Fonte: OpenWeather

    Prevenção


    Prefeitura reforça importância da vacinação contra o sarampo no AM

    O alerta foi feito durante apresentação do novo Informe Epidemiológico de Monitoramento dos Casos Suspeitos de Sarampo em Manaus

    Manaus - Após um ano do início do surto de sarampo em Manaus, em fevereiro de 2018, e com o registro total de 7.171 casos confirmados desde lá, aumentar a cobertura vacinal da população ainda é o principal desafio nos serviços de saúde, especialmente entre crianças de até cinco anos de idade.

    O alerta foi feito durante apresentação do novo Informe Epidemiológico de Monitoramento dos Casos Suspeitos de Sarampo em Manaus, realizada pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) na manhã desta quarta-feira, 20/02, com a presença de gestores e trabalhadores da Vigilância Epidemiológica e da Atenção Básica da rede municipal.

    Durante a apresentação, a diretora do Departamento de Vigilância Ambiental e Epidemiológica (Devae/Semsa), Marinélia Ferreira, destacou que, nesse período de um ano do surto, foram registrados 1.237 casos confirmados em crianças menores de um ano (17,3%) e 849 em crianças de um a cinco anos (11,8%).

    “Os últimos casos notificados e confirmados de sarampo mostram que são as crianças de até cinco anos que foram as mais atingidas no cenário mais recente do surto. Além disso, a atual cobertura vacinal no município ainda não é a ideal para garantir a proteção total da população, principalmente na vacinação de doses de rotina”, alertou a diretora, lembrando que o Ministério da Saúde recomenda, em situação de surto, a vacina contra o sarampo a partir de seis meses de idade, e seguindo para o início do esquema de rotina a partir dos 12 meses.

    Outra preocupação nos serviços de saúde, informou Marinélia Ferreira, é com as pessoas que receberam a primeira dose da vacina, mas que ainda precisam completar o esquema vacinal para garantir a proteção efetiva contra o sarampo.

    De acordo com os dados do novo Informe Epidemiológico, de 34.176 crianças na faixa etária de um ano que receberam a primeira dose de vacina, 3.945 ainda não retornaram para receber a segunda dose. Já na faixa etária de cinco a 24 anos, das 177.219 pessoas que foram vacinadas com a primeira dose, 86.017 ainda não retornaram para receber a segunda dose, ou seja, não completaram o esquema vacinal e ainda estão suscetíveis ao sarampo.

    “Essa situação sugere que, mesmo com diminuição do número de casos de sarampo nos últimos meses, existe uma grande possibilidade de que haja um novo aumento das notificações da doença, impedindo a interrupção do surto em Manaus. E como a cobertura vacinal está abaixo da meta em Manaus e no Brasil como um todo, não somente do sarampo, mas em relação a outras doenças imunopreveníveis, como difteria, tétano e poliomielite, a recomendação é para que profissionais de saúde e a população reforcem ainda mais a atenção para as ações de prevenção”, afirmou Marinélia Ferreira.

    Plano

    Considerando todo esse cenário em Manaus e também a existência de surto ativo de sarampo nos estados do Pará e Roraima, a Prefeitura de Manaus está mobilizando profissionais da rede municipal para a execução das ações do Plano de Interrupção dos Surtos de Sarampo no Brasil, que englobam as áreas de Vigilância Epidemiológica, Atenção Básica de Saúde, Imunização, Vigilância Laboratorial, Gestão e Comunicação.

    O secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi, ressalta que, com 10 casos suspeitos de sarampo ainda em investigação, o plano representa mais uma etapa de trabalho no esforço para interromper o surto em Manaus, continuando a reforçar as ações que já estão sendo executadas pela Prefeitura de Manaus desde fevereiro do ano passado.

    “Nessa etapa do surto, o planejamento é direcionado para o aumento da cobertura vacinal e para a busca ativa de pessoas que ainda precisam completar o esquema de vacinação. Mas também será uma ação direcionada para sensibilizar a população sobre a importância da vacinação. A vacina não existe apenas para crianças. As pessoas, em diferentes faixas etárias, precisam procurar as Unidades de Saúde para a imunização de doenças, em diferentes etapas da vida”, afirma Marcelo Magaldi.

    Segundo o secretário, a rede municipal de saúde trabalha com um calendário nacional de vacinação colocando à disposição, de forma gratuita, 17 vacinas para prevenção de 23 doenças, direcionadas desde aos recém-nascidos, até crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos.

    O plano inclui ações como ampliar o número de consultas de puericultura (consulta de crianças até 18 meses); fomentar as orientações sobre vacinação e cuidados com o recém-nascido; aumentar o monitoramento da utilização da caderneta de saúde da criança; reforçar as equipes de trabalho da sala de vacina nas Unidades de Saúde; fortalecer a articulação das ações de atenção básica e vigilância em saúde em cada território; fortalecer a busca ativa de casos suspeitos de sarampo; fomentar a notificação em até 24 horas, a investigação dos casos suspeitos em até 48 horas, o bloqueio vacinal em até 72 horas; e acompanhar os contatos diretos e indiretos dos pacientes suspeitos de sarampo por um período de até 30 dias.

    A vacina tríplice viral, que imuniza contra sarampo, caxumba e rubéola, está disponível para a população de seis meses a 49 anos, em 183 salas de vacina da rede municipal. A lista com o endereço das Salas de Vacina pode ser acessada no site da Semsa: https://semsa.manaus.am.gov.br/.

    *Com informações da assessoria

    Leia mais:

    Semsa investiga novos casos de tuberculose em indígenas venezuelanos

    Estratégias de combate ao sarampo têm continuidade em Manaus

    Em um ano, Amazonas registrou quase 10 mil casos de sarampo

    Comentários