Fonte: OpenWeather

    Saúde


    Hospitais do AM buscam excelência no atendimento a pacientes

    Profissionais do Francisca Mendes e do Adriano Jorge vão receber apoio do MS e do Institute for Healthcare Improvement (IHI), de Cambridge (EUA)

    Hospital Universitário Francisca Mendes foi um dos 120 selecionados para o programa de melhoria no atendimento dos pacientes | Foto: Arquivo EMTEMPO

    O Hospital Universitário Francisca Mendes (HUFM) e a Fundação Hospitalar Adriano Jorge (FHAJ) foram selecionados pelo Ministério da Saúde para integrar um programa nacional de excelência em segurança aos pacientes. Na prática, isso significa que as pessoas internadas nesses hospitais terão um melhor atendimento e um menor risco de contrair infecções hospitalares e outras intercorrências de procedimentos, como aplicação errada de medicação, por exemplo.

    Ao todo, 120 hospitais públicos de todo o país foram escolhidos após uma rigorosa seleção feita por técnicos do Ministério da Saúde e dos seis hospitais particulares de excelência que irão dar esse treinamento e apoio a essas unidades hospitalares selecionadas. 

    Leia também:

     Assalto a ônibus termina com tiroteio e quatro vítimas baleadas em Manaus





    O Adriano Jorge já participava do programa de atendimento seguro dos pacientes
    O Adriano Jorge já participava do programa de atendimento seguro dos pacientes | Foto: Arquivo EMTEMPO

    No Amazonas a FHAJ já participava do Projeto Paciente Seguro desde 2016. O projeto, que faz parte do Programa de Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS), ajudou a reduzir em 62% o número de pacientes com lesões e úlceras causadas pelo pela tempo de permanência no leito do hospital.

    Já o HUFM, que é referência em cirurgia cardíaca no Estado, entra pela primeira vez no Proadi-SUS. No entanto, como faz parte da Rede Sentinela – que é uma ferramenta de vigilância em saúde – a unidade hospitalar já desenvolve práticas pioneiras de segurança do paciente há alguns anos.

    Hospital Universitário Francisca Mendes foi um dos 120 selecionados para o programa de melhoria no atendimento dos pacientes
    Hospital Universitário Francisca Mendes foi um dos 120 selecionados para o programa de melhoria no atendimento dos pacientes | Foto: Arquivo EMTEMPO

    A unidade já desenvolve programas de Cirurgia Segura, Identificação do Paciente e Prescrição Segura com farmacêuticos clínicos 24h. “Entre as diversas ações desenvolvidas na segurança do paciente no HUFM, destacamos o protocolo de Vancocinemia, sendo o primeiro hospital da região norte a trabalhar com essa prática para o uso racional de antibióticoterapia”, destacou Thatiana Guedes, gerente do núcleo de segurança do Hospital Universitário Francisca Mendes.

    O Adriano Jorge já participava do programa de atendimento seguro dos pacientes
    O Adriano Jorge já participava do programa de atendimento seguro dos pacientes | Foto: Arquivo EMTEMPO

    Projeto colaborativo

    O Francisca Mendes e o Adriano Jorge foram escolhidos para o novo projeto do Proadi-SUS que se chama “Projeto Colaborativo Melhorando a Segurança do Paciente em Larga Escala no Brasil”. Ele é uma evolução do “Paciente Seguro” e conta com o apoio direto dos seis hospitais de excelência brasileiros: Hospital Alemão Osvaldo Cruz (SP); Hospital Beneficência Portuguesa (SP); Hospital do Coração (SP); Hospital Israelita Albert Einstein (SP); Hospital Sírio Libanês (SP) e o Hospital Moinhos de Vento (RS).

    O novo projeto ainda conta com a parceria do instituto americano de melhoria para cuidados em saúde – o Institute for Healthcare Improvement (IHI) - que junto ao Ministério da Saúde e aos Hospitais de Excelência, capacitarão as equipes das 120 unidades hospitalares escolhidas.

    Serão três anos de capacitação e desenvolvimento dessas boas práticas, principalmente dentro das Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). Nesse período, os profissionais desses hospitais serão treinados para melhorarem o cuidado com a segurança dos pacientes, além de maximizar os recursos financeiros e minimizar desperdícios.

    Tudo isso para que, ao final do Projeto, essas unidades hospitalares – entre elas o Francisca Mendes e o Adriano Jorge – consigam reduzir em 50% as infecções relacionadas à assistência à saúde no país, como estimou o ministro da Saúde, Ricardo Barro, durante o lançamento do projeto, em agosto passado, em São Paulo.

    Com as  mudanças, tanto o HUFM quanto a FHAJ poderão ser referência em segurança dos pacientes no Amazonas.

    “Nós teremos suporte técnico e metodológico do Hospital Israelita Albert Einstein para que o Francisca Mendes se torne um hospital de excelência”, enfatizou Thatiana Guedes do HUFM.

    Números

    Segundo dados de 2016, da Revista do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS), entre 104 mil a 434 mil pessoas morreram nos hospitais brasileiros pelos chamados “eventos adversos hospitalares”.

    Com o “Projeto Colaborativo Melhorando a Segurança do Paciente em Larga Escala no Brasil” o Ministério da Saúde pretende evitar cerca de 8,5 mil acidentes adversos seguidos de morte por ano nas UTIs dos 120 hospitais participantes.

    Segundo o Ministério, os principais “eventos adversos hospitalares” registrados na rede pública são as infecções na corrente sanguínea associada ao uso de Cateter Venoso Central (CVC); pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV); e a infecção do trato urinário (ITU).

    Com a adoção dessas novas medidas de segurança ao paciente o Sistema Único de Saúde (SUS) pretende reduzir em R$ 1,2 bilhão os gastos com tempo de permanência do paciente nos leitos e com a utilização de insumos.

    Leia mais:

    Policial em Manaus ajuda trigêmeos prematuros com campanha em redes sociais
    Médicos, cabos elétricos e incentivo a adoção de animais foram temas de projetos na CMM

    Comentários