Fonte: OpenWeather

    Respeito


    Programa que discute questão racial e diversidade é lançado em Manaus

    Águas de Manaus lança o ‘Respeito dá o Tom’ que discute questões raciais e de diversidades no ambiente da empresa

    O lançamento aconteceu na sede administrativa da empresa, localizada na avenida André Araújo, bairro Aleixo, Zona Sul de Manaus | Foto: Divulgação

    A concessionária Águas de Manaus lançou um programa voltado para a diversidade e igualdade racial. Chamado “Respeito dá o Tom”, o projeto tem o objetivo de promover a igualdade nas oportunidades de acesso à empresa, além de proporcionar crescimento profissional aos colaboradores que se autodeclaram pretos e pardos.

    O evento de lançamento reuniu cerca de 200 colaboradores na sede administrativa da empresa, na Avenida André Araújo, Aleixo e contou com a participação de ativistas do movimento negro, como o Frei David Santos e o influenciador digital e rapper Jota Jr.

    O evento com com a presença de palestrantes e uma roda de conversa com os funcionários da empresa
    O evento com com a presença de palestrantes e uma roda de conversa com os funcionários da empresa | Foto: Divulgação

    O “Respeito dá o Tom” é o Programa de Diversidade e Igualdade Racial da Aegea e vem sendo implantado em todas as unidades da companhia desde 2017. Em Manaus, a meta é conscientizar os colaboradores sobre o papel do negro na sociedade atual e a partir disso, tornar o ambiente de trabalho na empresa livre de qualquer tipo de racismo, preconceito e discriminações. Diversas ações para sensibilização dos colaboradores, como rodas de conversa, passarão a ser promovidas nas unidades da capital amazonense. 

    O Respeito dá o Tom é pautado em três pilares: empregabilidade, desenvolvimento e relacionamento. Um dos objetivos iniciais é ampliar o número de pessoas negras em todos os níveis do quadro de colaboradores em Manaus. No Brasil, 54% da população é negra, mas apenas 5% destas pessoas ocupam cargos executivos.

    Para o diretor-presidente da Águas de Manaus, Renato Medicis, o programa é de suma importância. Segundo ele, o debate pode ajudar os colaboradores a enxergar a questão de uma maneira diferente.

    Diretor-presidente das Águas de Manaus, Renato Medicis
    Diretor-presidente das Águas de Manaus, Renato Medicis | Foto: Divulgação

    “Precisamos refletir diariamente sobre a questão racial e pensar no que queremos construir para o futuro do país. Hoje, ainda passamos por situações que não deveriam mais acontecer. No Brasil, ainda temos poucos executivos negros. Fora do país, esse número já é mais equilibrado. Promovendo ações como o Respeito dá o Tom, vamos conseguir essa mudança. Somos todos iguais, sejamos negros, brancos, índios, asiáticos. O Brasil é um país de múltiplas cores e raças”, disse o diretor-presidente.

    Um dos mais firmes defensores da inclusão racial no Brasil, o Frei David Santos, da ONG Educafro, participou do lançamento do programa em Manaus. Em sua palestra, “Marginalização planejada: sete atos oficiais contra o povo negro”, ele abordou diversos pontos que comprovam o tratamento discriminatório sofrido pelos negros no Brasil ao longo da história.

    Frei David Santos
    Frei David Santos | Foto: Divulgação

    “O Brasil foi o último país do mundo a acabar com a escravidão. O negro foi tratado de forma muito cruel aqui. E nós resistimos a tudo isso. Estimular o debate, como a Águas de Manaus está fazendo aqui, é essencial para mudarmos este quadro”, disse o Frei, que finalizou apontando cinco desafios a vencer no ambiente corporativo para torna-lo mais justo e igualitário.

    O influenciador digital e rapper Jota Jr também contou um pouco sobre sua história e trouxe exemplos claros de como o racismo se manifesta em seu dia a dia com a palestra “Amor ao próximo”. Ele é ex-gari e viralizou na internet ao gravar vídeos falando sobre diversidade e preconceito. 

    Influenciador digital e rapper Jota Jr.
    Influenciador digital e rapper Jota Jr. | Foto: Divulgação

    “O negro não quer ser tratado com pena. Nós só queremos ter o acesso igualitário a algo que nos foi bloqueado durante séculos. O negro era um produto no país que ninguém tinha o mínimo de respeito. E o Brasil foi estruturado com base no racismo. Vai dizer que não é comum você ouvir ‘denegrir’, ‘neguinho é fogo’, ‘mercado negro’... Todo mundo foi criado e cresceu nesta estrutura”, argumentou Jotar Jr.

    Ele elogiou a postura do grupo Aegea e da Águas de Manaus em promover esse tipo de debate. “O Respeito dá o Tom é um exemplo que as empresas do país inteiro deveriam copiar. Precisamos falar cada vez mais sobre isso. Não se acaba com nenhum problema ficando quieto”, completou o rapper.

    Os colaboradores da Águas de Manaus devem montar, nos próximos dias, um comitê para cuidar do Respeito dá o Tom e desenvolver um calendário das próximas ações do projeto no ambiente da empresa. Jota Jr também esteve em diversas rodas de conversa sobre o tema nas unidades da concessionária na cidade, como a Ponta do Ismael (Compensa), o Distrito Norte (Cidade Nova) e a Ponta das Lajes (Colônia Antônio Aleixo).

    *Com informações da assessoria.

    Comentários