Fonte: OpenWeather

    Luto


    Em Manaus, morre o Defensor Público Antônio Ederval

    O advogado atuou no julgamento do “Moa” em 2012 e em outros casos de grande repercussão no Amazonas

    O defensor público era conhecido como ícone dos tribunais
    O defensor público era conhecido como ícone dos tribunais | Foto: Reprodução

    Manaus - Conhecido por atuar em grande casos no Amazonas, entre eles o julgamento de Moacir Jorge Pessoa o "Moa, além de outros homicídios que chocaram os amazonenses, o Defensor Público, Antônio Ederval de Lima, morreu após ter um infarto na madrugada deste sábado (22).

    A Defensoria Pública do Estado emitiu nota sobre o servidor e enalteceu sua trajetória em casos de comoção pública, entre eles estão o caso da condenação de um padrasto que matou a enteada porque ela  teria comido biscoitos escondida. O crime aconteceu em 2016, no bairro Santa Etelvina, zona Norte de Manaus, o julgamento aconteceu em 2019. 

    Relembre o caso: Padrasto de menina morta por comer biscoito escondida é condenado

    No caso "Moa", em agosto de 2012, o defensor conseguiu com que o réu fosse absolvido da acusação da morte do traficante "Caçula", junto com Raphael Souza. 

    O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, lamentou a morte do defensor público.

    “Antônio foi um grande defensor da Justiça, sem olhar a quem, cumpria seu dever no Tribunal do Júri com veemência, atuando em casos complicados e importantes de interesse de toda a sociedade. A Defensoria Pública do Estado do Amazonas perde um grande profissional e familiares e amigos perdem um grande homem”, disse o prefeito. 

    A primeira-dama e presidente do Fundo Manaus Solidária, Elisabeth Valeiko Ribeiro, também lamentou a morte do defensor público. “Deixo meus sentimentos aos familiares e amigos para que possam ter o conforto neste momento difícil. Antônio merece ser lembrado por todos pelo grande trabalho que fez em prol da Justiça no Amazonas”, concluiu.

    À direita da foto está o defensor público, grande nome na área jurídica do Amazonas
    À direita da foto está o defensor público, grande nome na área jurídica do Amazonas | Foto: Divulgação TJAM

    Veja a nota na íntegra:

    É com profundo pesar que a Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) comunica o falecimento do defensor público Antônio Ederval de Lima, vítima de um infarto na madrugada deste sábado, 22 de agosto de 2020. 

    Antônio Ederval de Lima se dedicou, durante toda a sua trajetória na Defensoria, a cuidar, com zelo e diligência, da defesa dos mais necessitados, especialmente no Tribunal do Júri, em julgamentos que não raras vezes estavam envoltos de comoção pública e que despertavam o interesse da imprensa. 

    Ciente de que a assistência jurídica deve estar ao alcance de todos, como dita a nossa Constituição, independe da acusação imposta e da repercussão na mídia, Antônio Ederval de Lima jamais se curvou a pressões e sempre se manteve focado na missão de defender, com dedicação e estilo próprios, àqueles que precisavam do auxílio da Defensoria. 

    A história do defensor público certamente será lembrada no meio jurídico do Amazonas como exemplo de abnegação, altruísmo e devoção à causa pública, inspiração que irá contribuir com o trabalho dessa e das futuras gerações. 

    A Associação das Defensoras e Defensores Públicos do Amazonas (Adepam) também  emitiu nota sobre a morte do defensor público. 

    "Com imenso pesar, a Associação das Defensoras e Defensores Públicos do Amazonas (Adepam) comunica o falecimento do maior ícone do tribunal do júri amazonense, o defensor público Antônio Ederval de Lima. A Adepam presta suas condolências e envia força para familiares e amigos neste momento de luto", escreveu. 

    Leia mais:

    Drogas são apreendidas em banheiros de embarcação no Amazonas

    Vídeo: veja como o falso mototaxista fazia assaltos em Manaus

    Traficante 'mano Caio do CV' é condenado a 18 anos por homicídio

    Comentários