Fonte: OpenWeather

    Corrida esportiva


    Conheça sua pisada: teste pode evitar dores e lesões na prática da corrida

    Entenda qual a importância da baropodometria e saiba qual o seu tipo de pisada

    A forma como pisamos, corremos e praticamos atividades físicas pode influenciar negativamente em nossa saúde, ocasionando dores, má postura e, dependendo do caso, até desgaste ósseo | Foto: Reprodução

    Sabia que você pode estar pisando de maneira errada? A forma como pisamos, corremos e praticamos atividades físicas pode influenciar negativamente em nossa saúde, ocasionando dores, má postura e, dependendo do caso, até desgaste ósseo.

    O educador físico e atleta especializado em corrida, Márcio Soares, 54, pratica atividade física há 40 anos e resolveu fazer o teste da pisada para saber que tipo de sapato seria melhor para seu perfil.

    Leia também: Conheça os alimentos que aumentam a qualidade de vida do diabético

    “Sei que existem as pisadas com pronação excessiva, neutra ou supinação. E o teste ajuda coma identificação e indicação de um calçado adequado,” afirma  o corredor.

    O atleta revela que pessoas praticantes de atividades físicas, principalmente voltadas para corrida e caminhada, precisam de uma preocupação maior com relação ao uso do sapato adequado para cada tipo de pisada.

    Márcio afirma que os calçados usados influenciam diretamente na biomecânica da corrida. Em resumo, isso significa que a pessoa usando o calçado inadequado terá lesões a curto, médio ou longo prazo. Dependendo da frequência e intensidade do treinamento de cada um, o estrago  pode ser preocupante.

    Especialista em corrida, o educador físico e corredor Márcio Soares afirma que o tipo de calçado influencia na biomecânica da corrida
    Especialista em corrida, o educador físico e corredor Márcio Soares afirma que o tipo de calçado influencia na biomecânica da corrida | Foto: Arquivo pessoal


    “Tênis para caminhada é uma coisa, e para corrida é outra coisa. Tem gente corre na areia, na grama, na quadra, no asfalto e tudo isso influencia, por isso a necessidade de se fazer esse teste que geralmente é  mais conhecido por nós corredores, mas que na verdade deveria ser feito por todos, pois influencia diretamente em nossa saúde e bem estar,” ressaltou.

    O seu tipo de pisada pode contribuir ou prejudicar a atividade física
    O seu tipo de pisada pode contribuir ou prejudicar a atividade física | Foto: Reprodução

    Para identificar esse problema, existe um exame chamado baropodometria ou, popularmente, o teste da pisada. O teste ainda não é disponível na rede pública de saúde e custa em média R$ 200, 00 nas clínicas particulares.

    A análise é feita através de um aparelho chamado baropodômetro, que funciona como uma plataforma de força com um programa instalado em um computador para avaliar especificamente este tipo teste.

    Em Manaus, o exame ainda não é muito conhecido. De acordo educador físico, fisioterapeuta e especialista em traumato-ortopedia, Marcos Sabbá, 35, a barodopometria teve origem na França e é algo relativamente novo no Brasil.  

    Marcos Sabbá, educador físico e fisioterapeuta em traumato ortopedia.
    Marcos Sabbá, educador físico e fisioterapeuta em traumato ortopedia. | Foto: Arquivo pessoal

    “Esse exame tem entre 10 a 15 anos que chegou aqui no Brasil, mas em Manaus ainda não é bem disseminado, a maioria das pessoas que procuram saber seu tipo de pisada comumente são corredores ou praticantes de atividade física e isso inclui os profissionais e amadores. Mas é importante ressaltar que qualquer pessoa pode fazer essa avaliação desde que consiga ficar em pé parada para os procedimentos realizados em cima do aparelho”, explica o médico.

    Quando procurar um profissional

    A dor geralmente é o principal fator que leva a população a procurar ajuda médica. De acordo com o especialista, a percepção de que algo não está indo bem vem geralmente acompanhada de dores que servem de alerta.

    “A dor é sinal é um sinal do seu corpo e tem que ser averiguada, incômodos na coluna, dores no quadril, pernas anatômicas, escolioses, tudo isso pode ser sinal que você está pisando de forma não adequada“, ressalta Sabbá.

    Tipos de Pisada

    Segundo Marcos Sabbá existem alguns tipos de pisadas característicos. São elas:

    Pisada supinada: quando o calcanhar tende a ir mais para fora. "Essa pisada está ligada ao calcanhar, é só observar o lado do sapato que está mais gasto. Se for a parte de fora, pode ter certeza que é supinada", ensina Marcos.

    Pisada pronada: quando o calcanhar tende a ir para dentro. “Se o calcanhar tende mais a tombar pra medial, o calçado mostra que gasta mais pela parte de dentro, essa pessoa tem de fato uma pisada pronada”, diz ele.

    Ainda segundo o médico, existem também as pessoas que tem os pés planos, os pés mais cavados e ou mesmo pés com a pisada chamada neutra. “A pisada neutra é a mais fácil de identificar pois basta olhar os sapatos e observar que ele é gasto uniformemente”, afirma.

    Tratamento e prevenção

    No caso dos pacientes que têm a pernas de tamanhos diferentes, o médico explica que o mais comum é tentar compensar a diferença com o uso da palmilha ortopédica, porém, não são todos os casos em que ela é recomendada.

    O médico ressalta que atualmente o importante não é deixar as pessoas simétricas e sim funcionais. “Nem todo tratamento resulta numa palmilha, vai muito além disso, existem pacientes que precisam de fisioterapia, sessões de reeducação postural global (RPG). Acabou aquela ideia de antigamente, que consistia em deixar todo mundo simétrico. Hoje o que queremos é cuidar do paciente deixando sua vida funcional, portanto se ele tem uma perna assimétrica, por exemplo, e não sente dor ou incomodo algum, não tem porque eu sugerir o uso de uma palmilha, pois o corpo já se adaptou e o uso de qualquer artificio externo pode causar efeito contrário”, explica o especialista. 

    Ainda de acordo com traumo-ortopedista, há pacientes que procuram ajuda de um especialista com o intuito de se conhecer melhor e prevenir possíveis lesões.

    Leia mais: 

    Manaus apresenta redução de 30% no número de homicídios em outubro

    Detento passa mal e morre em presídio na BR-174

    Entrevista exclusiva - Denilson Novo

    Comentários