Fonte: OpenWeather

    Notas da Contexto


    Luiz Castro diz que registro de preços da Sefaz prejudica Amazonas

    Uma “medida danosa para as finanças do Amazonas”, diz deputado Luiz Castro

    Para Luiz Castro, trata-se de uma operação suspeita, que provavelmente privilegiará grandes empresas em detrimento dos pequenos produtores rurais
    Para Luiz Castro, trata-se de uma operação suspeita, que provavelmente privilegiará grandes empresas em detrimento dos pequenos produtores rurais | Foto: Lion

    Uma “medida danosa para as finanças do Amazonas”.

    Foi assim que o deputado Luiz Castro (Rede) definiu o Decreto Estadual nº 39822, de 26 de novembro, que descentraliza o sistema de registro de preços da Sefaz. Na avaliação do deputado, o decreto dá acesso, de forma repentina, ao gerenciamento do registro de preços da Sefaz, permitindo que os demais órgãos da administração direta e indireta façam as atas de preços para contratação de serviços e compras sem a devida competência técnica.

    — É o caso da ADS, que, no apagar das luzes do atual governo, pretende gastar R$10 milhões em compras –, cutucou Castro.

    Operação suspeita

    Para Luiz Castro, trata-se de uma operação suspeita, que provavelmente privilegiará grandes empresas em detrimento dos pequenos produtores rurais, que deveriam ter prioridade no atendimento pela Agência de Desenvolvimento Sustentável do Estado do Amazonas (ADS).

    Chame a Transição

    Castro, que deverá ser o próximo secretário da Casa Civil do novo governo, já anunciou que vai solicitar, na Comissão de Transição, que os técnicos do governo esclareçam essa situação.

    — Afinal é a atual gestão que deve controlar com rigor os gastos do Estado, por meio de processos licitatórios, e de forma criteriosa –, afirmou o deputado da Rede.

    Mais um da caserna

    O coronel da reserva Alfredo Menezes é forte candidato a assumir o comando da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) no governo de Jair Bolsonaro.

    Afilhado na Suframa

    Coronel Menezes é afilhado de casamento do presidente eleito.

    Atualmente é gerente regional da Associação de Poupança e Empréstimo (Poupex), ligada ao Exército Brasileiro.

    Foge de holofotes

    Quem conhece o Coronel Menezes diz que, além de ser do tipo que não foge das missões impostas, é um cara extremamente discreto, que tem ojeriza a holofotes.

    Festejando Choy

    Em Moção de Parabenização aprovada pelo plenário da Assembleia Legislativa, o deputado estadual Belarmino Lins (PP) destacou, nessa quinta-feira (29), a reeleição do advogado Marco Aurélio Choy à presidência da seccional Amazonas da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-AM).

    Rasgação de seda

    Belão rasgou seda ao advogado vitorioso nas urnas.

    E disse ter certeza de que ele dará plena continuidade ao brilhante trabalho que já vinha realizando à frente da OAB”.

    Última reportagem

    Um grave acidente, ontem à tarde na BR-210, na altura do km 53 (Macapá/Oiapoque), envolvendo três veículos, matou o fotógrafo Johnny Sena, que prestava serviços para a prefeitura de Pedra Branca (AP).

    Na redação do EM TEMPO

    Nos anos 1990, Johnny trabalhou no EM TEMPO, ainda na administração da jornalista Hermengarda Junqueira.

    O convite para o fotógrafo vir trabalhar em Manaus foi feito durante a cobertura do Festival de Parintins, quando ele fazia cobertura para um jornal do Amapá.

    Grande imprensa

    Johnny topou e ficou por aqui durante algum tempo.

    Era um excelente fotógrafo, com trabalhos publicados na grande imprensa, como o Jornal do Brasi, principalmente fotografias com foco na causa indígena.

    Pessoa muito querida, Johnny era filho do veterano jornalista e desportista Wilson Pontes de Sena.

    Finalmente chegou

    O presidente da Aleam, David Almeida (PSB), informou ao plenário a entrada em tramitação da Lei Orçamentária Anual (LOA) 2019, do governo do Estado, que fixa o Orçamento estadual para o próximo ano em R$ 17,42 bilhões.

    Ritmo acelerado

    O deputado garantiu que o processo de tramitação da Lei deverá seguir um rito mais acelerado.

    Isso porque a entrega pelo governador demorou mais que o prazo previsto.

    Pés pelas mãos

    A quantia de dinheiro recebida em propina pelo governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (MDB), preso na manhã dessa quinta-feira (29), seria o suficiente para bancar os salários de mais de 22 mil servidores do Estado.

    O levantamento foi feito pelo jornal Extra do Rio de Janeiro.

    Guloso

    De acordo com a acusação do Ministério Público Federal (MPF), Pezão teria recebido mais de R$ 25 milhões entre 2007 e 2015.

    O valor, corrigido pela inflação, ultrapassa os R$ 39 milhões.

    Você gosta das Notas da Contexto? Então leia mais:

    Mototaxistas ganham incentivo para motos de até 160 cilindradas

    Com intervenção de Eduardo Braga, Amazonas receberá R$ 285 milhões

    Governo Amazonino já extrapolou os gastos com pagamento, diz Aleam

    Comentários