Fonte: OpenWeather

    Limpeza pública


    Comunidades ribeirinhas recebem serviço de limpeza pública

    No primeiro semestre deste ano, foram coletadas 227 toneladas de material dispensado.

    As equipes realizam o trabalho toda semana, recolhendo 7,5 toneladas de lixo, aproximadamente, por ação
    As equipes realizam o trabalho toda semana, recolhendo 7,5 toneladas de lixo, aproximadamente, por ação | Foto: Altemar Alcântara / Semcom

    Manaus - A limpeza pública das comunidades ribeirinhas da capital amazonense contam com uma balsa coletora de lixo que fica atracada no porto São Raimundo, zona Oeste, e todas as quintas-feiras recolhe os resíduos sólidos nos pontos de coleta. A ação da Prefeitura de Manaus é coordenada pela Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp) e no primeiro semestre deste ano, foram coletadas 227 toneladas de material dispensado.

    O subsecretário operacional de Limpeza Urbana, José Rebouças, afirma que as equipes realizam o trabalho toda semana, recolhendo 7,5 toneladas de lixo, aproximadamente, por ação. “É de extrema importância essa coleta que fazemos de forma semanal, para manter esses ambientes limpos, pré-requisito determinado pelo prefeito Arthur Virgílio Neto. Além das coletas, nos esforçamos para que as comunidades façam o descarte correto do lixo e contribuam com nosso trabalho, que é dever de todos”, ressaltou, destacando que muitas dessas comunidades têm o acesso de turistas.

    Limpeza como dever de todos

    Para a comerciante Maria Helena Araújo, 62, mesmo com o esforço da Semulsp e dos agentes públicos, a população precisa fazer sua parte. “Aqui na praia da Lua a movimentação é grande, normalmente as pessoas acampam aqui. Muitos banhistas separam os lixos e descartam de forma correta, mas ainda existem aqueles que não se preocupam com a limpeza da praia”, comentou a autônoma.

    Pontos de coleta

     Ao todo são 13 pontos de coleta entre praias e comunidades, incluindo as comunidades Jatuarana (Puraquequara), Bela Vista do Jaraqui, situada no Lago do Jaraqui (55 km de Manaus), Colônia Central (região do Tupé), São João do Tupé (RDS do Tupé, a 25 km de Manaus), Agrovila (à margem direita do Tarumã-Mirim), São Sebastião (Tarumã-Mirim); Julião e Ebenezer (RSD Tupé), Livramento (Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Tupé), Nova Esperança (APA Tarumã-Ponta Negra), às margens do igarapé do Tiu), Agrícola da Paz (ramal do Pau-Rosa, na BR-174, Nossa Senhora de Fátima (Tarumã Mirim) e Vila Nova (próximo ao Ceasa), contando com as praias da Lua e do Tupé. 

    Além dessas, a prefeitura também atende uma vez ao mês a comunidade do Jaraqui, que fica a mais de quatro horas de balsa da área urbana.

    Garis Comunitários

    Importante na coleta de lixo nessas áreas, o projeto Garis Comunitários teve início em 2005 com apenas dois garis, um na comunidade Nossa Senhora de Fátima e outro na comunidade do Livramento. Em 2013, no início da gestão do prefeito Arthur, o projeto ganhou força e em 2016 todas as comunidades sob gestão municipal já contavam com um gari. Atualmente, o projeto conta com 12 garis comunitários e a cada trimestre mutirões de limpezas são feitos nas comunidades.

    Para o gari comunitário Ronildo da Silva Farias, 39 anos, que trabalha há quatro anos na função, atendendo a comunidade Nossa Senhora de Fátima e Comunidade do Abelha, é gratificante fazer parte de uma equipe que protege a vida, a fauna e a flora da região amazônica.

    “Eu me sinto uma parte muito importante da equipe que ajuda a preservar o meio ambiente. Aqui, na minha comunidade e em todas as outras que eu passo, tento conscientizar a todos sobre a importância da preservação da Amazônia e do nosso planeta. Sem esse nosso trabalho com certeza não teríamos comunidade limpas como temos hoje”, comentou.


    Leia mais

    Moradores modificam lixeira viciada em local de lazer na Cidade Nova

    Agendamento para castração de cães e gatos inicia dia 24 de agosto

    Comentários