Fonte: OpenWeather

    Carnaval 2019


    Você conhece a história do Carnaval de Manaus?

    Portal EM TEMPO conta essa história para você! A chegada dos negros, dos sons de batuque e os movimentos no Centro contam a história da maior festa da cultura popular na capital do Amazonas

    Repórter: João Gomes Edição: Victor Costa | Autor: João Gomes

    Manaus – Considerado pelos críticos do samba como o segundo maior Carnaval do país, perdendo apenas para o Rio de Janeiro, a celebração da data em Manaus reúne anualmente cerca de 100 mil pessoas no sambódromo da cidade durante os dias de desfile das Escolas de Samba. Além da tradicional disputa entre os grêmios recreativos, centenas de pessoas também saem pelas ruas da capital para festejar o feriadão nos blocos e bandas que colorem a maior festa popular do país. Mas você sabe como esse movimento começou em Manaus?

    Carros alegóricos e foliões no Largo de São Sebastião, caminhando para a Av. Eduardo Ribeiro
    Carros alegóricos e foliões no Largo de São Sebastião, caminhando para a Av. Eduardo Ribeiro | Foto: Arquivo Pessoal

    Quem conta essa história ao Portal Em Tempo é o pesquisador cultural, Daniel Sales, que em 2019 comemora 42 anos de intensa participação no Carnaval de Manaus. Quase meio século de experiências carnavalescas incentivaram Daniel a publicar o primeiro e único livro que conta a história do Carnaval na capital amazonense.

    Em casa, ele coleciona memórias construídas ao longo de mais de quarenta anos de Carnaval em Manaus
    Em casa, ele coleciona memórias construídas ao longo de mais de quarenta anos de Carnaval em Manaus | Foto: Marcely Gomes


    A obra “É tempo de sambar” reúne mais de mil biografias de sambistas da região, contos de bastidores, além de um raríssimo acervo de fotos que ilustram os primeiros movimentos carnavalescos na cidade. As memórias publicadas vão dos primeiros blocos de rua até os desfiles realizados no sambódromo.

    Concentração de foliões no início da Av. Eduardo Ribeiro, onde acontecia as festas de Carnaval na década de 50
    Concentração de foliões no início da Av. Eduardo Ribeiro, onde acontecia as festas de Carnaval na década de 50 | Foto: Arquivo Pessoal


    “Sou envolvido com o carnaval desde a década de 70, quando ainda era um menino de 12 anos. Já empurrei carro alegórico, já fiz fantasias, já fui da bateria, já fui da harmonia, já ajudei a compor mais de 40 sambas, também comentei por vários anos o Carnaval transmitido na Tv aberta. Eu senti que já tinha feito muito pela festa e precisava registrar todas essas memórias. Assim nasceu o livro que só comecei a escrever em 2001”, explica o escritor que hoje vê sua obra nas prateleiras da biblioteca da Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

    A obra 'É Tempo de Sambar' reúne a história do Carnaval de Manaus em arquivos de textos e fotos
    A obra 'É Tempo de Sambar' reúne a história do Carnaval de Manaus em arquivos de textos e fotos | Foto: Marcely Gomes


    Nas páginas do livro, Daniel conta com saudosismo sobre os tímidos movimentos artísticos que entre os anos 40 e 50 deram início às comemorações das festas de carnaval em Manaus. Os primeiros coletivos carnavalescos tiveram início no bairro da Praça 14 de Janeiro, na Zona Sul da cidade. No bairro, negros do estado do Maranhão chegavam alforriados em busca de melhores condições de vida.

    As primeiras baianas no Carnaval Amazonense desfilando na Av. Eduardo Ribeiro
    As primeiras baianas no Carnaval Amazonense desfilando na Av. Eduardo Ribeiro | Foto: Arquivo Pessoal


    Além de esperança, a comunidade negra trazia também a cultura dos batuques e dos tambores, dando forma ao samba como conhecemos hoje.

    “Não é à toa que o Grêmio Recreativo Vitória Régia é considerado o berço do samba em Manaus. Foi naquela zona da cidade que o carnaval realmente começou, por meio dos negros que chegavam do maranhão e traziam com eles sua cultura musical. Pouco tempo depois surgiu a Escola Mixta, que reunia pessoas de todas as classes com o único objetivo de festejar a data”, relata Daniel Sales, que além de pesquisador cultural também é antropólogo.

    Escola Mixta da Praça 14 de Janeiro, o primeiro grupo carnavalesco criado em Manaus
    Escola Mixta da Praça 14 de Janeiro, o primeiro grupo carnavalesco criado em Manaus | Foto: Arquivo Pessoal


    Não demorou muito para que a magia do samba e das marchinhas começasse a tomar conta de outras regiões da capital e ainda na década de 50 e 60, dezenas de blocos de carnaval começavam a lotar as ruas e salões de festas. Com a expansão do movimento, outros grêmios também começavam a surgir e davam corpo ao Carnaval como conhecemos nos dias atuais, desfilando carros e fantasias mais ousadas.

    Baile de Carnaval no Clube Rio Negro, Centro de Manaus.
    Baile de Carnaval no Clube Rio Negro, Centro de Manaus. | Foto: Arquivo Pessoal


    “Durante muito tempo os tradicionais desfiles aconteciam sempre no Centro da cidade, na Avenida Eduardo Ribeiro e depois na Avenida Djalma Batista. Nessa época, o Boulevard virava uma verdadeira concentração de foliões que acompanhava a exposição de carros alegóricos. Foi só em 1975 que o famigerado sambódromo passou a receber anualmente o carnaval das escolas de samba”, revela o pesquisador cultural.

    Ao lado esquerdo da foto, o jornalista Ronaldo Tiradentes fazendo a cobertura do desfila na Av. Eduardo Ribeiro, Centro de Manaus
    Ao lado esquerdo da foto, o jornalista Ronaldo Tiradentes fazendo a cobertura do desfila na Av. Eduardo Ribeiro, Centro de Manaus | Foto: Arquivo Pessoal


    Daniel Sales ressalta ainda que “O Carnaval é uma festa antiga, celebrada em vários lugares do mundo de diversas formas. O que é do Brasil é o samba, e o país fez desse casamento uma festa profissional. A maior festa popular do país”, conclui o escritor.

    Leia mais:

    Saiba o verdadeiro motivo que tirou o jornalista Mário Adolfo da Banda da Bica

    "Quero trabalhar em prol do bem comum" diz novo secretário de cultura do AM

    Veja as bandas de bloco de carnaval em Manaus em 2019 

    Comentários