Fonte: OpenWeather

    Lixeiras Viciadas


    Em Manaus, moradores transformam 'lixeiras viciadas' em jardins

    Aposentada Maria Gomes,73 e a costureira Isabel do Colares, 70, resolveram mudar a realidade das proximidades do bairro onde vivem

    Manaus - Falta de conscientização em jogar lixo em lugares inadequados e de forma constante, aliados à ausência de lixeiras e coletores de lixo em locais públicos da cidade, geram o acúmulo de lixonas ruas, calçadas e a formação de lixeiras viciadas em diversos bairros de Manaus. 

    As lixeiras viciadas incomodam pelo odor fétido, o acúmulo de ratos e moscas, responsáveis pela proliferação de doenças e também pela poluição ambiental e visual. A problemática cresce em uma sequência em que dificulta a eficiência de fiscalização do combate irregular de lixo e da coleta correta dos resíduos sólidos.

    As decomposições dos elementos orgânicos nas lixeiras viciadas produzem uma substância líquida, denominada como chorume. Essa substância química é a mesma substância encontrada em lixões e aterros sanitários responsáveis pelo odor característicos das lixeiras viciadas. E devido a grande quantidade de matéria orgânica presente na substância química, as moscas e demais animais são atraídos para o local. 

    O contato direto com lixeiras viciadas, a água contaminada e detritos de lixo, facilitam a transmissão de doenças ocasionadas por vírus, bactérias, verminoses e outros elementos que estão presentes na matéria orgânica em decomposição. 

    Responsabilidade social

    Existem diversas formas para desativar as lixeiras viciadas na cidade. A  criatividade e boa vontade de realizar as transformações, em alguns casos, são de iniciativas dos moradores dos bairros que convivem diariamente com as consequências de morar próximo as lixeiras viciadas.

    A aposentada Maria Gomes, de 73 anos e a costureira Isabel do Colares, de 70 anos, que moram em bairros diferentes da capital, possuem em comum o objetivo de cuidar do meio ambientee mudar a realidade das proximidades do bairro onde vivem. O visual sujo e com mau cheiro deu espaço para uma área frutífera e com plantas medicinais.

    Maria Gomes teve ajuda do esposo, Almir Gomes, de 74 anos, de amigos e conhecidos para transformar a lixeira viciada que existia há 40 anos no bairro São Lázaro, Zona Sul de Manaus.
    Maria Gomes teve ajuda do esposo, Almir Gomes, de 74 anos, de amigos e conhecidos para transformar a lixeira viciada que existia há 40 anos no bairro São Lázaro, Zona Sul de Manaus. | Foto: Divulgação/ Tacio Melo

    Maria Gomes teve ajuda do esposo, Almir Gomes, de 74 anos e de familiares e amigos para transformar a lixeira viciada que existia há 40 anos no bairro São Lázaro, Zona Sul de Manaus, em uma área arborizada com plantas medicinais, flores e frutas que foram doados por amigos e familiares.

    “A lixeira não fica localizada na minha rua, mas todos os dias eu, meu esposo e uma vizinha carregávamos as mudas de plantas e frutas que recebemos de doações para plantar no espaço e transformar a lixeira viciada e um espaço mais bonito”, comenta a aposentada.

    A costureira Isabel Colares, moradora do bairro Raiz, Zona Sul, também teve iniciativa própria em retirar todo o lixo, aplicar remédios contra insetos para iniciar um espaço em que pudesse plantar frutos e plantas. Dona Isabel, como é conhecida no bairro, destaca que a lixeira viciada existia há 16 anos no lugar, quando a sede de um órgão de serviço público foi transferida, os moradores da área começaram a jogar lixo no local, transformando o local em lixeira viciada.

    A costureira Isabel Colares, moradora do bairro Raiz, Zona Sul, também teve iniciativa própria em retirar todo o lixo, aplicar remédios contra insetos para iniciar um espaço em que pudesse plantar frutos e plantas.
    A costureira Isabel Colares, moradora do bairro Raiz, Zona Sul, também teve iniciativa própria em retirar todo o lixo, aplicar remédios contra insetos para iniciar um espaço em que pudesse plantar frutos e plantas. | Foto: Divulgação/ Tacio Melo

    Dona Isabel comenta que a ideia de começar a transformar o local, surgiu há dois anos. “Eu chamei um rapaz para capinar o terreno e aplicar remédios para eu poder iniciar as plantações. Iniciei com quatro palmeiras no lugar e no decorrer do tempo, os meus amigos e familiares começaram a realizar doações. Hoje eu tenho frutas como abacaxi e maracujá e plantas medicinais como capim santo”, destaca a costureira.

    As responsáveis pelas transformações, Dona Maria e Dona Isabel, destacam que ainda enfrentam obstáculos diários devido a falta de conscientização dos moradores do bairro e de pessoas que ainda jogam lixo no espaço. 

    Lei Municipal n°2295

    Manaus possui, desde 2018, a Lei n° 2295 que concede multa a quem for flagrado jogando lixo nas ruas do município. A multa prevista é determinada durante o flagrante e irá considerar o local, data e horário, dados pessoais, descrição do fato e o motivo da infração, identificação do agente atuante e assinaturas de quem flagrou a ação. 

    O valor resultante das multas terá destino a Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp), órgão municipal responsável por formular e implementar a política de limpeza pública no município.

    400 ações da Prefeitura 

    De acordo com dados divulgados pela Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp), de janeiro a maio de 2019, a Prefeitura realizou mais de 400 ações de combate a lixeira viciadas e 400 ações de fiscalização e controle para evitar que moradores voltem a jogar lixo nos locais reestruturados. As ações resultaram em 60 novos jardins comunitários na e mais de 40 placas sinalizadoras instaladas no em diversas zonas da cidade.

    Comentários