Fonte: OpenWeather

    Divulgação


    Prefeitura planeja distribuir ivermectina para amazonenses

    A informação foi afirmada durante audiência pública virtual promovida pela Comissão de Saúde e Previdência (CSP) da Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM)

     

    A Ivermectina é um remédio usado no tratamento de vários tipos de infestações por parasitas
    A Ivermectina é um remédio usado no tratamento de vários tipos de infestações por parasitas | Foto: Getty Images

    Manaus – Como plano para tratamento preventivo contra Covid-19, a Prefeitura de Manaus pretende distribuir a medicação invermectina à população manauara, na Arena da Amazônia ou no Sambódromo. A informação foi afirmada durante audiência pública virtual promovida pela Comissão de Saúde e Previdência (CSP) da Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM), pelo assessor médico da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) Djalma Coelho nesta terça-feira (12).

    “A gente está pretendendo fazer uma ação na Arena da Amazônia, inclusive já ‘startou’, estamos correndo atrás. O problema é que o fornecedor diz: ‘Só tenho 20 mil comprimidos’. Isso não serve para esse tipo de ação”, revela Djalma.

    A ação é articulada com o Conselho Regional de Medicina do Amazonas (CRM-AM), segundo Djama. No fim da audiência, o deputado Dermilson Chagas (Podemos) fez um apelo para que a distribuição não ocorra na arena para evitar aglomerações, disponibilizando os medicamentos também em Unidades Básicas de Saúde (UBS).

    Confira a audiência virtual

    Estudo preliminar levou à procura por medicamento

    Os dados de buscas no Google mostram que a procura pela ivermectina no Brasil deu um salto pela primeira vez no início de abril. A esta altura, a cloroquina e o antiparasitário nitazoxanida, vendido no Brasil sob a marca Annita, eram os mais procurados nas farmácias contra a covid-19, mesmo sem eficácia comprovada.

    A cloroquina era há tempos propagandeada por Bolsonaro como um remédio eficaz contra o coronavírus, e a nitazoxanida seria testada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações para o mesmo fim. O aumento do interesse por eles fez com que ambos passassem a ser controlados, ou seja, comprados só com receita, o que restringiu o acesso.

    Ao mesmo tempo, um estudo indicou que a ivermectina poderia matar o coronavírus. A pesquisa da Universidade Monash, na Austrália, concluiu em testes em laboratório que o antiparasitário pode neutralizar as propriedades infecciosas do vírus em 48 horas. Mas trata-se apenas de uma análise preliminar, na qual a substância foi testada em uma cultura de células, e ainda há outros passos fundamentais até que seja possível verificar se esse efeito também ocorre em pessoas.

    Leia Mais:

    Covid-19: Policlínica Gilberto Mestrinho mantém serviços parcialmente

    Semed discute ações estratégicas para volta às aulas em Manaus

    Hospitais de Manaus começam receber oferta de oxigênio

    Comentários