Fonte: OpenWeather

    Orientação


    Com alta no preço do arroz, nutricionista indica como fazer mudanças

    Valor no pacote de arroz, que varia entre R$4 e R$42, motivou a especialista a indicar novas opções para o cardápio amazonense

    A especialista em nutrição argumenta que por conta da alta nos valores do produto
    A especialista em nutrição argumenta que por conta da alta nos valores do produto | Foto: Divulgação

    Manaus - Com preços salgados, que variam entre R$4,29 e R$ 5,19, para pacotes de arroz de um quilo, e de R$ 35,00 a R$ 42, para pacotes de cinco quilos, a nutricionista Glaucia Freire da Faculdade Estácio do Amazonas, ensina como substituir o item, que faz parte da cultura culinária no amazonense de forma simples, barata e sem perder as propriedades nutricionais. A especialista aponta que a maneira mais prática é substituir por tubérculos como macaxeira, abobrinha e batata doce.

    A especialista em nutrição argumenta que por conta da alta nos valores do produto, em todo o Brasil, uma das opções para não deixar de manter-se alimentado, sem a perda de propriedades e optar por tubérculos, que possuem índices de carboidratos similares ao arroz, que pertence a família de cereais. “O manauara que tem o arroz como base do prato principal, pode optar por substituir o alimento por batata doce ou macaxeira, que fornecem também outros benefícios, como vitaminas do complexo B e carboidratos benefícios”, explica.

    A especialista aponta que a maneira mais prática é substituir por tubérculos como macaxeira, abobrinha e batata doce.
    A especialista aponta que a maneira mais prática é substituir por tubérculos como macaxeira, abobrinha e batata doce. | Foto: Divulgação

    A coordenadora do curso de nutrição da Faculdade Estácio informa que o ideal é colocar pedaços maiores nas refeições, sejam de batatas, macaxeiras ou abobrinhas. “A escolha deve partir sempre por uma questão de sabor e paladar”, acrescentou. Questionada sobre as porções ideais no prato, tanto para quem optar pelo arroz ou pelo tubérculo, a especialista nutricional esclarece. “Adultos saudáveis, podem colocar até quatro colheres de sopa de arroz, no almoço. Já no jantar, essa quantidade é reduzida para três colheres. Quem desejar optar pelos tubérculos, poderá substituir por dois a três pedaços, um equivalente a 150 gramas.

    A nutricionista Glaucia Freire, esclarece sobre como escolher o melhor tipo de arroz. “O arroz, branco, perdeu a casca e a película durante o  processo de polimento, o que não alterou a quantidade de carboidratos oferecidos,  principal fonte de energia, sendo ofertado  também proteínas, lipídeos, no entanto as  vitaminas e minerais estão presentes em menor quantidade, quando comparado ao  arroz  integral que possui casca, película o que o torna mais nutritivo, sendo rico em  fibras, e vitaminas do complexo B, além  excelente fonte de carboidratos complexos, e proteínas de origem vegetal. Classificamos o arroz, juntamente com o feijão, o prato base dos brasileiros, sendo estes dois alimentos integrantes da cultura alimentar. Essa famosa combinação é uma excelente fonte de proteína de origem vegetal, de alto valor biológico”, concluiu.

    *Com informações da assessoria 

    Leia mais 

    Produtos básicos como arroz e feijão dobram de preço no Amazonas

    Governo define critérios para cota de importação de arroz

    Vídeo: ministra pede calma e diz que 'arroz continua na prateleira'


    Comentários