Fonte: OpenWeather

    Saúde


    Por que há mais crianças míopes hoje em dia?

    Uso de aparelhos eletrônicos surge entre as causas

    Manaus — É cada vez maior o número de crianças que frequentam clínicas oftalmológicas. Entre os problemas mais comuns, a miopia é a mais recorrente. Ou seja, a criança tem dificuldade para enxergar com nitidez tudo que não esteja próximo – o que, certamente, gera impacto na volta às aulas, já que é preciso enxergar claramente o que o professor escreve no quadro.

    Estudo realizado pelo National Eyes Institute (Estados Unidos) mostra que a prevalência de miopia aumentou de 25% para 42% entre os norte-americanos com idade entre 12 e 54 anos, nas últimas três décadas. Apesar de não poderem apontar uma causa exata para isso, os médicos acreditam que, além da predisposição genética, o problema está relacionado com a fadiga ocular proveniente do uso de computador e outros aparelhos tecnológicos.

    Leia também: Amazonas receberá R$ 402 mil para assistência farmacêutica 

    Na opinião do oftalmologista Renato Neves, diretor-presidente do Eye Care Hospital de Olhos (São Paulo), outro fator importante para o aumento nos casos de miopia é o estilo de vida das crianças.

    Por que há mais crianças míopes hoje em dia? Uso de aparelhos eletrônicos surge entre as causas
    Por que há mais crianças míopes hoje em dia? Uso de aparelhos eletrônicos surge entre as causas | Foto: Divulgação


    “Por diversas questões, como segurança, praticidade, ou até mesmo por não ter alguém durante todo o dia para tomar conta delas, as crianças de hoje em dia têm tudo muito próximo. Muitas passam o dia em espaços restritos, em que o computador está perto, a televisão está próxima, bem como videogames, smartphones, brinquedos etc. Essa falta de contato com espaços abertos, como parques e praias – em que naturalmente olham mais para longe, para o horizonte –, acaba descompensando um pouco a visão”.

    O médico explica que a miopia ocorre quando o olho é muito grande ou a córnea é muito curva, fazendo com que os raios de luz sejam convergidos para um ponto anterior à retina. Ou seja, é necessária uma lente esférica “divergente” para direcionar os raios de luz à retina e permitir que a pessoa enxergue bem as imagens.

    “A miopia geralmente começa na infância. O míope costuma fechar um pouco os olhos para tentar enxergar melhor, quando não está usando óculos ou lentes. Essa é, inclusive, uma dica para os adultos prestarem atenção. Se a criança cerra a vista para ver melhor alguma coisa que está distante, tem algo de errado que deve ser investigado. Para a maioria das pessoas, ela se estabiliza no início da vida adulta, mas há casos em que a miopia continua aumentando ao longo do tempo”.

    Outras queixas referentes à miopia incluem dor de cabeça, sensação de cansaço nos olhos, irritação e vermelhidão ocular. “Não são poucas as crianças que verbalizam a necessidade ‘descansar’ um pouco os olhos antes de continuar a estudar ou até mesmo brincar”, diz o médico – enfatizando que os pais devem dar ouvidos a esse tipo de queixa e buscar ajuda de um especialista.

    “Quando o paciente é pequeno, os óculos são a melhor solução – já que não requerem grandes cuidados e são mais fáceis de a criança se adaptar. Já quando o paciente tem mais de 12 anos e demonstra ser capaz de tomar todos os cuidados diários que as lentes de contato exigem, essa é uma boa opção.

    Por fim, quando o oftalmologista percebe que houve uma acomodação no grau, a cirurgia refrativa é um ótimo recurso para o paciente se ver finalmente livre de óculos e lentes de contato. Hoje em dia o procedimento é rápido, praticamente indolor e a recuperação se dá em curto espaço de tempo”.

    Leia mais:

    Produtos enlatados: cuidado com o botulismo alimentar

    Incesto: Há limite para a demonstração de carinho entre pais e filhos?

    No Dia do Dermatologista, médica dá dicas para manter pele saudável

    Comentários