Fonte: OpenWeather

    Prisão preventiva


    Preso por torturar e manter adolescente em cárcere privado

    Os crimes ocorreram no início de abril, na casa do infrator, em um residencial do bairro Lagoa Azul (Zona norte).

    delegada Joyce Coelho, titular da (Depca)
    delegada Joyce Coelho, titular da (Depca) | Foto: Erlon Jorge e Divulgação/PC-AM

    Manaus - A equipe de investigação da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), cumpriu mandado de prisão preventiva na terça-feira (14) a Fabrício Borges Ferreira, 22 anos, investigado por ter torturado, mantido em cárcere privado e mantido relações sexuais com a ex-companheira dele, uma adolescente de 13 anos. Os crimes ocorreram no início de abril, na casa do infrator, no bairro Lagoa Azul (Zona norte). 

    A prisão ocorreu nas proximidades do lava-jato onde eletrabalhava. Segundo às investigações, o caso teve início no dia 1º de abril deste ano, quando a irmã de Fabrício havia marcado um encontro com a vítima, que estava separada do jovem há cerca de um mês. Ao chegar no local combinado, a adolescente se deparou com o ex-companheiro. 

    “Assim que avistou a adolescente, o infrator a levou para a residência dele. Vale ressaltar que, ainda em via púbica, a vítima foi agredida com socos, chutes, além de golpes de cabo de vassoura e de perna-manca. Dentro da casa, onde a adolescente ficou presa por cinco dias, Fabrício visualizou as mensagens do celular dela e voltou a agredi-la, inclusive desferindo facadas nos braços e pernas”, explicou a delegada Joyce Coelho, titular da especializada. 

    A adolescente só conseguiu fugir após a mãe do infrator chegar de viagem no dia 5 de abril. Ao constatar que a vítima estava muito machucada e mantida em cárcere privado, a mãe de Fabrício deu dinheiro à adolescente e pediu que ela fugisse dali.

    Ainda segundo Joyce, a denúncia foi formalizada já no dia seguinte, na sede da Depca. “Depois de realizarmos todos os procedimentos de diligências em torno do caso, e constatarmos a materialidade que indica que os crimes, de fato, foram cometidos, nós ingressamos com o pedido de prisão em nome de Fabrício, que foi expedida no dia 8 de abril de 2020, pelo juiz George Hamilton Lins Barroso, do Plantão Criminal”, afirmou a delegada Joyce. 

    Procedimentos 

    O infrator foi indiciado por estupro de vulnerável, tortura e cárcere privado. Após os trâmites cabíveis, ele permanecerá custodiado na carceragem da delegacia, e ficará à disposição da Justiça.


    Com informações da assessoria

    Comentários