Fonte: OpenWeather

    Prejuízo


    26 ocorrências: tombamentos de árvores, destelhamentos e risco de desabamentos após chuva de granizo em Manaus

    Em alguns pontos da capital a velocidade do vento chegou a 64,1 km/h

    Até o meio-dia, a central 199, da Defesa Civil do Município (DCM), registrou 26 ocorrências, por conta da forte chuva que caiu em Manaus, na manhã desta segunda-feira (30). | Autor: Divulgação

    A forte chuva na manhã desta segunda-feira (30) assustou moradores de algumas zonas de Manaus. Até o meio-dia, a central 199, da Defesa Civil do Município (DCM), registrou 26 ocorrências. Em alguns pontos da capital a velocidade do vento chegou a 64,1 km/h. Além disso, nos bairros Japiim, Zona Sul, Coroado, Zona Leste, e Novo Aleixo, Zona Norte, houve relatos de chuva de granizo. 

    Na rua Rio Madeira, no conjunto Vieiralves, bairro Nossa Senhora das Graças, Zona Centro-Sul, parte da via ficou submersa. Na rua Palmeiras, bairro São José 3, Zona Leste, casas foram destelhadas e houve tombamento de árvores. No Lírio do Vale há informações de que vários pontos teriam ficado alagados. 

    No bairro Japiim choveu granizo
    No bairro Japiim choveu granizo | Foto: Divulgação


    Morando há seis anos em Manaus, a dona de casa Nely Vitorassi, de 40 anos, diz que ficou surpresa quando viu as pedras de granizo caindo no telhado da garagem da casa onde vive, no condomínio Eliza Miranda, bairro Distrito Industrial, Zona Sul.

    Leia também: Auxiliar de manutenção é executado com 5 tiros dentro de casa na Zona Norte

    “Estava dentro de casa, quando ouvi o barulho no telhado da garagem. Quando sair para ver o que era, me deparei com os granizos. Nunca tinha visto isso antes. Foi rápido, mas foi muito legal”, contou Nely, acrescentando que o fato a fez lembrar de sua terra natal. “Sou de Curitiba (PR) e lá é comum isso acontecer. Então, quando vi os granizos, achei maravilhoso”.

    Na zona Leste da cidade, as ocorrências foram, principalmente, nos bairros João Paulo e São José. Neste último, uma casa foi completamente destelhada. O morador, que não quis ser identificado, disse que não estava em casa no momento do acidente e, apesar do prejuízo, ninguém se feriu.

    Com a velocidade do vento a 64,1 km/h, várias casas foram destelhadas
    Com a velocidade do vento a 64,1 km/h, várias casas foram destelhadas | Foto: Divulgação

    Com a força do vento, cabos de energia caíram na avenida Efigenio Sales e parte da via ficou alagada, causando congestionamento no trânsito de veículos. O taxista Gleberson Alves conta que as rajadas de vento arrastaram os fios por cima dos carros e junto com a baixa visibilidade, por causa da água no para-brisas, causou transtorno para os condutores que trafegam pelo local. 

    A estudante e dona de casa Camila Costa relatou que o temporal iniciou com muitos trovões e um barulho muito forte. "Fiquei assustada porque o barulho não era de chuva normal e estava muito alto. Quando saí de casa vi que haviam pedrinhas de gelo no meu quintal", conta a estudante. 

    Na rua Marginal, bairro São José, Zona Leste, uma árvore caiu em fios de alta tensão, provocando um princípio de incêndio na residência da dona de casa Eliana Varjão. O Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas (Cbmam) foi acionado pela vítima, mas devido ao grande número de ocorrências, a equipe demorou a chegar no local. 

    O Cbmam informou ter recebido 25 solicitações para atuar em casos de tombamentos de árvores
    O Cbmam informou ter recebido 25 solicitações para atuar em casos de tombamentos de árvores | Foto: Divulgação

    "Enquanto não chegavam, a única orientação que eles passaram era para que todos saíssem de casa", conta Eliana. Ela diz ainda que foi sorte estar em casa no momento do acidente, pois normalmente, no horário da chuva, sai para fazer atividades físicas. “O prejuízo poderia ser maior, por sorte consegui salvar alguns documentos”. 

    Queda de árvores 

    De acordo com o Cbmam, até o início da tarde foram registradas 25 solicitações de moradores relatando queda de árvores em residências. 

    Flávio Batalha, morador da rua 22 do bairro São José 2, contou que teve a casa parcialmente destruída devido à queda de uma árvore que existia há mais de 20 anos no quintal da residência. 

    O homem informou que estava em casa com três sobrinhas quando ouviu estalos do tronco e galhos da árvore. "Nesse momento me desesperei, só pensei em pegar as meninas e sair de casa". 

    A árvore estava no local há mais de 20 anos
    A árvore estava no local há mais de 20 anos | Foto: Márcio Melo

    Instituto de Meteorologia 

    Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), nos pontos de observação meteorológica na cidade de Manaus não ocorreram registros de chuva de granizo. Entretanto, em alguns locais, onde foi possível identificar o fenômeno, o órgão justifica que ocorrido foi devido as condições das nuvens do tipo CB (Cumulunimbus), que são de grande desenvolvimento vertical e podem provocar chuva forte, descargas elétricas, rajadas de vento e granizo.

    Nuvens deste tipo, de acordo com o Inmet, são comuns na região Norte, nesta época do ano, porém, nem sempre com granizo. O instituto informa que no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, na Zona Oeste, a chuva forte com trovoadas teve rajadas de ventos de 37 km/h. Na Base Aérea de Manaus, na Zona Sul, houve pancadas de chuva com trovoadas e rajadas de ventos de 50 km/h.

    Na estação do Inmet, no Adrianópolis, na Zona Centro-Sul, choveu 21,4 milímetros, em menos de uma hora, e a velocidade do vento foi de 64,1 km/h.

    Oito ocorrências envolvendo destelhamentos de residências foram registradas pela central 199
    Oito ocorrências envolvendo destelhamentos de residências foram registradas pela central 199 | Foto: Márcio Melo

    Histórico

    Em agosto deste ano, choveu granizo nos municípios de Manicoré (a 253 Km de Manaus) e Santo Antônio do Iça (a 331 Km da capital). Os moradores dos municípios também ficaram surpresos com o fenômeno.

    Leia mais:

    Polícia revela que estupros virtuais estão ocorrendo em Manaus

    Muro irregular é construído no entorno de torre alta tensão na Zona Norte

    Coletes salva-vidas ainda são rejeitados por passageiros que viajam pelos rios do Amazonas




    Comentários