Fonte: OpenWeather

    Aleam


    Sidney Leite vai acionar a Justiça para barrar licitações do Estado

    Conforme o parlamentar, o governo não tem dinheiro para pagar esses contratos, além de estar cometendo improbidade administrativa ferindo a Lei de Responsabilidade Fiscal

    O parlamentar afirmou que vai acionar, novamente, o Ministério Público de Contas | Foto: Divulgação

    Manaus - Em seu pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam) na manhã de quarta-feira (21), o deputado citou o artigo 42 da LRF, em que afirma que é vedado ao titular de poder ou órgão Executivo que, nos últimos dois quadrimestres (oito meses) do seu mandato, contrair obrigação de despesa que não possa ser cumprida integralmente dentro dele ou que tenham parcelas a serem pagas no exercício seguinte sem que haja suficiente disponibilidade em caixa para este fim.

    “Ou seja, o governo do Estado vem aqui dizer que não tem nada atrasado, mas está fazendo dispensa de licitação, cuja fonte de pagamento é o Tesouro, mas pede autorização desta casa para usar verba do FTI para pagar terceirizados, alegando não ter mais dinheiro em caixa. Isso tem que ser explicado. Ou o Tribunal de Contas do Estado se manifesta ou o governador eleito Wilson Lima tem que tomar uma medida drástica para parar com essa irresponsabilidade”, disse Sidney Leite.

    O parlamentar afirmou que vai acionar, novamente, o Ministério Público de Contas (MPC) para que sejam tomadas providências. “No mínimo, tem malversação de dinheiro público. Estão saqueando o Estado em fim de mandato”, acrescentou.

    Além disso, o deputado acrescentou que solicitou informações junto à Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra) há duas semanas sobre licitações e obras do sistema viário do interior do Estado, mas teve o pedido ignorado. Ele denunciou na tribuna da casa que, passado as eleições, estas obras no interior ou estão paralisadas ou foram entregues com péssima qualidade e, ressaltou que esses recursos pagos são oriundos de empréstimo feito pelo governo com juros de mercado.

    Mais Médicos

    Sidney Leite se manifestou na tribuna sobre a polêmica em torno da saída dos médicos cubanos do programa federal Mais Médicos e que podem afetar o Amazonas.

    O parlamentar defende que a contratação de médicos para o interior do Estado, que mais sofre com essa demanda e que causa impacto no orçamento dos prefeitos, deve ser de responsabilidade do Estado, que acaba se omitindo nessa questão.

    “Entendo que é dever do Estado organizar e reestruturar a saúde para que possa suprir essa deficiência, porque o ‘Mais Médicos’ atua no Amazonas meramente na atenção básica. Esse papel é do Estado, assumir esses gastos, e não das prefeituras, mas o TCE faz cara de paisagem e cobra essa responsabilidade do Estado”, disse o parlamentar.

    Leia mais: 

    Procuradores do Estado vão defender valorização da classe na Aleam

    Amazonino concedeu isenção de impostos a empresas do setor energético

    Depois da eleição no Amazonas o asfalto sumiu

    Comentários