Fonte: OpenWeather

    Raios solares


    Exposição solar ainda é maior causa de câncer de pele

    170 mil casos de câncer de pele foram estimados para o próximo ano no Brasil. Exposição solar é fator preocupante

    O estudo aponta que este tipo de câncer é o mais incidente em mulheres no país
    O estudo aponta que este tipo de câncer é o mais incidente em mulheres no país | Foto: Governo Federal

    Manaus - Cerca de 170 mil casos de câncer de pele foram estimados para o próximo ano no Brasil, de acordo com uma pesquisa divulgada este ano pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), ligado ao Ministério da Saúde (MS).

    O estudo aponta que este tipo de câncer é o mais incidente em mulheres no país. Já com os homens, a especificidade da doença encontra-se na segunda posição. De acordo com a dermatologista Lívia Lima, o principal fator desencadeante da doença é a exposição solar sem proteção, geralmente afetando zonas do corpo mais expostas ao sol, como o rosto, pescoço, tronco e couro cabeludo.

    “Por conta da exposição constante que temos ao sol aqui em Manaus, pessoas que possuem pele com sinais de dano solar, como enrugamento, pele com coloração mais pigmentada, com manchas e aspereza, devem procurar um dermatologista para serem examinados”, alertou.

    Tipos da doença

    Lívia comentou que o tipo mais grave de câncer de pele é o melanoma, onde é comum a não cicatrização de feridas, manchas que sangram e um alto índice de letalidade. O menos grave é o não melanoma, onde os afetados pela doença possuem baixo risco de morte, mesmo correndo o risco de ficarem com sequelas caso não tratem as cicatrizes na pele. Já os cânceres de pele mais comuns são o espinocelular e o basocelular.

    O tipo basocelular foi o que afetou o casal Arlete Ferreira, 75, e Honorato Costa, 79. Honorato descobriu primeiro a doença, em 2016, quando notou uma mancha nas costas que mudava de cor constantemente. Ele foi até o consultório de Lívia e, após exames, descobriu que estava com câncer de pele.

    Casal teve a doença e hoje tem como regra sempre passar protetor solar antes de sair de casa
    Casal teve a doença e hoje tem como regra sempre passar protetor solar antes de sair de casa | Foto: Honorete Costa

    “A biópsia confirmou o câncer e, em seguida, fiz uma cirurgia onde foi retirada parte da mancha. A previsão de cura da doença é de 5 anos. Então, mesmo que não tenha mais o problema, continuo me consultando de seis em seis meses, usando sempre protetor solar ao sair na rua”, contou Honorato.

    Ele e Arlete se consultavam sempre com a médica e, este ano, ao notar que tinha uma mancha na perna, Arlete mostrou para Lívia, que passou o mesmo procedimento médico que havia passado para Honorato. Com o resultado da biópsia, veio o resultado de mais um câncer de pele na família.

    "

    Pensava que não era nada, pois a mancha não doía, não coçava "

    Arlete Costa, aposentada

    Assim como o marido, ela fez a cirurgia e logo tirou o problema da pele. Os dois confessam que sempre andavam no sol e quase nunca passavam protetor solar, embora Arlete diga que usava mais do que Honorato.

    “Sempre tive manchas de sol no rosto, já que sempre gostei de andar no sol. Hoje nós dois passamos protetor, é regra antes de sair de casa”, comentou a idosa.

    A médica afirma que outros fatores podem desencadear a doença ao carcinoma espinocelular, além da exposição solar. São os casos de feridas crônicas, pessoas com cicatrizes na pele e usuários de drogas imunossupressoras. Para todos os casos as prevenções são:

    - O constante uso de protetores solares FPS 30 ou mais;

    - Exposição ao sol entre 10h e 16h

    - Evitar a utilização de barracas de nylon em rios e praias;

    - Observar a pele e procurar pintas ou manchas suspeitas

    - Fazer uma consulta com dermatologista 1x ao ano

    Dezembro Laranja

    A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) lançou, no início deste mês, a campanha Dezembro Laranja com o objetivo de estimular a população para a prevenção e o diagnóstico do câncer de pele, o mais comum no Brasil. Em 2018, o tema da campanha é “Se exponha, mas não se queime”.

    Segundo a SBD, de dezembro deste ano a março de 2019, durante todo o verão, serão promovidas ações e atividades de informação na internet, ruas, praias e parques.

    Edição: Bruna Souza

    Leia mais:

    Colesterol etriglicerídeos podem se tornar vilões da saúde de idosos

    Queimadas podem causar problemas cardíacos e doenças neurológicas

    Especialista chama atenção para os sinais do câncer de pênis

    Comentários