Fonte: OpenWeather

    Investigação


    Joesley Batista diz que pagava R$ 50 mil a Aécio por meio de rádio

    Joesley disse não saber se algum serviço de publicidade foi prestado pela rádio Arco Íris, mas reforçou que o objetivo dele foi repassar os R$ 50 mil a fim de manter bom relacionamento com o senador

    | Foto: dv

    Manaus -  "O empresário Joesley Batista afirmou à Procuradoria-Geral da República que pagou R$ 50 mil por mês a Aécio Neves (PSDB-MG), ao longo de dois anos, por meio de uma rádio da qual o senador era sócio. Os pagamentos, de acordo com Joesley, foram solicitados diretamente pelo tucano em um encontro". As informações são do jornal Folha de São Paulo. 

    Joesley entregou aos procuradores 16 notas fiscais emitidas entre 2015 e 2017 pela Rádio Arco Íris, afiliada da Jovem Pan em Belo Horizonte. A JBS figura nas notas como a empresa cobrada.

    As notas fiscais referentes a Aécio têm como justificativa a prestação de "serviço de publicidade" e trazem a descrição de que o valor mensal era de "patrocínio do Jornal da Manhã", um dos programas da rádio. Pela soma das notas fiscais, a JBS pagou à rádio da família de Aécio R$ 864 mil. Nas declarações de Imposto de Renda do tucano, obtidas pela PGR mediante quebra de sigilo autorizada pelo Supremo, o valor declarado das mesmas cotas em 2014 e 2015 foi de R$ 700 mil. 

    Leia mais: Sem manutenção, motos da PM recebem conserto pagos por militares no Amazonas

    No relato aos procuradores, Joesley disse não saber se algum serviço de publicidade foi de fato prestado pela rádio Arco Íris, mas reforçou que o objetivo dele foi repassar os R$ 50 mil mensais a fim de manter um bom relacionamento com o senador, que tinha sido candidato à Presidência em 2014 e poderia voltar a ser em 2018.

    De acordo com o advogado, a prova de que a relação com a rádio era legal é que o contrato com a JBS foi mantido normalmente até o encerramento, quando a delação de Joesley já tinha sido feita."Ao dar início à negociação de acordo de delação, delatores se comprometem a suspender qualquer prática irregular", afirmou.

    Segundo Toron, o relato é mais uma demonstração de má-fé e desespero do delator. "A afirmação do delator de que não sabia se os serviços teriam sido prestados demonstra o alcance da sua má-fé, já que bastaria uma consulta ao setor de comunicação das suas empresas para constatar que os serviços foram correta e efetivamente prestados", disse.

    "A falta de credibilidade e as sucessivas mentiras e omissões praticadas pelo delator levaram a PGR a pedir a rescisão dos benefícios de sua delação e contribuem para desqualificar mais uma mentira desse cidadão", afirmou.

    Procurada, a rádio Arco Iris se disse "surpresa" com o relato de Joesley por tentar "dar caráter político a uma relação estritamente comercial, comprovadamente correta, legal e legítima na prestação de serviços publicitários".


    Leia mais:

    Não há previsão para saída de Melo e Edilene da prisão, diz advogado

    Na Aleam Sabá Reis anuncia que pedirá impeachment de Amazonino
    Estamos vivendo o maior apogeu democrático, avalia Helso Ribeiro


    Comentários