Fonte: OpenWeather

    Gerenciamento de teste


    Vídeo: entidades assinam portaria para controle do Teste do Pezinho

    O sistema será implantado nas unidades de saúde da rede estadual e municipal, e, posteriormente, nas maternidades da rede privada e no Interior do Estado

    A implantação do sistema é uma articulação que visa aumentar a cobertura do fluxo de atendimento de crianças que não realizaram o teste na maternidade
    A implantação do sistema é uma articulação que visa aumentar a cobertura do fluxo de atendimento de crianças que não realizaram o teste na maternidade | Foto: Reprodução

    Manaus - Unidades de saúde da rede pública terão sistema unificado para controle do Teste do Pezinho com a implantação do Sistema de Gerenciamento de Informação do Teste do Pezinho (GITP). 

    A assinatura da portaria conjunta, entre a Secretaria de Estado de Saúde (Susam) e a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa),  para a implantação do sistema, acontece nesta terça-feira (13), na  sede do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM).

    A implantação do sistema visa aumentar a cobertura do exame a partir do acompanhamento do fluxo de atendimento e a busca ativa de crianças que não realizaram o teste na maternidade. Cerca de 25% dos recém-nascidos recebem alta das maternidades sem realizarem o teste do pezinho.

    Isso ocorre porque a coleta de material para a realização do exame deve ser feita preferencialmente entre o terceiro e quinto dia de vida e muitas crianças têm alta antes do terceiro dia de vida. Nesses casos, os pais precisam levar a criança para fazer a coleta em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) ou Centro de Atenção Integral à Criança (Caic),  que oferecem o serviço.

    O sistema vai integrar os bancos de informação das maternidades da rede estadual com os Caics, Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam) e as UBSs, para que se faça a busca ativa desses casos e os exames possam ser realizado na unidade de saúde mais próxima de casa.

    As maternidades vão abastecer o sistema com as informações iniciais de mãe e filho, como endereço, telefone de contato e indicar uma unidade de saúde mais próxima da residência para realização do exame, caso o recém-nascido não tenha feito teste antes da alta médica. A unidade indicada fica responsável por aplicar o exame e realizar busca ativa da mãe que não comparecer até o quinto dia de vida da criança.

    A princípio o sistema será implantado nas unidades de saúde da rede estadual e municipal, e, posteriormente, nas maternidades da rede privada e no Interior do Estado.

    A base de dados dará um diagnóstico da aplicação do teste nas maternidades e possibilitará um controle mais rigoroso da realização do exame das crianças nos primeiros dias de vida.

    *Com informações da assessoria

    Assista à reportagem da TV Em Tempo:

    Assista a reportagem | Autor: Tarcísio Layme/ TV Em Tempo
     


    Comentários