Fonte: OpenWeather

    Eleição 2018


    Chapa de Omar assusta candidatos veteranos no Amazonas

    Os principais candidatos ao Governo do Amazonas estão na corrida para ganhar os eleitores

    Os pré-candidatos já aquecem a corrida eleitoral deste ano
    Os pré-candidatos já aquecem a corrida eleitoral deste ano | Foto: Malika


    Manaus - O candidato do PSD ao governo do Estado, senador Omar Aziz, não podia ser mais otimista. Em determinado momento de seu discurso, durante sua convenção, fez um apelo aos mais de 18 mil seguidores que foram à convenção do partido.

    — Permitam que eu me apresente. Meu nome é Omar Aziz, futuro governador do estado do Amazonas.

    Esse cara sou eu

    A coligação de Omar, que tem como carro-chefe a força política do prefeito tucano Arthur Virgílio, será focada na segurança.

    E o candidato fez questão de reforçar que, se existe alguém que pode falar em segurança no Estado, é ele - o pai do Ronda no Bairro.

    Referia-se ao programa de seu primeiro governo que devolveu segurança às ruas da cidade.

    Passeio de viaturas

    Omar disse que que não quer fazer críticas, porque fazer críticas todo mundo sabe.

    — O que nós queremos é apontar soluções. Mas não dá para fazer segurança colocando viaturas para passear -.

    Recado ao governador

    E neste trecho, ele mandou um recado ao atual governador, Amazonino Mendes:

    — Governador, não é com desfile de viatura que se combate o narcotráfico!

    Agora basta

    Aumentando o volume da voz no discurso, Aziz disse que é preciso dar um “basta!”.

    — Basta de insegurança, não dá para esperar mais. Quem não tem autoridade não pode enfrentar o crime organizado!

    Até lá já morrí!

    O prefeito Arthur Virgílio (PSDB) explicou, no palanque da convenção do PSD, por que está do lado de Omar Aziz.

    Arthur disse que conversou com o atual governador, Amazonino Mendes (PDT), e ele disse que o plano de segurança dele, que será implantado pelo ex-prefeito de Nova Iorque Rudolph Giuliani, só vai começar a dar frutos em quatro anos.

    — Ora, em quatro anos eu já morri, já me mataram nessa violência. Manaus já virou de cabeça pra baixo, e o Amazonas se perdeu –, disparou o tucano.

    Ele, na rede dele, eu na minha!

    Virgílio disse que até gosta do atual governador. E que o considera um homem inteligente, bom de conversar.

    — Mas só não quero mais ele como governador. É um direito meu de democrata!

    Disse e não cumpriu

    Virgílio disse, também, que se decepcionou porque, numa conversa com Amazonino, ele disse que não seria mais candidato, que iria arrumar a casa e não se candidatar nunca mais.

    — Oba! Eu pensei, ele vai organizar as finanças como eu organizei as finanças de Manaus, que hoje é a cidade mais organizada, financeiramente, do país!

    Nenhuma, nem outra

    O tucano se desencantou porque, no final, Amazonino não arrumou a casa, nem desocupou a cadeira.

    — Gosto de você, Omar, porque você é um homem de palavras. O que promete, cumpre!

    Diz e cumpre

    Aliás, a palavra cumprida foi a principal característica destacada pelos candidatos para traduzir o político Omar Aziz.

    Honradez da palavra

    Assim como seu pai, Arthur Bisneto, o candidato a vice, também destacou isso: a honradez da palavra

    — Nunca vi o Omar falar “talvez”. Ele pode até dizer um “não”, mas é um não verdadeiro. E, quando diz um sim, é porque vai cumprir.

    O Amazonas que eu quero

    Assim como a campanha da Rede Globo, pessoas de todo o Estado estão mandando vídeos para o Zap do Omar. Os depoimentos foram exibidos durante convenção partidária do PSD. As reivindicações são as mesmas: mais saúde, educação, segurança e melhor qualidade de vida.

    Jingle do Omar

    O refrão do jingle do candidato do PSD é fácil de cantar e vai pegar.

    Diz assim:

    “É Omar! A gente sabe que ele sabe trabalhar/ É Omar! Ele cumpre o que diz, pode acreditar/ É Omar! Segurança para gente inovar!”

    Antítese do governo

    Na convenção do Partido Socialista Brasileiro (PSB), na última sexta-feira (3), que confirmou sua candidatura ao governo do Estado, o presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), deputado estadual David Almeida, se autodeclarou a antítese do governo de Amazonino Mendes (PDT).

    — Não aceitei ficar ao lado deles no ano passado, porque não compactuei com o jeito deles de tratar o povo. Sou a antítese desse governo –, afirmou

    O dono da máquina

    Indagado se teria chances contra Amazonino, que tem a máquina do Estado nas mãos, David respondeu que vencerá com o verdadeiro dono da máquina:

    — E o dono da máquina é o povo.

    Em nome do pai

    Filha do deputado estadual Sabá Reis (PR), Carol Reis, foi à convenção de David e falou em nome do pai, que, por conta da decisão de seu partido apoiar Amazonino, não participou do evento, a fim de evitar problemas com a Justiça Eleitoral.

    — Pai, essa causa também é sua, e vamos lutar por ela. Somos David até o fim – disse.

    Alianças fechadas

    Durante o evento, David confirmou o PT em sua chapa, bem como o PMN.

    Por isso, o PCdoB, da senadora Vanessa Grazziotin, foi preterido na aliança, o que foi um erro.

    A vermelha faz falta

    La Grazziotin teria muito a agregar.

    É uma das melhores senadoras do país, tem a ficha limpa e foi eleita a senadora mais assídua de 2017, aparece em segundo lugar em todas as pesquisas de intenção de votos, além de que traria, no pacote, a militância comunista, que não é fácil.

    Grito solitário

    A bem da verdade, o líder do PSB, Serafim Corrêa, foi o único que defendeu Vanessa como uma das candidatas ao senado pelo bloco de David Almeida.

    Sarafa falou tanto, que chegou a ficar rouco. Mas ninguém ouviu.

    Praciano é o PT

    Integram o palanque de David, além do PSB, o PT, Podemos, Pros, Avante, PMN e PMB.

    Os dois senadores da chapa serão o petista Francisco Praciano e o vereador Chico Preto (PMN).

    Leia mais

    David Almeida lança coligação com o PT nas eleições do governo do Amazonas

    Arthur Bisneto é confirmado como vice do Omar Aziz em convenção

    Essa será a eleição mais disputada dos últimos 35 anos, diz Santiago

    CIDADANIA

    Comentários