Fonte: OpenWeather

    CRISE AERONÁUTICA


    Latam deve demitir mais de 2,7 mil funcionários no Brasil

    Companhia aérea estuda reduzir permanente dos salários dos tripulantes e em caso de resistência, ela optaria pela demissão em massa

    Decisão foi publicada após assembleia do Sindicato Nacional dos Aeronautas
    Decisão foi publicada após assembleia do Sindicato Nacional dos Aeronautas | Foto: Divulgação

    A Latam anunciou nesta sexta-feira (31) que irá demitir pelo menos 2.700 tripulantes. Ainda nesta sexta, o pedido de demissão voluntária já será aberto, podendo ser feito até o dia 4 de agosto. Depois disso, as demissões teriam início. Segundo a coluna Painel S.A., da Folha de S. Paulo, a companhia aérea tornou a decisão pública após o fim da assembleia com o Sindicato Nacional dos Aeronautas, em que havia proposto reduzir definitivamente os salários dos funcionários.

    A companhia aérea Latam já estudava reduzir salários. Em caso de resistência, havia rumores de que a empresa optaria sumariamente pela demissão em massa.  O corte de pessoal pode atingir 2,7 mil trabalhadores, caso eles não aceitassem a redução permanente nos vencimentos.

    A atitude da empresa difere de outras companhias nacionais – Gol e Azul – que diminuíram os salários dos seus funcionários apenas enquanto durar a pandemia de covid-19.

    “Tripulantes da companhia aérea, que não quiserem se identificar para não sofrerem represálias, disseram que a empresa chegou a falar em 2,7 mil dispensas caso a proposta não seja aceita imediatamente", disse uma fonte à reportagem.

    A empresa pretende impor o corte de salários e benefícios até 2021, assim como feito pelas demais empresas do setor. Entretanto, além disso, a Latam pressiona por um novo acordo, a partir de 2022, com corte definitivo de até 60% nos salários e benefícios.

    A companhia alega que suas operações são mais internacionais que as concorrentes, o que modificaria os termos das negociações com os funcionários.

    Comentários