Fonte: OpenWeather

    Polícia


    Seap nega relação de morte de agente com movimentação no Compaj

    Segundo a Seap, a ação faz parte da programação fim de ano para troca do vestuário em todas as unidades prisionais do Estado. Outros presídios já receberam a ação.

    Os objetos ficaram amontoados na área externa da unidade prisional | Foto: Divulgação

    Manaus - A retirada de colchões, freezeres e outros utensílios do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), na manhã desta segunda-feira (3), mobilizou as redes sociais com a divulgação de imagens que o presídio estava com possível alteração, que seria supostamente motivada pela morte do agente de conciliação Alexandro Rodrigues Galvão, de 37 anos, assassinado com uma facada no pescoço, durante o horário de visitas.

    Ao Em Tempo, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) informou que a ação não está relacionada ao assassinato do agente, que pertencia ao quadro funcional da empresa Umanizzare Gestão Prisional. As peças de roupas estão sendo retirados para a padronização do vestuário. Já os colchões são antigos e estavam armazenados no depósito, enquanto os equipamentos de frios foram removidos para manutenção. 

    A Seap ressalta que a ação foi programada e faz parte da entrega dos kits de uniforme antes de encerrar o fim do ano. Outras unidades prisionais -, Centro de Detenção Provisória Masculino 2 (CDPM2), Penitenciária Feminina de Manaus (PFM) e Unidade Prisional do Puraquequara (UPP).

    Crime

    Alexandro foi esfaqueado durante o horário de visitas aos internos do pavilhão 3. Imagens de uma câmera de segurança do Compaj mostra o agente sendo dominado antes que ele fechasse o portão de acesso à área de convivência. O agente penitenciário ainda foi socorrido e levado ao Hospital e Pronto-Socorro (HPS) Delphina Rinaldi Abdel Azis, no bairro Colônia Terra Nova, Zona Norte, mas não resistiu ao ferimento. 

    Após o crime, 12 presidiários foram levados ao 19º Distrito Integrado de Polícia (DIP), onde três internos identificados como Arley de Oliveira Silva, Bruno Coelho Costa e Adriano Souza estariam envolvidos ativamente no crime. Ao término dos procedimentos, nove detentos foram encaminhados e alojados nas celas 2 e 3 do Regime Disciplinar Diferenciado (RDD) do Instituto Prisional Antônio Trindade (Ipat). 

    Já os outros três presos foram apresentados na audiência de custódia no Fórum ministro Henoch da Silva Reis, bairro São Francisco, Zona Sul da capital. Como medida de segurança, a Seap reforçou o monitoramento na unidade prisional e suspendeu as visitas aos internos. 

    Leia mais: 

    Polícia identifica suspeito de matar jovem a facadas no Coroado

    Assassino de advogado diz estar arrependido; OAB-AM parabeniza polícia

    Homem morre após ser baleado três vezes em rua no Colônia Terra Nova


    Comentários