Fonte: OpenWeather

    Modernização


    No mês da mulher, Amazonas comemora ampliação da rede materno infantil

    Os maiores impactos da mudança foram nas três grandes maternidades da capital

     

    Em tempo recorde, foi construído na Ana Braga um novo Centro Obstétrico
    Em tempo recorde, foi construído na Ana Braga um novo Centro Obstétrico | Foto: Divulgação

    Manaus - Em meio à pandemia da Covid-19, a rede de maternidades do Estado do Amazonas ampliou. São 67 novos leitos, dos quais 33 de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) abertos em tempo recorde, entre o segundo semestre de 2020 e início de 2021. Equipamentos novos e mais modernos, reforma e ampliação de espaços e aumento de recursos humanos completam a revitalização do setor materno infantil da rede estadual composto por sete maternidades em Manaus.

    Os maiores impactos da mudança foram nas três grandes maternidades da capital – Ana Braga, Balbina Mestrinho e Instituto da Mulher Dona Lindu (IMDL) – que tiveram suas estruturas e serviços ampliadas.

    Na maternidade Ana Braga, que ficou como referência para internação de gestantes com a Covid-19, além de 26 novos leitos – 20 clínicos obstétricos e 06 de UTI materna – foi implantada uma nova recepção, separando o fluxo das pacientes covid das não-covid.

    Em tempo recorde, foi construído na Ana Braga um novo Centro Obstétrico, exclusivo para grávidas com a  covid-19,  dotado de sala de parto normal, de parto cesariano e sala de Recuperação Pós Anestésica (SRPA). A UTI materna saltou de 04 para 10 leitos, ganhou equipamentos novos e teve a equipe de intensivistas (médico, enfermeiro e técnicos de enfermagem) reforçada.

    A maternidade foi revitalizada, recebeu nova ambiência e ganhou equipamentos novos e mais modernos – raio-X digital, ultrassonografia com doppler e aparelho de eletroencefalograma. O mesmo kit foi entregue à  maternidade Balbina Mestrinho e ao IMDL, que são as maternidades maiores e de referência para parto de alto risco.

     

    | Foto: Divulgação

    Todas as outras quatro maternidades foram contempladas com ultrassonografia com doppler e  foi contratado serviço inédito de hemodiálise para atender a rede de maternidades.

    No IMDL, a UTI materna, há oito anos sem funcionar, foi reativada, com 10 leitos, ganhou equipe de intensivistas e equipamentos novos e modernos, incluindo uma mesa cirúrgicas nova para pacientes obesas de até 200 quilos. O mesmo equipamento foi adquirido para as maternidades  Ana Braga e  Balbina Mestrinho.

    A Maternidade Balbina Mestrinho, a mais antiga e tradicional do estado, ganhou nova ambiência e teve sua equipe assistencial reforçada com a revitalização do seu complexo de neonatologia, contratação de pelo menos 50 novos técnicos de enfermagem e ampliação dos contratos das empresas de médico e de enfermagem que prestam serviços na unidade.

    A UTI Materna saltou de 04 para 07 leitos, mas a maior mudança está na neonatologia onde a UTI Neonatal (UTIN) está ampliando de 10 para 24 leitos; a Unidade de Cuidados Intermediários Convencionais (UCINCo) ampliou de 18 para 24 leitos e a Unidade de Cuidados Intermediários Canguru (UCINCo), de 10 leitos,  ganhou um novo espaço, com equipamentos, mobiliários e camas novas.       

    Camas automáticas 

    Uma mudança significativa nas UTIs das três maternidades (Ana Braga, Balbina e Lindu) foi a troca das camas, que até então eram manuais para camas modernas com dispositivo automático para movimentação. Foram adquiridas 27 novas camas automáticas para as UTIS Maternas e 30 camas PPP (Parto, Pre Parto e Pós Parto) automatizadas para partos nas 07 maternidades.

    Melhorias para toda a rede materno infantil 

    Todas as demais maternidades da rede estadual também foram contempladas com as medidas de revitalização da rede materno infantil do estado. A Maternidade Azilda Marreiro ganhou uma Usina de Oxigênio, a maternidade Nazira Daou ganhou equipamentos modernos e adequados. Todas ganharam aparelhos de Raio-X móveis e Ultrassom com  Doppler.

    Recursos Humanos 

    Com a ampliação de leitos também foi ampliado o quadro de Recursos Humanos nas maternidades. Cerca de 500 novos profissionais foram contratados. Parte deles enfermeiros e médicos intensivistas para as UTIs, embora a maioria,  333 são técnicos de enfermagem.

    Ganhos das maternidades

    - UTI Materna saiu de 08 leitos para 27 leitos;

    -UTI Neonatal saiu de 55 leitos para 69 leitos;

    - UCINCo saiu de 61 leitos para 67 leitos;

    -UCINCa saiu de 49 leitos para 51 leitos;

    -26 novos leitos clínicos e obstétricos na Maternidade Ana Braga;

    -Número de Salas Cirúrgicas saiu de 17 para 18;

    -27 novas camas automáticas para as UTIs Maternas;

    -498 profissionais de saúde contratados;

    -30 camas PPP automatizadas para partos nas 07 maternidades;

    -07 Raio X digitais, aparelho móvel para as 07 maternidades;

    -07 Ultrassons com Doppler para as 07 maternidades;

    -Foram adquiridos 03 Eletroencefalogramas (01 para Ana Braga, 01 para Balbina e 01 para Lindu);

    - Adquiridas 03 mesas cirúrgicas para obesos (01 para Ana Braga, 01 para Balbina e 01 para Lindu);

    - 01 Usina de Oxigênio na Maternidade Azilda Marreiro.

    *Com informações da assessoria

    Leia mais:

    Prefeito e Suframa se reúnem para destravar obras no Distrito

    Para evitar aglomerações, Caixa fará pagamentos escalonados do Auxílio

    MPF e DPU pedem reaplicação de provas do Enem no Amazonas

    Comentários