separar um do outro. Tintas, esponja e pincéis são quase parte da decoração. Em meio à sala, já é possível observar quadros e referências, além de sua oficina de trabalho.

    Jandr Reis em seu atelier
    Jandr Reis em seu atelier | Foto: Márcio Melo


    Jandr teve seu primeiro contato com a arte quando ainda era pequeno e morava em Óbidos, município localizado a 779 km da capital do Pará, Belém. "A minha mãe foi criada para ser dona do lar, então fazia um pouco de tudo", conta ele. "E quando ela bordava enxoval de roupa de cama, ela pintava também... e eu só ficava olhando. Cresci vendo aquilo".

    Foi passando o tempo com a mãe que a afinidade pela pintura surgiu. A tal "veia artística" surgiu e o tempo só fez aprimorar o talento nato de Jandr. "No colégio já ganhava prêmio de melhor trabalho nas aulas de artes. Fazia os trabalhos pra alguns colegas e tudo", brinca o artista. Não demorou muito para ele terminar os estudos e procurar novos horizontes.

    O artista plástico diz que pintará seu melhor quadro sempre no dia seguinte
    O artista plástico diz que pintará seu melhor quadro sempre no dia seguinte | Foto: Marcio Melo

    "Vim para Manaus com 17 anos e comecei a trabalhar e estudar, mas logo Manaus ficou pequena pra mim e fui morar no Rio de Janeiro", conta Jandr. Trabalhando no escritório de uma loja de departamentos, o paraense usava todo o dinheiro livre para investir em cursos. Na capital carioca, dedicou-se a estudar na renomada Escola de Artes Visuais do Parque Lage.

    No Rio de Janeiro, o artista plástico viveu um episódio que chocou a imprensa nacional e internacional e, até hoje, marca sua carreira. Em 15 de dezembro de 1995, em um ato de protesto, Jandr manchou um quadro do pintor espanhol Joan Miró. A obra "Mulheres na Rua" estava em exposição no Centro Cultural Banco do Brasil quando ganhou a marca da mão direita do paraense, suja de tinta preta.

    No Rio de Janeiro, Jandr protagonizou um dos maiores protestos no campo das artes plásticas no Brasil
    No Rio de Janeiro, Jandr protagonizou um dos maiores protestos no campo das artes plásticas no Brasil | Foto: Marcio Melo

    O quadro de Miró já era originalmente manchado pelas mãos do autor espanhol e, por isso, a nova marca demorou a ser percebida. Depois do ato, ele lavou as mãos e procurou funcionários do CCBB para informar do ocorrido. Após o episódio, Jandr respondeu em liberdade por danos privados e retornou a Manaus no ano seguinte.

    Atualmente, Jandr trabalha na Secretaria de Estado de Cultura (SEC) organizando exposições nos centros culturais da cidade, somando 25 anos de ofício. A arte é tão intrínseca à vida do paraense que ele não consegue se imaginar fazendo qualquer outra atividade. "Eu nunca sei responder que outra profissão seguiria", afirma. "Não sei, nunca parei para pensar. Tive outras profissões, mas era só algo que pagava os meus cursos de arte, não tinha nada a ver comigo".

    O orquidário de Jandr possui obras espalhadas por todo o mundo
    O orquidário de Jandr possui obras espalhadas por todo o mundo | Foto: Marcio Melo

    A consolidação do artista veio com a série "Orquidário Amazônico", inspirada na floresta local. As obras são descritas pelo diretor de arte Óscar Ramos como "nem paisagem, nem natureza morta". Em 2016, Jandr Reis foi convidado para expor no Brasilianisches KulturFestival (Festival Cultural do Brasil), em Genebra, na Suíça. O artista foi escolhido para expor na abertura do salão cultural da nova Embaixada do Brasil ao lado de outros nomes nacionais.

    Além do "Orquidário", Jandr também faz a série "As Picassianas", inspiradas nas mulheres do pintor espanhol Pablo Picasso. A produção é tão fluida que o próprio artista não a percebe. "Às vezes estou assistindo um filme e vou fazendo, uma a uma - quando vejo, já fiz 20 assim, desse jeito", comenta.

    Apesar da exposição em Genebra e, no ano seguinte, em Viena, às vezes os convites de exposições internacionais são motivo de frustração para o artista. "Às vezes é difícil. Você recebe o convite, mas não recebe o apoio para chegar lá", lamenta Jandr. "Restam duas opções: ou você se vira para conseguir essa verba ou desiste. Acontece".

    Perfil Jandr Reis - Infográfico Perfil Jandr Reis - Infográfico Perfil Jandr Reis - Infográfico Perfil Jandr Reis - Infográfico

    Edição: Wallace Abreu

    Comentários