Fonte: OpenWeather

    ENEM 2019


    Veja como tratar os temas polêmicos na redação do Enem 2019

    Professora dá dicas para tirar nota máxima na redação do Enem 2019. As provas do ENEM acontecem nos dias 3 e 10 de novembro, em todo o País.

    Enem trouxe à tona assuntos com diferentes graus de polêmica | Foto: Divulgação

    Manaus - A redação do Enem é uma das etapas mais temidas pelos candidatos que realizam a prova. Além de dominar as ferramentas indispensáveis para escrever um bom texto, o estudante deve, acima de qualquer técnica gramatical, estar preparado para argumentar sobre um tema polêmico e, principalmente, usar as palavras de forma minuciosa, explica a professora de Língua Portuguesa e Mestre em Estudos Linguísticos da UniNorte, Vera Antunes.

    As provas do ENEM acontecem nos dias 3 e 10 de novembro, em todo o País.

    Nos últimos anos, o Enem trouxe à tona assuntos com diferentes graus de polêmica e que geram posicionamentos distintos.

    Em 2016, por exemplo, o exame pediu que os candidatos apontassem caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil.

    O tema foi tratado como bastante atual, devido à quantidade de casos de violência motivados por religiões noticiados no Brasil e no mundo ao longo de 2015. Outros temas que exigiram senso crítico dos alunos ocorreram em 2013, quando o mote foi “Os efeitos da implantação da Lei Seca no Brasil”, e em 2015, com “A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira”. Neste último, o candidato que optasse por defender a violência iria contra os direitos humanos e, consequentemente, seria penalizado pelo edital do exame com a anulação da redação.

    Fugir da superficialidade

    O cuidado ao se posicionar sobre determinados temas, segundo a professora Vera Antunes, deve ser redobrado. Segundo ela, o candidato precisa mostrar conhecimento sobre o assunto e opinar sem superficialidade. “Se ele escrever de forma superficial vai comprovar ao examinador que não tem leitura. É importante usar argumentos de forma não preconceituosa e nem deixar implícito qualquer tipo de prejulgamento”, explicou a professora.

    Para isso, ela aconselha empregar as palavras de forma “madura”. Isso compreende entender o que está sendo escrito, não deixando margens para interpretações subjetivas.

    “As palavras são polissêmicas, a cada contexto adquirem sentidos diferentes. O candidato deve expor seu ponto de vista com respeito e, para isso, deve ter boas leituras, principalmente, em fontes fidedignas e confiáveis. Escrever na primeira pessoa do plural como ‘acreditamos’, ‘concordamos’, também é um caminho para evitar argumentos centrados na sua ideologia. Quando o estudante constrói seu argumento baseado em diferentes opiniões, ele generaliza, mas quando opina sem conhecimento de causa, apresentando seu ponto de vista carregado de suas ideologias acaba pecando no seu posicionamento”.

    Dicas: introdução, desenvolvimento, conclusão

    Embora pareça um quebra-cabeça produzir uma redação a partir de assuntos polêmicos, Vera garante que é possível manter a estrutura do texto dissertativo-argumentativo sem marcas ideológicas. “A estrutura é a mesma: introdução, desenvolvimento e conclusão, mas uma dica interessante é ele colocar afirmações positivas e negativas logo na introdução. No desenvolvimento, ele mostra os dois lados do assunto, em dois parágrafos, e na conclusão finaliza a ideia mostrando as partes citadas na introdução, sendo imparcial ao fechar o texto”, afirma.

    Temas sobre o tradicionalismo familiar

    Vera argumenta que, após as profundas mudanças políticas no País, a prova pode trazer um tema próximo ao tradicionalismo. A família, valores ou padrões na sociedade, segundo ela, são alguns assuntos que têm grandes chances de serem cobrados.

    Por outro lado, ela pensa que o Enem é capaz de surpreender trazendo assuntos onde a polêmica não seja tão presente, como tecnologia, educação, acessibilidade, entre outros. “Eles podem ter essa sacada para não se envolver em mais polêmicas”, disse ela.

    Leitura e vídeos

    Para obter ideias diversas, ela aconselha ler e assistir vídeos sobre temas polêmicos na mídia. Ela ressalta, ainda, que quem pretende fazer uma boa redação não deve somente se munir de argumentos oriundos das redes sociais. “No caso de um tema sobre maioridade penal, seria adequado o estudante assistir três comentaristas, de opiniões diferentes, debatendo sobre o assunto. Ler editoriais de revistas e jornais, em que a estrutura e estilo de texto se aproximam de uma redação, faz com que ele se sinta familiarizado. Com isso, a visão fica menos superficial e a coerência vai sendo formada. É fato que muita coisa vem da educação familiar - os valores, as ideologias -, mas o aluno precisa entender que ele faz parte de uma sociedade, e ela se constrói de acordo com a evolução”.

    Comentários