Fonte: OpenWeather

    Editorial


    Indícios de armação nas eleições do Amazonas

    É preciso compreender que o Amazonas não é mais o mesmo do tempo do 'Voto de Cabresto' e do 'Coronelismo'

    Amazonino Mendes e Wilson Lima
    Amazonino Mendes e Wilson Lima | Foto: Reprodução

    Um vídeo em que um dos chefes do tráfico da cidade de Codajás (distante 297 quilômetros de Manaus), Diellison Wendel Alves Pinheiro, o "Didi “, aparece afirmando que teria recebido R$ 12 mil reais para compra de votos a favor do candidato ao Governo do Amazonas Wilson Lima (PSC), viralizou nas redes sociais e aponta para uma suposta armação por parte da coligação "Eu voto no Amazonas", de Amazonino Mendes. A estratégia seria, de acordo com os opositores de Amazonino, tentar denegrir a imagem de Lima, perante a opinião pública.

    Diante das suspeitas e do que isso representa para a democracia, constitui obrigação por parte da Corregedoria da Polícia Civil do Amazonas abrir inquérito para investigar a suposta participação de policiais na "apresentação" do traficante por meio do vídeo, em uma cena um tanto "bizarra", não só pela má atuação do "ator", como pelo fato de que, o candidato Wilson Lima não teria, a essa altura, necessidade de "comprar votos". Ele aparece como favorito em todas as pesquisas de opinião. Arriscaria a eleição, com compra de votos, se a eleição está praticamente vencida? 

    Wilson Lima (foto) aparece como favorito a ganhar as eleições, em todas as pesquisas.
    Wilson Lima (foto) aparece como favorito a ganhar as eleições, em todas as pesquisas. | Foto: Arquivo/Em Tempo

    O secretário de Segurança do Amazonas, Amadeu Soares, afirmou que o inquérito foi encaminhado à Polícia Federal, ao Ministério Público Federal (MPF) e ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE), para o prosseguimento das investigações. Que isso seja feito com o rigor da lei.

    A coligação "Eu voto no Amazonas", do candidato Amazonino, entrou com ação no último sábado (20) no TRE-AM, com pedido de cassação da candidatura de Wilson Lima por compra de votos. Com base no vídeo de um traficante, sem nenhuma prova concreta?

    Como explicar que o traficante, com dinheiro trocado, claramente vindo da venda de drogas, possa afirmar que tenha recebido dinheiro de Wilson Lima por meio de um intermediário identificado como 'Paulo", apenas com as características "moreno e forte".  Quem é esse misterioso Paulo? As próprias evidências do fato já apontam para uma provável armação.

    É preciso compreender que o Amazonas não é mais o mesmo do tempo do 'Voto de Cabresto", do 'Coronelismo', quando Amazonino Mendes mandava e desmandava no interior do Estado, sem que houvesse a verdadeira apuração dos fatos. 

    Diante da possibilidade de derrota, cria-se um jogo sujo, na tentativa de mudar a opinião pública, embora nada disso mais faça sentido. O povo já conhece esses esquemas. Sabe que, caso Amazonino vença, voltará o mesmo governo de falácias, das filas nos hospitais e da insegurança, em que facções dominam o tráfico e a criminalidade no Estado.

    É o mesmo governo do "Toma lá, dá cá", em que o populismo prevalece e municípios passam anos à míngua, sem investimentos em educação, saúde pública e infraestrutura.

    Basta observar, depois de tantos anos no poder, a pobreza da periferia de Manaus e a situação caótica dos municípios da região metropolitana. É pior ainda a situação das comunidades distantes, tão carentes de políticas públicas.

    Não existe democracia onde imperam a injustiça, a mentira e a hipocrisia.

    Leia mais:

    Wilson Lima aproveita o fim de semana e visita o sul do Amazonas

    Wilson Lima lidera com 65% contra 35% da pesquisa Ibope

    Revista Veja destaca notícias falsas contra Wilson Lima no Amazonas


    Comentários