Fonte: OpenWeather

    Infraestrutura


    Morador denuncia empresa que destrói ramal na AM-010

    Segundo o denunciante, caminhões-caçambas trafegam diariamente pelo ramal São Francisco, situado no km 42 da rodovia estadual AM-010, e a empresa responsável não realiza a manutenção na via

    Vídeo enviado pelo denunciante ao Em Tempo | Autor: Divulgação

    Manaus - Um morador da comunidade São Sebastião, localizada no ramal São Francisco, no km 42 da rodovia AM-010, que liga Manaus a Itacoatiara (município distante 271 km da capital), denunciou ao Em Tempo, esta semana, irregularidades da empresa Terra e Mar Mineração Ltda na utilização da principal via de acesso à região. 

    Segundo ele, a empresa opera com maquinários pesados (caminhões-caçambas) para transportar areia. Em setembro de 2016, o Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) embargou e autuou a empresa por estar com os limites de exploração além do autorizado

    De acordo com o morador, um autônomo de 31 anos que não terá a identidade revelada para não sofrer represália, a empresa extrai o recurso mineral de um areal e utiliza veículos pesados para o transporte da mercadoria. Isso, de acordo com o denunciante, prejudica a qualidade do solo da via, que não é pavimentada e não vem recebendo manutenção por parte da empresa. 

    Leia também: Manifestação 'fecha' BR-174 em apelo por melhorias de trabalho em Presidente Figueiredo

    “O ramal fica cheio de buracos e em dias de chuva é lama por todos os lados. Inclusive, qualquer veículo de passeio fica atolado. Ultimamente tem crianças que estão deixando de ir à escola, porque a condução escolar [ônibus] não tem como chegar até a comunidade de São Sebastião”, relata o denunciante.

    Os ônibus utilizados no transporte de crianças até a escola não conseguem acessar à comunidade São Sebastião, relata o denunciante
    Os ônibus utilizados no transporte de crianças até a escola não conseguem acessar à comunidade São Sebastião, relata o denunciante | Foto: Divulgação

    No dia 25 de janeiro deste ano, cerca de 20 pessoas interditaram a via em protesto contra as ações da empresa. Na época, conforme relatos deles, a situação ocorria há quatro anos, porém nos últimos dez meses, sob nova gestão da empresa, o estado de conservação da via só tem piorado.

    “O que sei é que o local [areal de onde é extraída a areia] era de um outro dono e foi vendido a menos de um ano. O anterior dono até dava manutenção no ramal ao menos uma vez por semana. Porém, o novo dono não dá o mínimo de importância para esse problema, que afetada todos os moradores da comunidade”, afirma o homem.

    Ainda de acordo como morador, em conversa com os comunitários, os representantes da empresa prometem manutenção no ramal e não cumprem.

    “Temos um documento, que é um termo assassinados por ambas as partes, onde eles garantem a manutenção do ramal, mas é como se as assinaturas no papel não fizessem efeito algum. Eles agem de má-fé e quando vamos reivindicar o acordo e ameaçamos expor o caso na mídia, eles se fazem de coitados e querem contornar a situação com novas promessas”, desabafa o morador.

    Em setembro de 2016 a empresa Terra e Mar Mineração Ltda, denunciada pele morador, foi multada pelo Ipaam por estar com os limites de exploração além do autorizado
    Em setembro de 2016 a empresa Terra e Mar Mineração Ltda, denunciada pele morador, foi multada pelo Ipaam por estar com os limites de exploração além do autorizado | Foto: Divulgação

    Leia também: Prefeitura aumenta mutirões de infraestrutura nas zonas Norte e Leste

    “O dono do areal vive dizendo que nós [moradores] temos que cobrar a recuperação da via com o Governo do Estado e a Prefeitura de Manaus. O poder municipal diz que a empresa tem que parar de operar com os serviços em veículos pesados para, então, ter início a recuperação da via”, narra o denunciante.

    Ao Em Tempo, a assessoria da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) informou que realizou recentemente “manutenção de terraplanagem no ramal” e destaca que “no momento as equipes executam serviços em outros ramais”. 

    Alvo de fiscalizações

    Em junho de 2016 a atividade de lavra foi paralisada pelo Ipaam, por meio de notificação. À época, foi constado que o local estava com os limites de exploração além do autorizado. Em agosto do mesmo ano, o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) procedeu a baixa do título.

    Segundo o morador, o problema se estende há anos, porém se agravou nos últimos meses
    Segundo o morador, o problema se estende há anos, porém se agravou nos últimos meses | Foto: Divulgação

    Um mês depois, em setembro, a atividade considerada ilegal continuou a ser realizada. Então, o Ipaam embargou o trabalho na área, multou o proprietário da empresa e apreendeu as máquinas pesadas. 

    Leia também: Programa Agora da TV Em Tempo recebe denúncias de consumidor em Manaus

    A empresa Terra e Mar Mineração Ltda vende a carrada de areia em torno de R$ 160 para os atravessadores, conhecidos como caçambeiros, que, segundo os moradores da comunidade São Sebastião, estão colocando o ramal São Francisco em péssimas condições de tráfego de veículos de passeio. 

    A reportagem tentou contato por telefone, por meio dos números: (92) 3656-69** e (92) 9139-35** que constam em sites como sendo da empresa Terra e Mar Mineração Ltda, porém até a publicação desta matéria não obteve retorno. 

    Edição: Isac Sharlon

    Leia mais:

    Ruas esburacadas viram motivo de piada em Beruri, no Amazonas

    Moradores de Manaquiri reclamam das péssimas condições das ruas

    Em Tempo cria lista de transmissão de notícias pelo WhatsApp



    Comentários