Fonte: OpenWeather

    Amazônia


    Primata da RDS Mamirauá na Amazônia corre risco de extinção

    Pesquisas apontam que mudanças climáticas podem reduzir a já pequena região onde habita o macaco de cheiro de cabeça preta, no município de Uarini, na calha do Médio Solimões

    Macaco-de-cheiro-da-cabeça-preta sob risco de extinção
    Macaco-de-cheiro-da-cabeça-preta sob risco de extinção | Foto: Fernanda Paim

    Manaus -Natural do lado sul da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Mamirauá, em duas ilhas adjacentes à área de preservação, no município de Uarini (a 565 quilômetros de Manaus), o macaco-de-cheiro-da-cabeça-preta é um primata típico da Amazônia que corre o risco de extinção. Espécie que está sob estudo de pesquisadores do Instituto Mamirauá, desde 2006, está ameaçada pelos efeitos das mudanças climáticas sob o seu habitat natural.

    Com nome científico Saimiri Vanzolinii, de certo modo, o macaco-de-cheiro-da-cabeça-preta, que foi descoberto em 1985, pode ser considerado uma espécie de sorte: afinal de contas, ele vive nas áreas protegidas da RDS Mamirauá, onde está a salvo de vários perigos que ameaçam outros primatas amazônicos, como a caça descontrolada e o desmatamento. Por outro lado, uma característica que torna esta espécie vulnerável, segundo os pesquisadores, é a sua distribuição geográfica extremamente restrita.

    Macaco-de-cheiro-da-cabeça-preta sob risco de extinção
    Macaco-de-cheiro-da-cabeça-preta sob risco de extinção | Foto: Fernanda Paim


    De todas as espécies de primatas das Américas, o macaco-de-cheiro-da-cabeça-preta - que se diferencia dos outros macacos-de-cheiro pela pelagem escura na cabeça, como o nome sugere, e nas costas - é a que tem a menor distribuição. A população inteira dos Saimiri Vanzolinii, estimada em cerca de 150 mil exemplares, vive em 870 quilômetros quadrados.

    Segundo a primatóloga Fernanda Paim, embora os dados mostrem que a população da espécie vem se mantendo estável, é muito preocupante que ela esteja concentrada em uma área tão pequena. Com uma possível redução de habitat no futuro e o risco de hibridização com outros macacos do mesmo gênero, a espécie corre o risco de desaparecer. "O Saimiri Vanzolinii está listado como vulnerável à extinção nos âmbitos nacional e global", alerta a pesquisadora.

    Diferentemente do que acontece com outras espécies amazônicas, o que ameaça o habitat do macaco-de-cheiro-da-cabeça-preta não é o desmatamento, mas um fenômeno mais difícil de se controlar no âmbito local: as mudanças climáticas. Como o primata vive em áreas de várzea, isto é, em áreas que passam alagadas vários meses por ano, sofreria muito com o impacto de alterações na dinâmica das chuvas.

    Fernanda Paim pesquisadora do Instituto Mamirauá
    Fernanda Paim pesquisadora do Instituto Mamirauá | Foto: Marcello Nicolato

    Com a previsão de que, nos próximos 100 anos, a temperatura do planeta pode estar cerca de 4 graus Celsius mais quente, é provável que as chuvas e alagamentos se tornem mais intensos e mais frequentes, o que vai ter impacto direto sobre as diversas espécies animais que habitam a várzea, incluindo o Saimiri Vanzolinii. Se a espécie não for capaz de se adaptar a essas novas condições, pode acabar extinta.

    Para evitar que isso aconteça, Paim e sua equipe trabalham em um projeto ambicioso. Os cientistas coletam e armazenando material reprodutivo - em particular, amostras de sêmen - dos macacos-de-cheiro-da-cabeça-preta. Em breve, planejam fazer o mesmo com óvulos, um material cuja extração é ainda mais delicada. A ideia é, caso seja necessário no futuro, ter a possibilidade de realizar a reprodução assistida dos macacos, recuperando a população.

    O macaco-de-cheiro-da-cabeça-preta

    Macaco-de-cheiro-da-cabeça-preta sob risco de extinção
    Macaco-de-cheiro-da-cabeça-preta sob risco de extinção | Foto: Fernanda Paim

    Saimiri Vanzolinii foi descrito em 1985 pelo primatólogo José Márcio Ayres, um dos principais articuladores da criação da Reserva Mamirauá - o nome específico, Vanzolinii, foi uma homenagem a seu orientador, o biólogo Paulo Vanzolini. Porém, a espécie não voltou a ser tema de estudos científicos até 2006, quando Paim iniciou sua pesquisa.

     O primata vive em grupos de até 50 indivíduos, muitos dos quais aparentados, e passa a maior parte de seu tempo se deslocando em busca de alimento - sua dieta inclui frutos como apuí e taperebá, além de aranhas e insetos, como gafanhotos. Quando não estão se deslocando, os macacos desta espécie passam o tempo dormindo por curtos períodos de tempo ou fazendo atividades sociais, como brincadeiras, comuns entre os filhotes, ou brigas.

    No período reprodutivo, que vai de setembro a outubro, durante a época seca, os machos engordam para atrair a atenção das fêmeas. A gestação, geralmente de um filhote apenas, dura seis meses. Depois do nascimento, o filhote permanece junto à mãe por cerca de dois anos, quando começa a buscar seu próprio alimento. Quando isso acontece, a fêmea está pronta para acasalar novamente.


    Leia mais: 

    Área de preservação ambiental é invadida na Zona Leste de Manaus

    Lixeiras viciadas e igarapés poluídos comprometem qualidade de vida em Manaus

    Plantio simbólico marca reflorestamento no Corredor do Mindu

    Comentários