Fonte: OpenWeather

    Enterros em Manaus


    Cai para menos de 50 o número de enterros em Manaus no mês de junho

    Em oito dias do mês de junho, o número de enterros caiu para menos da metade do que foi contabilizado nos meses anteriores

    O número já chega próximo ao normal contabilizado antes da pandemia
    O número já chega próximo ao normal contabilizado antes da pandemia | Foto: Lucas Silva

    Manaus – Após grande repercussão nacional e internacional no número de enterros em Manaus, o índice caiu no início de junho. Em oito dias, diminuiu para menos de 50 o número de sepultamentos na capital do Amazonas. 

    Em abril, considerado como o mês do colapso no sistema funerário do Estado, os enterros ultrapassavam diariamente a marca de 150. As áreas destinadas para os sepultamentos não eram suficientes e, com isso, espaços de mata nos cemitérios se abriam conforme a demanda chegava aos trabalhadores do serviço de enterros. 

    No primeiro dia de junho, segundo a Prefeitura de Manaus, foram contabilizados 43 enterros; no dia 2, cerca de 40 sepultamentos; no dia seguinte, subiu novamente para 43; na última quinta-feira (4) o número voltou para 40. O maior registro foi de 49 no dia 5 de junho.

    Embora o número ainda seja acima da média contada antes da pandemia do novo Coronavírus, nos últimos dois dias, o número caiu para 31 sepultamentos no dia 7 e, 32 enterros nesta segunda-feira (8). 

    De abril até maio, em um mês, houve redução de 51% no número de enterros nos cemitérios da cidade. O governador do Amazonas, Wilson Lima, também já apontava a diminuição do número de enterros como fator importante para a abertura gradual do comércio no Estado. O Amazonas está com a abertura gradual do primeiro ciclo. 

    Wilson Lima destaca a queda no número de sepultamentos como fator importante para retomada de atividades
    Wilson Lima destaca a queda no número de sepultamentos como fator importante para retomada de atividades | Foto: Diego Peres/Secom

    "Percebemos também uma queda aqui, na cidade de Manaus, dos enterros, que nós acompanhamos juntamente com a prefeitura, além da nossa ampliação na rede de atendimento na área da saúde”, disse Wilson Lima.

    Causas das mortes

    Segundo boletins diários do informe funerário, menos da metade do índice de enterros foram vítimas do novo Coronavírus. A grande maioria constata morte por insuficiência respiratória ou parada cardiorrespiratória.  

    A maioria das causas das mortes não são por Coronavírus
    A maioria das causas das mortes não são por Coronavírus | Foto: Lucas Silva

    O índice de mortes no Amazonas por Covid- 19 é de 2.271 com letalidade de 4,56%. Outros 337 óbitos por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) estão sendo acompanhados, destes, 254 por investigação epidemiológica e 83 aguardando resultado laboratorial. Ao todo, 206 foram descartados para o novo Coronavírus.

    Um indicador positivo avaliado pela diretora-presidente da Fundação de Vigilância e Saúde (FVS-AM), Rosemary Pinto, em relação a óbitos, é de que houve redução de 48% no Amazonas nas últimas duas semanas de maio, comparando o período 17 a 23 ao de 24 a 30 de maio. “Saiu de 205 para 107 óbitos confirmados para Covid-19”, informou. 

    O presidente da Associação de Funerárias do Amazonas (SEFEAM), Manoel Viana, afirmou que, embora haja a diminuição do número de enterros na cidade, todo o cuidado com saúde e transmissão do vírus é pouco. Outra recomendação é fazer o atestado de óbito antes do sepultamento. “Esse é o novo pedido que fazemos e orientamos. E mais, nessa época de pandemia não existe traslado aéreo de corpos para sepultamento”, afirmou. 

    Leia mais: 

    Abaixo do ideal, isolamento de 40% salva 2,5 mil pessoas em Manaus

    Após colapso no sistema, sepultamos caem para 51% em um mês

    Assista ao Web TV News na Web TV Em Tempo:

    Confira dicas de prevenção ao coronavírus:

    Coronavirus

    >



    Comentários