Fonte: OpenWeather

    Rede de prostituição


    Preso homem que comandava rede de prostituição infantojuvenil no AM

    Raylon da Silva pode ser a chave para a policia descobrir os responsáveis pela morte de Thaíssa Jordana, de 16 anos, ocorrida em dezembro de 2012

    Raylan é suspeito de comandar uma rede de prostituição em municípios do Amazonas | Foto: Divulgação

    Parintins (AM) – Raylon da Silva Albuquerque, de 19 anos, conhecido como “Teia” foi preso na tarde dessa segunda-feira (16), no município de Barreirinha (a 331 km de Manaus). Ele é acusado de comandar uma rede de prostituição  infantojuvenil no interior do Amazonas.

    Raylon, que também é suspeito de comandar o tráfico de drogas em Barreirinha, estava sendo monitorado pela polícia, Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM) e pelo Conselho Tutelar de Barreirinha. "Teia" pode ser a chave para a polícia descobrir a identidade dos responsáveis pela morte da Thaíssa Jordana de Souza Costa, de 16 anos, ocorrida no dia 2 de dezembro de 2012.

    A jovem foi encontrada morta dentro de um quarto de motel em Manaus. Na época, um laudo feito às pressas atestou que a garota teria sido vítima de overdose.

    Leia também: Baleado na cabeça, homem morreu ao perder massa encefálica em Manaus

    Segundo a polícia, “Teia” agenciava garotas de 13, 14 e 15 anos para prostituição em hotéis e pousadas da cidade. O suspeito cobrava por cada programa cerca de R$ 200 e não pagava as adolescentes. Por conta disso, elas o denunciaram ao Conselho Tutelar.

    No mês passado, "Teia" levou, de Parintins para Barreirinha, um adolescente homossexual, de 15 anos, e passou agenciá-lo na cidade. Quando conseguia fazer programa, o adolescente era obrigado a furtar para pagar sua alimentação e moradia.

    Segundo o depoimento de uma das vítimas, ao cobrar o pagamento de um programa foi ameaçada por "Teia".  O homem, de acordo com a adolescente, teria contado em detalhes como ele e uma outra pessoa teriam assassinado Thaíssa Jordana.

    Familiares de Thaíssa Jordana acreditam que a mesma  tenha sido morta como queima de arquivo. “Ela sabia quem eram os principais envolvidos e dirigentes de uma rede de prostituição, que vem operando há algum tempo nos municípios de Parintins, Nhamundá, Barreirinha e Boa Vista do Ramos”, disse um familiar, que pediu para não ser identificado com medo de represálias.

    Em abril de 2012, Thaíssa Jordana denunciou na 3º Delegacia Interativa de Polícia de Parintins a rede de exploração sexual. Durante a denuncia, a jovem teria citado nomes de empresários, militares, comerciantes, vereadores e outras personalidades dos municípios mencionados.

     Raylon da Silva Albuquerque está preso na unidade policial de Barreirinha. 

    Edição: Mara Magalhães

    Leia mais: 

    Homem é morto com 15 tiros e duas pessoas ficam feridas no Nova Cidade

    Mototaxista é surpreendido por criminosos e morto a tiros em Manaus

    Mulher é esfaqueada por três homens em quitinete no Centro de Manaus

    Comentários