Fonte: OpenWeather

    Educação


    Plataforma amazonense dá dicas gratuitas e estratégias para o Sisu

    A startup pretende escalar para outros estados e também cobrir outros programas como o ProUni e o FIES

    As oficias começaram no 17 deste mês | Foto: Divulgação

    Manaus - O ENEM é o principal vestibular, mas quem faz o ingresso em universidades é o Sistema de Seleção Unificada (SiSU), que possui regras, cotas e estratégias que os participantes devem tomar para garantir o sonho de alcançar o ensino superior. O processo complexo ainda gera dúvidas entre os estudantes. Por isso, a Lazu, startup amazonense que desenvolve materiais didáticos e ferramentas de inteligência de dados para estudantes e escolas de ensino médio, oferece estratégias e dicas para estudantes de todo país.

    Na última sexta-feira (17), a Lazu deu início oficialmente ao projeto “Lazu no SiSU”. Até esta quarta-feira, (22), cerca de mil estudantes de todo o Brasil já foram atendidos. Foram tiradas dúvidas de estudantes de todos os estados da Região Norte, além do Paraná, Ceará, São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Bahia, Alagoas, Piauí, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Sul e Sergipe.

    “Com o resultado do ENEM, começamos a calcular as notas dos estudantes já levando em conta os pesos e dando dicas como tomar melhores decisões. Além disso, falamos e calculamos para muitos sobre a bonificação que é algo que muita gente não sabe e a UFAM o

    | Foto: Divulgação

    ferece para estudantes do Amazonas”, Sabrina Susan, CEO da Lazu.

    Ainda de acordo com a CEO do projeto, a Lazu quer ir além e dar continuidade com o programa do SiSU até o resultado da lista de espera, pretende escalar para outros estados e também cobrir outros programas como o ProUni e o FIES.

    Sobre a Lazu

    A Lazu é uma startup genuinamente amazonense que desenvolve materiais didáticos para estudantes do ensino médio e inteligência de dados para escolas. Atualmente é composta por doze professores, um designer de produto e uma gerente de negócios. A iniciativa partiu de estudantes, que ainda no ensino médio identificaram as necessidades reais à respeito de livros didáticos e o ensino tradicional dentro das salas de aula. Surgindo como uma promessa inovadora no cenário da educação brasileira.

    *Com informações da assessoria.

    Comentários