Fonte: OpenWeather

    COVID-19


    Coronavírus: Motoristas de apps se expõem a riscos

    Motoristas de apps e taxistas adotam álcool gel, vidro aberto e máscara contra o coronavírus

    Motoristas de aplicativos como Uber e 99Pop se arriscam em meio à pandemia de coronavírus | Foto: Divulgação

    Manaus - Em meio à epidemia do novo coronavírus, os trabalhadores autônomos estão no grupo dos mais afetados pela diminuição do fluxo de pessoas. Em Manaus, motoristas de aplicativos se arriscam, seja trabalhando e se expondo ao contágio ou escolhendo ficar em casa e enfrentar dificuldades financeiras para se manter. O Amazonas tem 47 infectados pelo Covid-19, conforme dados da Secretaria de Saúde do Estado (Susam), até a manhã desta terça-feira (24).

    Para Ronaldo Luís Martins, de 22 anos, o trabalho precisa continuar para que possa pagar todas as contas. "Mesmo com essa dificuldade, eu estou na luta, pego um passageiro aqui e ali, mas sigo na luta", afirma. Com o carro alugado, sustentado pelas economias guardadas, Ronaldo segue a rotina como motorista de aplicativos. 

    "Caiu cerca de 70% do movimento. Você vê lojas, bares, restaurantes, tudo fechado. Não tem um lugar exato para pegar passageiro, as ruas estão todas desertas. Vou para onde tem uma aglomeração e fico esperando, porque senão gasto muita gasolina e a maioria das corridas atualmente são curtas", diz o motorista.

    Ronaldo conta que a última etapa da higienização para se manter longe do contágio é em casa - onde mora com três irmãos e o pai, de 55 anos. "Eu uso máscara, álcool em gel, sempre com o vidro aberto. Vou até comprar luva para ajudar a reforçar a segurança. Quando chego, vou direto ao banheiro, faço a segunda etapa de higienização com álcool em gel e tudo mais", afirma. 

    Apesar de continuar com as corridas, onde normalmente entram duas pessoas, o motorista afirma que pensaria melhor caso precisasse transportar grupos a partir de três pessoas ou passageiros saindo do aeroporto.

    Ronaldo Martins, 22, continua trabalhando normalmente durante a pandemia do vírus
    Ronaldo Martins, 22, continua trabalhando normalmente durante a pandemia do vírus | Foto: Divulgação

    Outro motorista que segue a luta é o César Carlos Souza, de 35 anos. Ele conta que as atividades como motorista da Uber são o único meio sustento de sua família. Souza afirma que as atividades continuam lentamente, tanto que os ganhos diários - que antes eram em torno de R$ 160 - hoje são aproximadamente R$ 60, com metade para gasolina. “Para nós motoristas que tínhamos chamada atrás da outra, agora temos de rodar muito para pegar uma viagem", completa.

    Atuando há dois anos e meio como motorista de aplicativos, César conta que o período da tarde é o mais movimentado, durante o isolamento social e que não tem "lugar certo" para conseguir mais passageiros.

    "Infelizmente temos de ir para a rua porque precisamos levar o sustento para dentro de casa, não temos nenhum benefício para poder adotar as medidas de prevenção que pedem. Se isso continuar vai ser um caos para todos nós que precisamos trabalhar. Já posso dizer que estou a um passo de ficar desempregado, mas sem dinheiro e sem comida como que podemos ficar em casa?", questiona o motorista.

    César Souza, 35, afirma que precisa passar por procedimentos de higienização ao chegar em casa
    César Souza, 35, afirma que precisa passar por procedimentos de higienização ao chegar em casa | Foto: Divulgação

    Leurry Martins da Silva, também de 35 anos, é tecnólogo em Radiologia, formado e pós-graduado em docência do ensino superior, trabalha como motorista de aplicativo. E há quatro dias está sem trabalhar com os aplicativos. Ele diz que quase todos os colegas de profissão também resolveram ficar em casa.

    "Eu, no momento, só tenho os aplicativos como fonte de renda. No entanto resolvi ficar em casa como medida de segurança. Faço parte de um grupo com 40 motoristas e 99% fizeram o mesmo. As medidas de prevenção ajudam bastante, mas não é só isso, não estamos livres de alguém tossir dentro do carro ou espirrar. Enquanto isso estou correndo atrás de serviços pela internet ou por outros aplicativos tentando uma oportunidade de home office e mantendo a fé em Deus", afirma ele.

    Atualmente Leurry mora com a mãe, uma senhora idosa que faz tratamento psiquiátrico e, sem outra fonte de renda por enquanto, tem que dividir metodicamente os recursos em tempos de crise. "Ainda tenho alimentos em casa, vou regrando, porém, um dia acaba, esse é o medo de todo autônomo como eu", conclui ele.

     Medidas de prevenção: 99Pop

    No Brasil, motoristas e clientes da 99Pop têm uma página exclusiva para informações sobre o coronavírus
    No Brasil, motoristas e clientes da 99Pop têm uma página exclusiva para informações sobre o coronavírus | Foto: Divulgação

    Para auxiliar e orientar os usuários e motoristas da plataforma, a empresa criou uma página dentro do próprio site com orientações durante este período de combate ao coronavírus. A página é voltada para motoristas parceiros e passageiros sobre o que fazer, quais os sintomas, onde buscar ajuda e outras informações com foco na prevenção, com instruções dadas pelo Ministério da Saúde.

    A companhia global chinesa DiDi Chuxing, responsável pela 99Pop, anunciou no dia 13 deste mês que criou um fundo especial de 10 milhões de dólares para dar apoio aos motoristas e entregadores, parceiros da empresa, que forem diagnosticados com o novo coronavírus. Embora sem divulgar as formas para solicitar a doação junto ao fundo, a 99 também avalia se irá bloquear parceiros relacionados ao diagnóstico de coronavírus.

    Medidas de prevenção: Uber

    A Uber separou uma série de dicas para manter os motoristas trabalhando durante a pandemia
    A Uber separou uma série de dicas para manter os motoristas trabalhando durante a pandemia | Foto: Divulgação

     A Uber removeu a modalidade de corrida "Uber Juntos" do aplicativo para celulares Android e iPhone (iOS) por tempo indeterminado, a partir da última quinta-feira (19), como medida de prevenção ao novo coronavírus. A opção oferece viagens compartilhadas com desconhecidos por preços menores que o habitual, o que pode proporcionar maiores chances de contágio da Covid-19. 

    "Também contamos com a consultoria de um epidemiologista para garantir que as medidas tomadas por nossa empresa sejam embasadas em orientações médicas. Qualquer motorista ou entregador parceiro diagnosticado com o COVID‑19 ou que tiver quarentena solicitada por uma autoridade de saúde pública receberá assistência financeira durante até 14 dias enquanto sua conta estiver suspensa. Já ajudamos motoristas parceiros em algumas áreas afetadas e estamos implementando essa medida rapidamente em todo o mundo", diz o comunicado.

    Além disso, a empresa afirma que possui "uma equipe disponível 24 horas por dia para auxiliar as autoridades de saúde pública no plano de resposta contra a epidemia". Durante o período de isolamento social, a Uber ressalta que é possível que ocorra a suspensão temporária de contas de usuários ou motoristas que contraiam o coronavírus, além de uma séria de outras medidas para conferir no site.

    Comentários