Fonte: OpenWeather

    Comércio


    Confiança do Consumidor tem primeira queda desde maio

    O Índice da Situação Atual recuou 0,2 ponto e atingiu 72,4 pontos

    O Índice de Expectativas caiu 1,3 ponto e passou 90,2 pontos | Foto: Lucas Silva

    Rio de Janeiro - O Índice de Confiança do Consumidor brasileiro (ICC), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), caiu 1 ponto na passagem de setembro para outubro e atingiu 82,4 pontos, em uma escala de zero a 200. Com isso, o indicador interrompeu uma sequência de cinco altas iniciada em maio deste ano.

    O Índice da Situação Atual, que mede a confiança dos consumidores no presente, recuou 0,2 ponto e atingiu 72,4 pontos. O componente que teve maior queda foi a situação das finanças familiares, que cedeu 0,5 ponto.

    O Índice de Expectativas caiu 1,3 ponto e passou 90,2 pontos. O ímpeto de compras de bens duráveis para os próximos meses teve queda de 1,4 ponto.

    “Há ainda bastante incerteza com relação à pandemia e com o ritmo de retomada econômica, já considerando a transição para o período posterior ao de vigência dos programas de manutenção do emprego e renda. Diante deste cenário, os consumidores de menor renda, mais vulneráveis, continuam menos confiantes que os demais. A confiança do consumidor brasileiro também continua sendo impactada pelo medo da covid-19, motivando uma postura muito cautelosa, que deve persistir enquanto não houver uma solução para a crise sanitária”, disse Viviane Seda Bittencourt,  pesquisadora da FGV.

    Veja mais:

    Artigo 37: Consumidor, exija seus direitos de Garantia de Produtos

    Brasileiros mantêm expectativa de inflação em 4,7%, diz FGV

    Confiança do comércio volta ao patamar de otimismo após 6 meses

    Comentários