Fonte: OpenWeather

    Combate à gordofobia e preconceito


    Sou gordinha sim, mas estou muito bem, obrigada!

    Conheça histórias de mulheres que driblam o preconceito e, apesar de estarem acima do peso, estão com a autoestima lá em cima.

    Manaus - A ditadura da magreza e o ideal de ter um corpo perfeito é realidade para muitas mulheres que lutam contra a balança. A cobrança interna é maior quando se vê modelos das passarelas, com corpos magros, altos e esbeltos, impondo uma beleza, que na maioria das vezes, é  quase inatingível.

    Na briga contra o peso, são horas de academia e de restrição alimentar, com dietas da moda e treinos puxados, tudo para se encaixar no padrão imposto pela cultura.

    Embora muitas mulheres busquem estar em harmonia com os padrões sociais que exigem magreza como sinônimo de beleza, há um grupo de mulheres em que busca por outros valores.

    A reportagem do Portal EM TEMPO conheceu mulheres em que, apesar do peso e do padrão "plus sise", a autoestima está lá em cima. Conheça histórias de mulheres que driblaram o preconceito e vão na contra-mão do que prega a sociedade sobre a beleza:

    Mulheres que são exemplos de superação e ajudam outras mulheres
    Mulheres que são exemplos de superação e ajudam outras mulheres | Foto: Divulgação

    História de superação - Geizyara Brandão, 26

    “Sempre fui uma criança gordinha. Questão de genética mesmo, pois minha família tem várias pessoas acima do peso. E com a questão dos padrões impostos pela sociedade, de que apenas a magreza é algo bonito, a gente acaba vendo isso refletido no espelho e na percepção que nós temos do nosso corpo.

    Prova disso é que no ensino médio eu passava horas sem comer, passava mal, mas queria entrar em um vestido para minha formatura. Então tinha aquela ideia de que eu tinha que caber no vestido e não o contrário. Sempre lutei contra a balança, até mesmo por ter histórico na família. Minha mãe fez cirurgia bariátrica.

    Uma vez, uma nutricionista com quem me consultei disse: "Se você continuar comendo e engordando desse jeito, vai morrer aos 25 anos". Aquilo me assustou de tal forma e também influenciou para que eu buscasse entrar no vestido de formatura.

    Depois que entrei na faculdade comecei a ser menos rígida comigo mesma. Mas sempre ouvia aqueles comentários "nossa, seu rosto é tão bonito, porque não emagrece?", "Tem que ter força de vontade para emagrecer, já tentou?", "Vi uma dieta aqui que você poderia fazer", "Ah, estou só preocupado com sua saúde", dentre outras coisas que só quem é gordo escuta.

    Hoje não me importo com a opinião de quem não me conhece, porque muitas das vezes somos machucadas com as palavras.

    Miss Plus Size

    Eu queria provar que não era apenas meu rosto bonito, mas que eu era bonita por inteira. Foi assim que entrei em um concurso para ser modelo de uma loja. E entrei no mundo Plus Size.

    Muitas gordinhas preferiram abandonar o estigma da balança e são felizes como são
    Muitas gordinhas preferiram abandonar o estigma da balança e são felizes como são | Foto: Divulgação

    Em 2017 entrei também no concurso Miss Amazonas Plus Size, representei a Miss Praia da Lua Plus Size, além de fazer trabalhos para algumas lojas. Isso me abriu os olhos.

    Ter contato com outras mulheres que sofriam o mesmo preconceito que eu sofri, fez com que eu me unisse com elas para que nos déssemos força, praticar ainda mais a aceitação do nosso corpo, como ele é.

    Hoje já não tenho mais aquelas neuras de que tenho que vestir 38 para ser bonita. Que basta apenas eu me aceitar como sou, além de não ligar para opinião alheia. Afinal, quem sabe da minha saúde sou eu e meu médico.

    Não é questão de apologia à obesidade como dizem, mas de não julgar o outro pela aparência. Tento cuidar ao máximo da minha alimentação. Tenho consciência de quando exagero, paro e faço mudanças alimentares, por exemplo. Mas não sou de ficar presa a dietas. Não mais.”

    Saúde

    Estar acima do peso não quer dizer que a pessoa esteja doente, Geizyara já saiu dessa ideia após sofrer com o preconceito.

    “Esse ano ainda não fiz o check-up. Mas ano passado, por exemplo, estava tudo nos conformes, sem alterações. Às vezes até os médicos esquecem de olhar para os exames ao invés da nossa aparência e já querem nos mandar emagrecer. 

    Se eu posso você também pode. Digo pra todas as mulheres que assim como eu sofreram e sofrem com isso. 

    Devemos nos amar do jeito que somos, sentir-se bem consigo mesma.

    "Apenas se ame"

    PluSize

    Preconceito/ Gordofobia

    Atitudes  preconceituosas  contra mulheres gordinhas geralmente estão nas falas e atitudes como: “Não tem o teu número aqui”, “Cuidado pra não entalar quando passar por ali”, “Estremeceu, quando ela chegou”, “Homens que se casam com gordinhas tem que trabalhar dobrado”.

    Estar acima do peso não está relacionado com saúde
    Estar acima do peso não está relacionado com saúde | Foto: Divulgação

    A gordofobia é a intolerância contra pessoas gordas. O debate em relação a esse tipo de comportamento tem crescido, pois nem sempre a obesidade está relacionada ao excesso de comida, mas a determinadas doenças e fatores psicológicos.

    Ademild Silveira (54) já ouviu diversos absurdos por estar acima do peso.

    "Hoje em dia não ando mais de ônibus, mas quando precisava tomar o coletivo, era um problema entrar por trás ou pela frente, onde estava a catraca. Outra coisa acontece é as pessoas acharem você é mais velha do realmente é. Outro dia, a recepcionista de um hospital não queria que eu ficasse com a minha prima de acompanhante porque achou que eu tinha mais de 60 anos, quando na verdade, só tenho 54. Quando eu entro em uma loja de departamento para comprar um presente, os vendedores já me olham com aquela cara de que ‘Aqui não tem teu número’

    Eu me aceito, hoje não ligo mais, apenas falo que não é pra mim e vou na outra loja, não tenho tempo pra discutir. Se não conseguem me respeitar como cliente, não merecem que eu compre nesse lugar, isso não me deprime."

    Muitas atrizes no Brasil e no mundo, com postagens em redes sociais tentam se posicionar sobre o assunto e questionam os valores impostos por esses padrões. Um exemplo é a atriz Mariana Xavier (hoje, a Jhennifer da música chiclete do canto Gabriel Diniz) quem foi alvo de vários comentários preconceituosos ao postar foto sem maquiagem e de lingerie. Ela  não deixou por baixo e fez questão de mostrar sua satisfação com a saúde e o corpo.

    Mariana é uma das atrizes que combatem o preconceito e a gordofobia em suas redes sociais
    Mariana é uma das atrizes que combatem o preconceito e a gordofobia em suas redes sociais | Foto: Divulgação

    Pesquisas da University of Cambridge (EUA) apontam que o sedentarismo mata duas vezes mais que a pessoa com obesidade, com isso para quem está acima do peso é importante manter o corpo em movimento e deixar o sedentarismo de lado.

    Karina Lasmar (23) trabalha na produção de eventos para o seguimento Plus Size e entendeu a importância de manter-se em movimento e usa esse princípio na preparação para o concurso Miss Plus Size.

    “Não temos nenhuma dieta rigorosa, mas precisamos sempre fazer exercícios, pois é fundamental. Não é fácil ficar horas no salto alto, então é importante não ser sedentária. O cuidado com a saúde precisa ser considerado, é importante ter a consciência da capacidade física e ter um corpo disposto para fazer as atividades do dia-a-dia."

    Em 2014 , eu não escutava muito falar sobre a moda Plus Size , então ser pioneira desse concurso foi muito importante
    Em 2014 , eu não escutava muito falar sobre a moda Plus Size , então ser pioneira desse concurso foi muito importante | Foto: Divulgação

    Moda

    O seguimento da moda Plus Size. termo utilizado para definir tamanhos maiores que os delimitados pelas lojas vem crescendo consideravelmente. Na verdade, não é apenas um modo de ser e sim um espaço de debate sobre o assunto na sociedade. Concursos voltados para esse público acontecem em todo o Brasil e vem ganhando mais adeptos e admiradores da causa contra o preconceito.

    A moda Plus Size cresce e ajuda no combate do preconceito
    A moda Plus Size cresce e ajuda no combate do preconceito | Foto: Divulgação

    O Amazonas também investe nesse seguimento voltado para a moda Plus Size. Desde 2014, acontece o Miss Amazonas Plus Size.

    O organizador do evento, Fernando Salignac (53), diz que o evento é sucesso desde a primeira edição.

    “Na verdade, já é o quinto ano que organizo o Miss Amazonas Plus Size e o segundo ano de Miss Brasil Plus Size. A gente acabou fazendo ano passado um evento maravilhoso. Vieram 17 estados e esse ano vai  haver novamente. Eu acho que é um mundo que realmente eu não conhecia e eu estou achando incrível. Você acaba conhecendo mulheres maravilhosas, mulheres empreendedoras, mulheres que, apesar da gente achar que a autoestima está baixa, são muitos fortes. Elas nos ensinam muitas coisas e para mim é uma coisa maravilhosa."

    Miss Brasil Plus Size já tem candidatas para o concurso em 2020
    Miss Brasil Plus Size já tem candidatas para o concurso em 2020 | Foto: Divulgação

    O comércio da moda está de olho nesse segmento:

    “Esse ano nós estamos com quase 23 candidatas no Miss Amazonas Plus Size. A final vai ser em Julho e eu acho que é um momento de crescimento também das lojas e das empresas contratarem essas mulheres para fazer trabalho para elas. É um mercado que cresce muito e a gente vê principalmente os empresários de moda pensando também nelas em termos de moda, justamente pela numeração. Elas já não têm mais tanta dificuldade quando tinham antigamente de encontrar looks pra se vestir.”

    Sobre a procura pelo concurso, Salignac diz que cada vez mais há procura pelo evento. 

    “Depois de quatro anos fazendo concursos, é impressionante. Já temos candidatas pra 2020, já estão inscritas esperando lançar o concurso pra 2020.”

    Alessandra Caldas, se preparou em todos os sentidos para a edição do Miss Plus Size 2018 e foi campeã. Hoje ajuda várias mulheres palavras de incentivo para irem atrás dos seus sonhos e conquistarem seus espaços independente do peso. As mulheres podem tudo se  quiserem. 

    "Desde crianças fui apaixonada pelo mundo da moda. Atualmente sou Miss Amazonas Plus Size 2018 e 2 lugar no Miss Plus Eco Brasil (concurso nacional). Me sinto imensamente honrada de poder representar a mulher Plus size no estado e levantar a bandeira da aceitação. Gostaria de dizer a todas as mulheres que somos capazes de realizar qualquer coisa, basta querer. Sou exemplo vivo de que sonhos podem se tornar realidade!"

    "Me inscrevi e me dediquei muito pra que alcançasse meu objetivo", diz Alessandra Caldas
    "Me inscrevi e me dediquei muito pra que alcançasse meu objetivo", diz Alessandra Caldas | Foto: acervo pessoal

    Causas importantes

    Deixam claro que não fazem apologia à obesidade, mas à aceitação do seu corpo, suas medidas e ao dizem não julgamento dos outros pela aparência.

    A gordofobia mata e não só fisicamente, mas a autoestima e os sonhos de muitas mulheres.

    Leia Mais:

    Bailarina Plus Size de Anitta posa nua para debater preconceito de belo

    Cirurgias para obesidade no Brasil

    Dançarina responde comentário gordofóbico


    Comentários