Fonte: OpenWeather

    Artigo


    Sol: a estrela do nosso sistema solar

    Estrela de magnitude 5, o Sol possui temperaturas altíssimas. Seu núcleo chega a ter mais de 10.000.000 ºC (10 milhões de graus centígrados)

    O Sol orbita o centro da Via Láctea a uma distância de cerca de 24 a 26 mil anos-luz do centro galáctico
    O Sol orbita o centro da Via Láctea a uma distância de cerca de 24 a 26 mil anos-luz do centro galáctico | Foto: Reprodução

    O Sol é a estrela do nosso sistema solar. Ao seu redor giram os planetas, asteroides, cometas e outros corpos celestes que fazem parte desse sistema solar. Ele é tão grande que corresponde a 99,86% de toda a massa do sistema solar. É cerca de 332.900 vezes maior que a Terra se considerarmos sua massa. Caso levemos em consideração seu volume, ele 1.300.000 vezes maior.

    Estamos distantes do Sol cerca de 150.000.000 de quilômetros. Essa distância foi convencionada ser chamada de “unidade astronômica” ou 1 UA. É óbvio que essa distância é média já que os corpos celestes giram em torno do Sol em elipses e apresentam uma distância mais próxima do Sol, o periélio, que corresponde a cerca de 147,1 milhões de quilômetros, e uma distância mais afastada, o afélio, que corresponde a cerca de 152,1 milhões de quilômetros.

    Com essa distância, a luz solar leva cerca de 8 minutos para chegar até nós, considerando que a velocidade da luz é em torno de 300.000 km por segundo.

    O Sol é composto de 74% de hidrogênio, 24% de hélio e o restante (2%) de outros elementos como ferro, níquel, oxigênio, silício, enxofre, magnésio, néon, cálcio e crômio.

    A temperatura em sua superfície é de cerca de 6.000 K (Kelvin), o que lhe confere uma cor branca, mas é visto da Terra como amarelado devido à dispersão da luz na atmosfera terrestre.

    Sua energia é gerada pela fusão de núcleos de átomos de hidrogênio para formação de hélio. A “coroa solar” expande-se pelo espaço através dos “ventos solares” que é a propagação de partículas emitidas pelo Sol para o espaço. Na Terra causa o que conhecemos como “aurora boreal” em regiões próximas aos polos da Terra.

    O Sol orbita o centro da Via Láctea a uma distância de cerca de 24 a 26 mil anos-luz do centro galáctico, movendo-se geralmente na direção da constelação do Cisne e completando uma órbita entre 225 a 250 milhões de anos (um ano galáctico).

    A estimativa mais recente e precisa da velocidade orbital do sol é da ordem de 251 km/s. Visto que a Via Láctea se move na direção da constelação da Hidra, com uma velocidade de 550 km/s, a velocidade do Sol relativa à radiação cósmica de fundo em micro-ondas é de 370 km/s, na direção da constelação da Taça.

    Estrela de magnitude 5, o Sol possui temperaturas altíssimas. Seu núcleo chega a ter mais de 10.000.000 ºC (10 milhões de graus centígrados). Sua fotosfera (parte que é visível da Terra) chega a alcançar 6.000ºC.

    Formado há mais de 4,6 bilhões de anos, o Sol é composto por nuvens de poeira, gás e restos de estrelas (pedaços de rochas). Possui manchas, chamadas de fáculas, que variam de acordo com a temperatura. Mas o Sol é apenas uma das mais de 200 bilhões de estrelas da Via Láctea, que tem uma extensão aproximada de 100 mil anos-luz. (Um ano-luz é igual a 9,4605 bilhões de quilômetros).

    Quando a Lua se alinha entre o Sol e a Terra e projeta sua sombra no planeta ocorre o eclipse solar. Se a Lua desaparece do céu, o eclipse é lunar, porque ela entra totalmente na sombra da Terra. Na maior parte do tempo, o satélite passa abaixo ou acima da sombra da Terra, devido à inclinação de sua órbita em relação à órbita da Terra em volta do Sol.

    Outro fenômeno que merece ser destacado é o Sol da meia-noite, que ocorre nos polos da Terra, quando o Sol não se põe durante 24 horas. A órbita terrestre em volta do Sol faz com que os raios solares incidam quase que perpendicularmente sobre os polos. Essa posição se altera de seis em seis meses. Assim, cada um dos polos tem seis meses de dia e seis meses de noite constantes.

    O equinócio ocorre com a passagem do Sol sobre a linha do equador no dia 21 de março e 23 de setembro (outono e primavera). Quando esse fenômeno acontece os dias e as noites duram doze horas.

    O Sol também é responsável pelas estações do ano, produzidas de acordo com sua iluminação, durante a translação da Terra (a volta que o planeta dá em torno do Sol). Como a Terra tem uma inclinação em relação ao Sol, na metade do caminho, o hemisfério Norte está mais próximo e, na metade seguinte, é o Sul. Por isso, o verão e inverno se alternam nos dois hemisférios.


    Leia mais:

    O poder de uma boa conversa falada

    A hora e a vez das startups no Brasil

    Uma visão sobre a ética na política amazonense


    CIDADANIA - ELEIÇÕES 2018

    Comentários