Fonte: OpenWeather

    Bandidos na TV


    ‘Homem do Sapato Azul’ quer processar Netflix por ‘Bandidos na Tv’

    O profissional não concordou com a abordagem da série e diz que sua imagem foi vinculada aos crimes cometidos

     

    Wanderlei Modesto procurou o EM TEMPO para dar seu posicionamento mediante a veiculação de sua imagem na série da Netflix
    Wanderlei Modesto procurou o EM TEMPO para dar seu posicionamento mediante a veiculação de sua imagem na série da Netflix | Foto: Leonardo Mota

    Manaus - "Eu não sou bandido”. Essa é a declaração do repórter policial Wanderley Modesto, conhecido como “O Homem do Sapato Azul”, que trabalhou com o ex-deputado Wallace Souza, no programa Canal Livre, e teve a imagem divulgada na série-documentário "Bandidos Na TV", lançada na sexta-feira (31) na plataforma de Streaming Netflix.

    O profissional informou ao Portal Em Tempo que não concorda com a abordagem do projeto e diz que vai buscar seus direitos na Justiça, após ter sua imagem vinculada com a de Wallace,  que chegou a ser acusado de ordenar assassinatos para exibir no programa policial. A produção da série entrevistou pessoas ligadas ao programa, como amigos, parentes e fontes policiais.

    "Me convidaram por ligação para dar depoimentos, mas não aceitei. Hoje recebi muitas ligações de pessoas dizendo que eu estava famoso e aparecia na série da Netflix. Não pediram permissão para o uso da minha imagem. Eu tenho minha família e uma conduta exemplar. Nunca fui preso, nunca briguei, não quero fama, apenas trabalhei para ter meu salário. Estou conversando com advogados, que estão me orientando", disse Modesto.

    Ele adiantou que também entrou em contato com representantes da Ordem dos Advogados do Brasil do Amazonas (OAB-AM). 

    Wallace Souza foi apresentador do Canal Livre, programa de TV transmitido por 10 anos em Manaus
    Wallace Souza foi apresentador do Canal Livre, programa de TV transmitido por 10 anos em Manaus | Foto: Divulgação

    Wanderley aparece em vários episódios do documentário que exibe trechos de reportagens feitas por ele, na época contratado pelo Canal Livre. "Minha imagem era usada no programa, que pagava meu salário. Eu não posso permitir que essa produtora use o conteúdo em uma série que me associa como criminoso", disse.

    Indignado, o ex-repórter do Canal Livre ainda se defendeu. “Hoje a imprensa não pode mais chamar ninguém de bandido sem que seja tramitado e julgado. Eu não posso também ser taxado como bandido se eu não fui condenado por nada. Não vou compactuar com coisas que não sejam da minha responsabilidade".

    Para Modesto a série está prejudicando sua imagem. "Essa produtora foi sensacionalista e o que ela quer é denegrir a imagem de uma pessoa que não está associada aos crimes cometidos. Se Wallace foi um herói, ou bandido, não sou eu quem pode afirmar isso, pois eu apenas trabalhava com ele. Não dormia e nem convivia diretamente e intimamente com a família dele”, finalizou.

    A reportagem tentou contato com parte da equipe de produção do documentário, mas não obteve sucesso. Uma produtora assistente e pesquisadora do projeto, disse apenas que “tudo que é passado na série, tem respaldo jurídico nacional e internacional”, e disse ainda que o repórter “é livre para procurar seus direitos”.

    O documentário

    Com direção do britânico Daniel Bogado, a série tem sete episódios. O primeiro capítulo da série conta a trajetória do político na capital amazonense e ainda traz depoimentos de familiares, jornalistas, políticos e policiais do "Caso Wallace", como ficou conhecida a investigação.

    Leia mais

    'Bandidos na TV': Netflix divulga trailer sobre o 'Caso Wallace'

    'Irmãos Souza' vão recorrer à condenação: 'Julgar um inocente é fácil'

    Juíza determina que PMAM afaste policiais condenados no "Caso Wallace"

    Comentários