Fonte: OpenWeather

    Homenagens


    Personalidades lamentam morte de presidente do Jornal do Commercio

    Guilherme Aluízio da Silva, de 82 anos, morreu nesta segunda-feira (3), em São Paulo

    Aluízio ficou reconhecido como um visionário e pela defesa ferrenha da Zona Franca de Manaus | Foto: Divulgação

    Manaus - Personalidades da indústria e do jornalismo amazonense lamentaram, na tarde desta segunda-feira (3), a morte do empresário e jornalista Guilherme Aluízio da Silva, de 82 anos. Guilherme era presidente do Jornal do Commercio, o mais antigo jornal ainda em atividade na capital amazonense, e faleceu nesta manhã, no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo (SP), onde passava por tratamento médico.

    O corpo será trasladado para Manaus, onde será velado no Salão Nobre do Centro Cultural Palácio Rio Negro, no Centro, Zona Sul da capital. O enterro será no Cemitério São João Batista, no bairro Adrianópolis, Zona Centro-Sul.

    O presidente do Grupo Raman Neves de Comunicação, Otávio Raman Neves, afirmou que Guilherme Aluízio era um bom amigo e um empresário excepcional. "Tínhamos um excelente relacionamento. Ele era um empreendedor nato, um grande empresário e um ferrenho [firme] defensor da Zona Franca de Manaus. Não tínhamos tanta intimidade, mas ficam as suas qualidades que mais se destacam, como amigo, como empresário e como amazônida", salienta.

    Legado

    Para o diretor de Redação do Jornal do Commercio, Fred Novaes, de 46 anos, o presidente era um cavalheiro, uma pessoa educada e diplomática, e um hábil empresário.

    "Ele sempre foi respeitado, tanto pelos dirigentes dos demais jornais quanto pelos trabalhadores como um administrador hábil, e nunca precisou transferir o peso de sua responsabilidade aos funcionários. Ele sempre se colocou como uma voz para o setor produtivo, e tinha como principal missão ser um instrumento de desenvolvimento colaborador - incentivando a livre iniciativa, o empreendedorismo e os ambientes de negócios", ressalta o diretor de Redação.

    O Jornal do Commercio foi homeageado na Aleam em 2018. Na foto, o presidente (esq.) e o deputado Adjuto Afonso (PDT)
    O Jornal do Commercio foi homeageado na Aleam em 2018. Na foto, o presidente (esq.) e o deputado Adjuto Afonso (PDT) | Foto: Divulgação

    Novaes ainda pontua que um dos maiores legados de Guilherme Aluízio era a capacidade de ter uma grande inteligência emocional, em um momento de transformação da indústria e a substituição das pessoas por máquinas.

    "Eu nunca o vi gritar ou extravasar raiva, mesmo chateado. Era uma pessoa que sabia que não adianta dispender energia em algo que não seja positivo. Seu legado de inteligência emocional e de fazer um jornalismo ético e de credibilidade, sem apelar para o sensacionalismo e conchavos, é o que fica para todos nós que o conhecíamos", completa. 

    Indústria

    O vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam), Nelson Azevedo, afirma que Guilherme Aluízio deixou um legado para o jornalismo e para a indústria amazonense, e que deve ser exemplo para as novas gerações.

    "Ele sempre esteve conosco como um grande colaborador, no sentido de apoiar as iniciativas do sistema da Federação das Indústrias. Sentimos a perda, mas esperamos seguir os ensinamentos e experiência que ele nos passou, sempre em prol da defesa e do desenvolvimento do Amazonas", afirmou.

    Governo e Prefeitura 

    Em nota, o governador Wilson Lima (PSC) enviou condolências aos amigos, familiares, funcionários e colegas de trabalho do empresário, ressaltando a história e trajetória do Jornal do Commercio.

    "No ano passado, em homenagem recebida na Aleam [Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas], Guilherme Aluízio destacou a modernidade do jornal ao longo dos seus mais de cem anos de história. 'Continuamos modernos, mesmo tendo 114 anos'", diz a nota.

    O prefeito Arthur Neto (PSDB) manifestou profundo pesar pelo falecimento de Guilherme Aluízio, chamando o mesmo de amigo. “Uma figura muito marcante, a qual tive a honra de acompanhar sua empreitada, que chegou a transformar o Jornal do Commercio no segundo em circulação em Manaus, mesmo sem Classificados, somente a partir da opinião que ele emitia”, afirmou Arthur. 

    Sindicato dos Jornalistas

    O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Amazonas divulgou nota informando que "reconhece a importância e o valor histórico da contribuição do legado deixado por Guilherme Aluizio para o exercício do jornalismo no Amazonas, notadamente no final da década de 80, quando estabeleceu a Rádio Baré e o Jornal do Commércio como referências nas áreas de economia, política e entretenimento, atingindo grandes índices de audiência".

    Edição: Isac Sharlon

    Leia mais

    Morre o presidente do Jornal do Commercio, Guilherme Aluízio

    Amazonas perde Pedro Nunes, o 'Ring Boxe'

    Moradores voltam a protestar contra demolição de ponte na Compensa

    Comentários