Fonte: OpenWeather

    Dia Internacional do Farmacêutico


    Farmacêuticos do AM contam desafios encontrados na profissão

    No dia Internacional do Farmacêutico, o Portal EM TEMPO entrevistou profissionais do ramo que relatam o lado positivo e negativo da área diariamente

    Profissionais comemoram nesta quarta-feira (25) o dia Internacional do Farmacêutico.
    Profissionais comemoram nesta quarta-feira (25) o dia Internacional do Farmacêutico. | Foto: Reprodução

    Manaus -  Indústrias de alimentos, análises clínicas e medicamentos são alguns dos segmentos que necessitam da atuação importante do farmacêutico. O profissional da área da saúde, ao contrário do que muitos pensam, tem diversos segmentos para atuação no mercado de trabalho. E em meio a amor a profissão e avanços no mercado, os profissionais comemoram nesta quarta-feira (25) o dia Internacional do Farmacêutico. 

    Apesar de amplos mercados profissionais, uma das principais funções do farmacêutico está associado a manipulação de remédios, que inicia com a industria de medicamentos, formulações, controle de qualidade até o a dispensação para uso dos pacientes. 

    Maíra Bivaqua, mestranda pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam), conta que escolheu a profissão ainda no ensino médio. “Escolhi na área da saúde e vi que a Farmácia eu iria me identificar, apesar da incerteza do momento, mas era a que mais oferece opções de atuação. Eu podia fazer um pouco de tudo. A minha graduação foi extremamente importante para eu atuar no mercado de trabalho”.

    A mestranda também destaca a importância de especializações e dedicação aos estudos, mesmo após a graduação. “Você sempre precisa de algo a mais, estudar é sempre importante. Já fiz seis projetos de pesquisa em extensão. E conheci todo o leque e exploração da profissão, o que é apaixonante, destaca. 

    "Amo ajudar as pessoas"

    Edilza Guedes é uma das idealizadoras do grupo voluntários de farmacêuticos
    Edilza Guedes é uma das idealizadoras do grupo voluntários de farmacêuticos | Foto: Reprodução

    A Farmacêutica e especialista em Administração hospitalar e Citologia Clínica, Ednilza Guedes, que atua há mais de 15 anos na profissão conta que escolheu farmácia por trabalhar com análises clinicas. "Entrei no curso em 1982 e amo ajudar as pessoas, como eu já trabalhava como técnica na área foi uma escolha certa", comenta

    Responsável pela criação de projetos como "Farmacêuticos em Ação" e "Farmacêuticos Amazônidas", grupo que leva cuidados de saúde para ribeirinhos e crianças em abrigo. Ednilza Guedes também possui atualmente pesquisa voltada para diabéticos tipo 1 e 2. "Atualmente existem mais de 70 mil diabéticos entre tipos 1 e 2, então apresentem uma proposta para criação de Centro de Referências dos Diabéticos que já está na Secretaria de Saúde. Foi uma bandeira que levantei a favor dos diabetóticos", comenta.

    Para a farmacêutica, o mercado de trabalho, como todas as profissões, possui pontos negativos e positivos, mas existe um crescimento no mercado farmacêutico varejista. "O mercado é disputado, mas lutamos sempre para que tenha empregos nas mais de 135 áreas de atuação da profissão", comenta. 

    Para a farmacêutica, o mercado de trabalho, como todas as profissões, possui pontos negativos e positivos
    Para a farmacêutica, o mercado de trabalho, como todas as profissões, possui pontos negativos e positivos | Foto: Arquivo Pessoal

    De acordo com a professora do curso de Ciências Farmacêuticas e pós-doutora em Ciências de Alimentos, Ariane Mendonça, no âmbito acadêmico, o curso apresenta dificuldades pelo número de evasão dos alunos. "Temos uma quantidade de alunos que optam para outros cursos e a evasão dos alunos continua sendo intensa. Estamos revendo sobre isso, para reverter o quadro. Mas em contrapartida, os alunos que seguem os estudos buscam mais conhecimento e a busca para a realização do mestrado é muito grande". 

    A professora explica que o mercado profissional apresenta muitas oportunidades, mas que ainda não são valorizadas. "Temos muitas oportunidades, mas não são valorizadas, pois a maioria dessas oportunidades estão no interior no Estado, então encontramos um certa limitação", comenta.  

    Profa Dra Ariane Mendonça destaca que o mercado farmacêutico também é amplo no interior do Estado
    Profa Dra Ariane Mendonça destaca que o mercado farmacêutico também é amplo no interior do Estado | Foto: Reprodução

    Os profissionais de Farmácia no Amazonas, após a finalização da graduação, devem possui o CRF do Estado que autoriza o exercício da profissão. No Amazonas, a Instituição responsável para essa regulamentação e fiscalização da profissão é o Conselho Regional de Farmácia do Estado do Amazonas (CRF-AM). 

    Segundo Jardel Inácio, presidente do CRF-AM, as atuações do órgão têm garantindo assistência do profissional de farmácia na capital e no interior do estado nos setores públicos e privados. "O Conselho tem atuado muito na garantia da assistência farmacêutica a população. Ampliamos o quadro de agentes do Conselho e equipamentos para que o trabalho fosse realizado. Conseguimos fiscalizar mais de 50% dos municípios no interior, o que nunca tinha sido feito antes e até dezembro pretendemos ter os 100%", destaca. 

    Jardel Inácio também destaca que o Conselho tem catalogado estabelecimentos clandestinos. "Encontramos 196 estabelecimentos clandestinos e reduzimos 40% desse número principalmente no interior do Estado", comenta. 

    O número de profissionais atuando também tem sido preocupação para o Conselho que atua junta ao poder público municipal para abertura de novas vagas para profissionais no mercado por meio de concurso público.

    Comentários