Fonte: OpenWeather

    Sepultamentos


    Manaus empilha corpos em valas nos cemitérios

    Os corpos já estavam sendo enterrados em valas desde a semana passada, porém, o número de mortes continuou a aumentar, e a prefeitura decidiu abrir covas mais fundas para permitir o sepultamento em camadas

    Os corpos já estavam sendo enterrados em valas desde a semana passada, no Cemitério Nossa Senhora Aparecida, bairro Tarumã, Zona Oeste da cidade, porém, o número de mortes continuou a aumentar
    Os corpos já estavam sendo enterrados em valas desde a semana passada, no Cemitério Nossa Senhora Aparecida, bairro Tarumã, Zona Oeste da cidade, porém, o número de mortes continuou a aumentar | Foto: Chico Batata

    MANAUS -  Diante do colapso no sistema de saúde e de uma explosão no número de enterros, corpos começam a ser empilhados em caixões, em uma vala comum, para poder dar conta de todos os sepultamentos das vítimas do novo coronavírus, em Manaus.

    Os corpos já estavam sendo enterrados em valas desde a semana passada, no Cemitério Nossa Senhora Aparecida, bairro Tarumã, Zona Oeste da cidade, porém, o número de mortes continuou a aumentar, e a prefeitura decidiu abrir uma cova mais funda para permitir o sepultamento em camadas, ou seja, o empilhamento dos caixões.

    Enterros no cemitério Nossa Senhora Aparecida, em Manaus
    Enterros no cemitério Nossa Senhora Aparecida, em Manaus | Foto: Lucas Silva

    Antes da pandemia, o cemitério realizava cerca de 30 enterros por dia. Na última semana, esse número triplicou. No último (26), chegou ao pico, com 142 sepultamentos.

    Leia também:  Manaus tem o maior número de sepultamentos desde o início da pandemia

                                Crematório ficará disponível para suprir demanda de mortes em Manaus

                                Em Manaus, enterro em vala coletiva mostra a face cruel da covid-19

     A prefeitura projeta que mais de 4 mil pessoas devem ser enterradas no mês de maio no cemitério de Manaus. Vídeos que circulam nas redes sociais mostram familiares criticando e questionando a necessidade de empilhamento dos caixões. “O espaço que tem para enterrar é esse. Acabou esse espaço, não vai ter para enterrar mais ninguém”, diz um policial militar a familiares das vítimas da Covid-19 em uma gravação.

    Em outro vídeo, uma pessoa mostra uma cova funda e diz: “Essa aqui é a vala que eles vão enterrar três, um em cima do outro”.

    A Prefeitura de Manaus informou, por meio de nota, que, por conta da alta demanda de sepultamentos, "reorganizou o layout das covas". Para tentar reduzir o número de sepultamentos, a Prefeitura também estará arcando com os custos da cremação dos corpos, para famílias que concordarem.

    Com todos os leitos públicos de UTI ocupados, o Amazonas já contabilizou 3.928 casos confirmados do novo coronavírus e 320 mortes em decorrência da Covid-19. Manaus concentra 2.738 das infecções e 256 mortes.

    Leia mais:

    Prefeito de Manaus declara colapso funerário em Manaus

    População desobedece decreto e gera aglomeração em cemitério de Manaus

    Homem é diagnosticado com Covid-19 e tem atendimento negado em Manaus

    Veja o vídeo produzido pela TV WEB EM TEMPO:

    | Autor:
     






    Comentários