Fonte: OpenWeather

    Professora de Manaus


    Professora é destaque por desenvolver guia sobre trabalho infantil

    Educadora já ganhou outros nove prêmios e neste décimo, o reconhecimento veio pelo desenvolvimento de um guia sobre trabalho infantil

    Professora há 32 anos, Soraya Freire já recebeu outros nove prêmios
    Professora há 32 anos, Soraya Freire já recebeu outros nove prêmios | Foto: Altemar Alcântara e Ione Moreno / Semcom

    Manaus - A professora Soraya Freire de Oliveira, que atua na rede municipal de ensino de Manaus, participou do desenvolvimento de um guia sobre trabalho infantil para educadores e ganhou destaque em matéria publicada no jornal “Estadão”, na última semana. A educadora do 5º ano do ensino fundamental, da escola Thomás Meirelles, foi convidada pela Rede Peteca Chega de Trabalho Infantil, plataforma que visa a promoção dos direitos da criança e do adolescente a partir da erradicação do trabalho infantil no país, para elaborar um plano de aula à distância.

    Professora premiada

    Com 32 anos de profissão, a professora vinculada à Secretaria Municipal de Educação (Semed) já recebeu nove prêmios, sendo quatro dos Professores do Brasil, três do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) de Educação no Trânsito, um de Incentivo à Educação Fundamental e um Concurso Estadual de Prevenção às Drogas, Tabagismo e Prevenção à Dengue.

    Há 12 anos, a educadora da rede municipal desenvolve ações sobre o trabalho infantil. Com o projeto “Diga não ao trabalho infantil”, ela percebeu que um aluno dormia todos os dias na sala de aula e descobriu que o motivo era porque ele ajudava o pai, que era padeiro e saía de madrugada de casa.

    O Guia

     Segundo a professora, o “Guia para professores: como trabalhar o tema na escola”, foi dividido em duas etapas, uma com aulas presenciais e outra remota. Para ela, a ação é inovadora e vai auxiliar os educadores em sua atuação.

    “O lançamento do guia é de suma importância, porque ele orienta os educadores quanto ao desenvolvimento das atividades pertinentes ao combate da exploração e do trabalho infantil. O guia é apenas uma sugestão para que os colegas educadores possam adaptar as suas diferentes realidades e, a partir daí, desenvolver esse tema de ordem social importantíssima, que envolve diretamente a questão das crianças em vulnerabilidade social”, explicou.

    As atividades das aulas são diversificadas e visam sensibilizar quanto aos malefícios causados pelo trabalho infantil. São realizadas ações como: “Blá! Blá! Blá!”, momento de dialogar com as crianças sobre o tema, apresentação de vídeos sobre a abordagem, suscitando uma reflexão sobre a gravidade do problema que atinge muitas crianças em vulnerabilidade social, concurso de poesia, montagem do cata-vento (símbolo da campanha), dramatização e encontro de pais para sensibilizar sobre a questão.

     Aprendizado

    Aluna do 5º ano, Verônica Franco, de dez anos, participa do projeto desde abril deste ano. Para ela, o aprendizado sobre a temática tem sido muito grande e fundamental para levar para toda a vida.

    “Na exploração do trabalho infantil, aprendi que as crianças devem ficar na escola, e não trabalhando.  Elas têm que ir para a escola de todo jeito. Trabalhamos com a professora o cata-vento, símbolo do projeto. A aula em casa está nos ajudando muito nesse momento de pandemia, pois nós não podemos estar na escola, mas a professora está nos ajudando muito”, disse.

    No projeto desde o ano passado, a aluna do 5º ano, Alicia Benício, de 11 anos, mesmo em isolamento social, tem se dedicado muito no aprendizado das aulas remotas.

    “O aprendizado do plano de aula a distância tem me ajudado a obter mais conhecimento, trocar ideias com minha mãe e a professora. O tema trabalho infantil é importante, assisti a vídeos onde a professora passou atividades para desenhar o símbolo da campanha. Toda criança deve estudar, e é um direito seu, por isso essa ação na escola está sendo muito produtivo”, contou.

     

    Leia mais:

    Veja resultados de editais de programas apoiados pela Fapeam no AM

    Escolas estaduais realizam medidas de higienização para receber alunos

    Seinfra abre vaga para estagiário em Edição de Vídeo

    Veja também


    Comentários