Fonte: OpenWeather

    Fibrose cística


    Fibrose Cística: palestra em Manaus alerta sobre diagnóstico precoce

    A doença rara é genética e pode ser identificada ainda nos primeiros dias de vida

    Nove pacientes fazem acompanhamento na unidade | Foto: Divulgação/Susam

    Manaus- A Policlínica Codajás promoveu, na quarta-feira, (11), um ciclo de palestras em alusão ao Dia Nacional de Conscientização e Divulgação da Fibrose Cística, celebrado no último dia (5) de setembro. Especialistas da Secretaria de Estado de Saúde (Susam) destacaram a importância do diagnóstico precoce da doença.

    Atualmente, nove pacientes fazem acompanhamento na unidade, segundo a médica pediatra e pneumologista da Policlínica Codajás, Cláudia Mello. A médica foi uma das palestrantes do evento.

    A doença rara é genética e pode ser identificada ainda nos primeiros dias de vida com o teste do pezinho, que é o teste de triagem para a fibrose cística. O diagnóstico definitivo é feito pelo teste do suor que no Amazonas possui padrão ouro para o diagnóstico da doença, de acordo com a bioquímica da Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (FHemoam), Lilian Wallace.

    A pneumologista Cláudia Mello explica que a fibrose cística é uma doença que faz com que toda secreção do organismo do paciente seja mais viscosa que o normal, afetando especialmente os pulmões e o pâncreas, num processo obstrutivo causado pelo aumento da viscosidade do muco.

    “Em decorrência dessa alteração genética, o muco vai se tornar desidratado e espesso, com o comprometimento no intestino, principalmente pâncreas e pulmões, mas podendo comprometer também outros órgãos”, explicou Cláudia.

    De acordo com a pneumologista, os sintomas variam e podem incluir tosse, infecções pulmonares reincidentes, incapacidade de ganhar peso e fezes gordurosas. Os portadores da doença apresentam suor mais salgado que o comum, por isso a fibrose também é conhecida como a doença do beijo salgado.

    Os tratamentos podem aliviar os sintomas e reduzir as complicações, no entanto, a doença não tem cura.

    Diagnóstico precoce

    Mãe de uma criança de 3 anos, diagnosticada com fibrose cística no primeiro mês de vida, Kelita Brito, 37, falou sobre a importância do diagnóstico precoce. Kelita perdeu um filho de 10 anos após complicações decorrentes da doença.

    A família carrega o gene da doença. Segundo a médica pediatra e pneumologista da Policlínica Codajás, Cláudia Mello, a cada gestação por métodos naturais a chance de repetir o diagnóstico da fibrose cística no bebê é de 25%.

    “Na minha segunda filha eu já imaginava que teria (a doença), porque meu filho morreu com fibrose cística. Ele morreu com 10 anos, mas naquela época nós não tínhamos informação”, disse a mãe.

    Assistidos pelo programa de Tratamento Fora de Domicílio (TFD) da Susam, a criança de 3 anos faz acompanhamento em Porto Alegre (RS) a cada seis meses.

    Além disso, os pacientes fazem acompanhamento periódico na Policlínica Codajás, que dispõe de pneumologista, nutricionista, psicólogo entre outras especialidades.

    *Com informações da assessoria 

    Comentários