Fonte: OpenWeather

    Saúde


    Com mais de 300 casos de H1N1 no AM, saiba onde encontrar atendimento

    Prefeitura de Manaus intensifica ações no enfrentamento ao H1N1

    Unidades Básicas estão funcionando para que a população não ficasse sem assistência | Foto: divulgação

    A Prefeitura de Manaus está intensificando as medidas de contingenciamento para o controle no avanço dos casos mais graves de Síndromes Gripais. Até o momento, na capital amazonense, já  foram registrados 371 casos notificados de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), dos quais 28 evoluíram para óbito. Do total de mortes, 17 foram ocasionadas pelo vírus H1N1, três por Vírus Sincicial Respiratório (VSR) e outros seguem em investigação, aguardando confirmação laboratorial.

    Dos óbitos registrados, 26 (o equivalente a 92,8%), apresentavam fator de risco e/ou comorbidades, como diabetes melitus, cardiopatia e câncer. As faixas etárias mais acometidas estão entre os 20 e 49 anos, com 13 mortes, o que corresponde a 46,4%, e a partir dos 40 anos, com 7 mortes, 25% do total. Os demais casos estão distribuídos em outras faixas etárias.

    Os números são da Sala Municipal de Situação de Vigilância em Saúde, instalada em março de 2018, pela prefeitura, para monitorar os casos de sarampo em Manaus, e que passou, no final do mês de fevereiro deste ano, a englobar o acompanhamento dos casos confirmados e suspeitos de Influenza A (H1N1).

    “Nossos profissionais (de saúde) estão capacitados a fazer os atendimentos dos casos suspeitos e dar o encaminhamento necessário, para orientações e/ou tratamento com o antiviral. Seguindo orientação do prefeito Arthur Virgílio Neto, durante o Carnaval tivemos Unidades Básicas funcionando para que a população não ficasse sem assistência, principalmente com relaçao às síndromes gripais. E nossa Sala de Vigilância fez o monitoramento da situação”, destaca o secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi. Até este sábado, 9/3, foram realizados 2.960 atendimentos e dispensadas 7.309 cápsulas do antiviral Osetalmivir, o Tamiflu.

    O titular da Semsa também fez um apelo às pessoas com sintomas de síndrome gripal que possuam comorbidade ou fator de risco. “É importante que essas pessoas façam uma avaliação médica o quanto antes e iniciem imediatamente o uso do antiviral”, sugeriu. 

    Ações    

    Aos primeiros registros de casos de Síndromes Gripais na cidade, a Prefeitura de Manaus adotou medidas para o controle da Influenza A (H1N1). A primeira delas foi a solicitação, feita pelo prefeito Arthur Neto ao Ministério da Saúde, por meio da bancada federal, de antecipação da campanha de vacinação contra a Influenza, ainda para o mês de março.

    A implantação de 23 unidades básicas de saúde de referência para o atendimento e dispensação do antiviral em todas as zonas de Manaus, foi outra ação imediata. A cobertura inclui a área terrestre e fluvial da cidade, distribuídas geograficamente da seguinte forma, sendo cinco na zona Leste; quatro na zona Norte; três na zona Sul; duas na zona Oeste; nas duas unidades móveis fluviais e sete na zona rural terrestre. Todas foram abastecidas com o antiviral.

    Além disso, foi elaborado o Guia de Manejo da Síndrome Gripal na Atenção Primária à Saúde; emitido comunicado à rede de saúde, que foi encaminhado atodos os Distritos de Saúde, reforçando as recomendações para o atendimento de casos de Síndrome Gripal nos serviços da rede municipal, alertando sobre os fatores de risco e o atual cenário epidemiológico da cidade de Manaus.

    Também foi providenciado reforço no atendimento nas unidades de saúde, em especial nas 10 unidades de horário ampliado, com a finalidade de garantir que as ações de monitoramento, diagnóstico e tratamento sejam realizadas em momento oportuno, evitando o agravamento da doença e reduzindo as chances de transmissão entre a população.

    Os profissionais de saúde da Maternidade Dr. Moura Tapajóz receberam atualizações para o manejo clínico das gestantes suspeitas de SRAG, e a equipe de vigilância epidemiológica está realizando a investigação, acompanhamento e adoção de medidas de controle de todos os casos notificados.

    Simultaneamente começou a ser feito o levantamento da situação vacinal das crianças menores de cinco anos e atualização das cadernetas de todas as vacinas e a Semsa elaborou um Plano de Ação para Execução da Campanha Municipal de Vacinação Contra a Influenza 2019, programada para iniciar na segunda quinzena de março.

    Sobre a influenza - sinais e sintomas

    Considerada uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório, caracterizada por febre alta de início súbito, acompanhado por intensas dores musculares e articulares, dor de cabeça, dor de garganta e coriza.

    A gripe é transmitida pessoa a pessoa, ao falar, tossir, espirrar, principalmente, e pelas mãos que transmitem o vírus por contato direto ou contaminando superfície e objetos.

    Fatores de Risco

    A população indígena, gestantes, puérperas, crianças menores de dois anos e idosos são considerados público de maior risco, assim como pessoas que apresentam condições como pneumopatias (incluindo asma), cardiovasculopatias, doenças hematológicas, distúrbios metabólicos, transtornos neurológicos e do desenvolvimento que possam comprometer a função respiratória, imunossupressão, obesidade, nefropatias e hematopatias.

    Medidas de Controle

    Recomenda-se a lavagem frequente das mãos, o uso de álcool gel, evitar aglomerados e evitar a exposição de menores de cinco anos ao clima chuvoso, manter ambientes bem ventilados e procurar o serviço de saúde mais próximo da sua residência em caso de agravamento dos sinais e sintomas.

    Vacinação contra a Influenza 

    O Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza a vacina contra a Influenza A (H1N1) em campanha realizada anualmente em todo o Brasil. O grupo prioritário para a vacinação são pessoas a partir de 60 anos, crianças de seis meses a menores de seis anos, trabalhadores de saúde, professores das redes pública e privada, povos indígenas, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), pessoas privadas de liberdade – o que inclui adolescentes e jovens de 12 a 21 anos em medidas socioeducativas – além dos funcionários do sistema prisional. Os portadores de doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes, hipertensão e câncer, ou outras condições clínicas especiais, também fazem parte do grupo prioritário na vacinação contra a gripe durante a campanha.

    UNIDADES DE REFERÊNCIA PARA O ATENDIMENTO DAS SÍNDROMES GRIPAIS DA SEMSA: 

    LESTE:

    UBS LEONOR BRILHANTE - AV. AUTAZ MIRIM, 8004, BAIRRO TANCREDO NEVES

    UBS AMAZONAS PALHANO - RUA ANTONIO MATIAS, BAIRRO SÃO JOSÉ

    UBS ALFREDO CAMPOS - AV. COSME FERREIRA, ZUMBI

    UBS GEBES MEDEIROS - AV. PIRARUCU, 100, JORGE TEIXEIRA

    UBS IVONE LIMA - R. LUIS CORRENTE - 449-631, COROADO


    NORTE:

    UBS AUGIAS GADELHA - RUA A, Nº 17, CIDADE NOVA

    UBS SÁLVIO BELOTA - RUA JOÃO MONTE FUSCO, SANTA ETELVINA

    UBS JOSÉ FIGLIOULO – RUA RIO ARINOS, S/N - CONJ RESIDENCIAL VIVER MELHOR, LAGO AZUL

    UBS BALBINA MESTRINHO - RUA MAJ. SILVERIO J. NERY (RUA 170), NÚCLEO III , CIDADE NOVA


    OESTE

    UBS LEONOR DE FREITAS - AV. BRASIL, COMPENSA

    UBS DEODATO M. LEÃO - AV. PRES. DUTRA, GLÓRIA

    SUL

    UBS DR. JOSÉ RAYOL - AV. CONSTANTINO NERY, CHAPADA

    UBS MORRO DA LIBERDADE -  RUA DONA MIMI (RUA SÃO BENEDITO), S/N, MORRO DA LIBERDADE

    UBS NILTON LINS - COMPLEXO NILTON LINS - PARQUE DAS LARANJEIRAS

    RURAL

    UBS FLUVIAL DR. ANTÔNIO LEVINO

    UBS FLUVIAL DR. NEY LACERDA

    UBS ADA VIANA RODRIGUES - COM. NOVA CANAA (BR 174 R-10)

    UBS PAU ROSA (R-41 R-42) RAMAL DO PAU-ROSA, ENTRADA DO KM 21, ASSENTAMENTO TARUMA-MIRIM – BR 174;

    UBS SÃO PEDRO - COMUNIDADE BOM JESUS - AM 010 KM 25 E ADJACÊNCIAS;

    UBS EPHIGENIO SALES (R-34) RAMAL ÁGUA BRANCA II, KM 45, RODOVIA AM-010;

    UBS NOSSA SENHORA AUXILIADORA - COMUNIDADE N. S. AUXILIADORA - TARUMÃ MIRIM;

    UBS NOSSA SENHORA DE FÁTIMA - COMUNIDADE N. S. DE FÁTIMA - TARUMÃ MIRIM;

    UBS NOSSA SENHORA LIVRAMENTO - COMUNIDADE N. S. DO LIVRAMENTO - TARUMÃ MIRIM.

    *Com informações da assessoria

    Leia mais

    Amazonas tem 72 casos confirmados de H1N1 e 21 mortes

    Secretário municipal de saúde do AM tira dúvidas sobre vírus H1N1

    17 mortes e 69 casos de gripe H1N1 são confirmados no AM, aponta FVS

    Comentários