Fonte: OpenWeather

    EFEITO CORONAVÍRUS


    Produção de motocicleta cresce 10,8% no PIM, mas vendas caem em março

    Empresas de duas rodas começaram a paralisar produção no final de março, 17 dias depois o primeiro caso de Covid-19 em Manaus

    Em pouco mais de 20 dias de março deste ano, o polo fabricou 10,8% de motocicletas a mais em relação a março de 2019 | Foto: Leonardo Mota

    Manaus - Em março, mês que Manaus passou a ser afetada pela pandemia da Covid-19, as fabricantes de motocicletas no Polo Industrial de Manaus (PIM) mantiveram a linha de crescimento na produção, no entanto, nas vendas, setor começou a apresentar retração. As fábricas produziram em março 101.425 unidades. O volume é 10,8% superior ao registrado no mesmo mês de 2019 (91.535 unidades) e 7,4% maior que fevereiro do presente ano (94.442 unidades).

    De acordo com dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo), o primeiro trimestre do ano apresentou crescimento de 7%, com 296.159 motocicletas produzidas, em comparação com as 276.760 unidades fabricadas em igual período de 2019.

    Abraciclo diz que empresas associadas resolveram paralisar em função dos impactos da pandemia
    Abraciclo diz que empresas associadas resolveram paralisar em função dos impactos da pandemia | Foto: Arquivo Em Tempo

    “O setor começou o mês de março com forte atividade industrial, porém, para preservar a segurança dos colaboradores e cumprir as determinações das autoridades governamentais e de saúde, cerca de 60% das empresas associadas à Abraciclo do segmento de motocicletas anunciaram paralisações temporárias da produção de suas fábricas em Manaus, em função dos impactos da pandemia do coronavírus (Covid-19). As paralisações ocorrem em períodos variados, começando em 30 de março e se estendendo até 5 de maio”, relata Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo.

    A entidade informa que a perspectiva de baixa atividade comercial devido às ações preventivas de confinamento da população em suas residências também foi um fator considerado para a decisão de suspensão temporária da produção. “Os resultados serão sentidos no balanço do mês de abril”, analisa Marcos Fermanian.

    Vendas no atacado

    Em março, as fábricas repassaram para as concessionárias – em operações de atacado – 92.900 motocicletas, volume que representa uma retração de 0,8% na comparação com o mesmo mês de 2019 (93.605 unidades) e de 0,9% em relação a fevereiro do presente ano (93.757 unidades).

    As vendas no atacado no primeiro trimestre somaram 277.402 unidades, correspondendo a uma alta de 2,5% na comparação com o mesmo período de 2019 (270.724 unidades).

    Desempenho por categoria

    A Street foi a categoria mais comercializada no atacado em março, com 46.902 unidades, volume 2,7% superior ao registrado no mesmo mês de 2019 (45.688 unidades), e 2,5% menor na comparação com fevereiro do presente ano (48.096 unidades).

    No segundo lugar do ranking ficou a Trail com 18.099 unidades, aumento de 2% ante as 17.736 motocicletas comercializadas em março de 2019 e de 9,5% em relação a fevereiro do presente ano (16.531 unidades).

    A Motoneta veio na sequência com 14.107 unidades, significando uma queda de 2,5% na comparação com as 14.462 unidades registradas em março de 2019, e de 2% em relação ao mês anterior (14.399 unidades).  Em quarto lugar, ficou a Scooter com 8.104 unidades, volume 17,5% menor ante as 9.822 unidades vendidas no mesmo mês de 2019 e 0,8% menor na comparação com fevereiro do presente ano (8.170 unidades).

    No acumulado dos três primeiros meses do ano, as duas categorias que registraram maior crescimento no atacado foram Scooter e Sport. Com 8,6% de participação, a Scooter teve 23.990 unidades comercializadas, representando uma alta de 18,6% em relação ao mesmo período do ano passado (20.232 unidades). As vendas da Sport, que tem 0,5% da fatia do mercado, atingiram 1.367 unidades, correspondendo a um crescimento de 15,3% na comparação com o primeiro trimestre de 2019 (1.186 unidades).

    A Street foi a categoria de motocicleta mais vendida no atacado, com 51,6% de participação. De janeiro a março, foram comercializadas 143.047 unidades, significando um aumento 2% em relação ao mesmo período do ano passado (140.256 unidades).


    *Com informações da assessoria

    Comentários